Guimarães Rosa

Guimarães Rosa é um escritor mineiro nascido em 27 de junho de 1908, em Cordisburgo. Também foi médico, diplomata e membro da Academia Brasileira de Letras. Seu primeiro livro de contos — Sagarana — foi publicado em 1946. Assim, o autor faz parte da terceira fase do modernismo brasileiro (ou pós-modernismo), caracterizada, principalmente, pelo seu caráter experimental.

Sua obra mais famosa é o romance Grande sertão: veredas, publicado em 1956. Nesse livro, estão presentes as principais características da escrita roseana, pois, além de vários neologismos, ele apresenta uma estrutura não convencional, uma narrativa sem capítulos. O regionalismo também é uma marca das obras do autor, que morreu em 19 de novembro de 1967, no Rio de Janeiro.

Leia também: Graciliano Ramos — grande nome da prosa regionalista brasileira

Biografia

Guimarães Rosa (ou João Guimarães Rosa) é um autor mineiro, nascido em Cordisburgo, no dia 27 de junho de 1908. Porém, viveu sua adolescência em Belo Horizonte, onde, em 1930, formou-se em medicina. O escritor ganhou um prêmio da Academia Brasileira de Letras, em 1936, pela sua obra poética Magma. Mas só publicou seu primeiro livro de contosSagarana — em 1946.

Guimarães Rosa, durante sua viagem pelo sertão, em 1952.
Guimarães Rosa, durante sua viagem pelo sertão, em 1952.

Sua obra-prima, no entanto, só foi publicada dez anos depois. O romance Grande sertão: veredas é de 1956, resultado de uma viagem que o autor fez pelo sertão em 1952. Paralelamente à carreira de escritor, Guimarães Rosa atuou como cônsul em Hamburgo, na Alemanha, entre os anos de 1938 e 1942. Em seguida, foi secretário de embaixada em Bogotá até 1944. Trabalhou também como chefe de gabinete do ministro João Neves da Fontoura (1887-1963), no período de 1946 a 1951.

O autor também exerceu a função de primeiro-secretário e conselheiro de embaixada em Paris, França (1948-1951), chefe de divisão de orçamento (1953) e chefe do Serviço de Demarcação de Fronteiras (1962). Em 8 de agosto de 1963, foi eleito para a Academia Brasileira de Letras. No entanto, só tomou posse, oficialmente, em 16 de novembro de 1967.

Em seu discurso de posse, ele homenageou sua cidade natal — Cordisburgo — e seu antecessor João Neves da Fontoura. Nessa oportunidade, o autor pronunciou sua frase mais famosa: “As pessoas não morrem, ficam encantadas”. Três dias depois, Guimarães Rosa, ganhador do Prêmio Machado de Assis, em 1961, e comparado por estudiosos ao escritor irlandês James Joyce (1882-1941), faleceu (ou ficou encantado) em 19 de novembro de 1967, no Rio de Janeiro.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Estilo literário

As obras de Guimarães Rosa, autor da terceira fase do modernismo brasileiro (ou pós-modernismo), apresentam as seguintes características:

  • lirismo;

  • neologismos;

  • estrutura textual anticonvencional;

  • regionalismo;

  • temáticas universais;

  • conflito existencial;

  • fragmentação;

  • valorização da cultura do sertão;

  • fluxo de consciência ou monólogo interior.

Leia também: Clarice Lispector — importante nome do modernismo brasileiro

Obras

Capa do livro Sagarana, de Guimarães Rosa, publicado pela Global Editora. |1|
Capa do livro Sagarana, de Guimarães Rosa, publicado pela Global Editora. |1|
  • Sagarana (1946)

  • Corpo de baile (1956)

  • Grande sertão: veredas (1956)

  • Primeiras estórias (1962)

  • Manuelzão e Miguilim (1964)

  • Campo geral (1964)

  • No Urubuquaquá, no Pinhém (1965)

  • Noites do sertão (1965)

  • Tutameia: terceiras estórias (1967)

  • Estas estórias (1969)

  • Ave, palavra (1970)

  • Magma (1997)

Sagarana

Sagarana — publicado pela primeira vez em 1946 — é o primeiro livro de contos de Guimarães Rosa. O título é um neologismo criado a partir da junção das palavras “saga” (sagen — “lenda” —, de origem alemã) e “rana” (“semelhança”, de origem tupi). Como outras obras do autor, essa apresenta caráter regionalista, pois a ação, nos contos, ocorre no sertão mineiro. Desse modo, o escritor explora a linguagem coloquial do sertanejo, além de retratar sua cultura, nas nove narrativas que compõem o livro.

O conto “O burrinho pedrês” traz a história do velho Sete-de-Ouros, um burrinho pedrês da Fazenda da Tampa, de propriedade do Major Saulo. Desprezado pelos vaqueiros, o animal acaba realizando um ato heroico, fruto de sua sabedoria, bravura e coragem. Já no conto “Traços biográficos de Lalino Salãthiel ou A volta do marido pródigo”, Lalino é bem-humorado e falante, um malandro sertanejo que, depois de viver aventuras no Rio de Janeiro, é contratado para trabalhar na campanha eleitoral do major Anacleto.

Em “Sarapalha”, primo Ribeiro e primo Argemiro, moradores de um arraial devastado pela malária, estão à beira da morte e revivem uma história do passado. Em seguida, o conto “Duelo” narra a vingança de Turíbio Todo, traído pela mulher, e seu rival, Cassiano Gomes, que busca justiça pela morte do irmão. Em “Minha gente”, o narrador, um homem racional, acaba sendo envolvido em um romance cercado por superstições, política e violência.

O conto “São Marcos” é ambientado no povoado de Calango-Frito, onde o narrador, um homem descrente, fica cego repentinamente e precisa recorrer à reza de São Marcos para se curar. Já em “Corpo fechado”, o povo do arraial de Laginha vive aterrorizado por valentões. Um deles, Targino, manifesta a vontade de ficar com a noiva de Manuel. Se o noivo não aceitar, morre. Por isso, Manuel precisa “fechar o corpo” para sobreviver.

Segundo Manuel Timborna, do conto “Conversa de bois”, os bois podem falar. Ele, então, conta a história de oito bois, do menino Tiãozinho e do carreiro Agenor Soronho. Assim, o livro chega ao final, com seu conto mais famoso — “A hora e vez de Augusto Matraga” —, cujo protagonista, um homem impiedoso, depois de ser abandonado por seus capangas, pela esposa e filha, decide enfrentar o Major Consilva e sai perdendo. Regenerado, vive esperando a sua hora e vez, isto é, o seu destino.

Veja também: O grande sertão de Guimarães Rosa

Poemas

A seguir, vamos analisar dois poemas do autor, de seu livro Ave, palavra, escritos com o heterônimo de Soares Guiamar. No poema “Pescaria”, o eu lírico compara o ato de pescar a uma pesquisa acadêmica. Caracteriza o peixe como “kierkegaardiano”, em referência ao filósofo dinamarquês Sören Kierkegaard (1813-1855); a vara de pescar é comparada a uma tese; e a linha, a uma pesquisa. Afirma que o rio é “impassível”, isto é, indiferente, insensível, já que ele passa e mantém o “sangue frio”. O caniço, então, é personificado, pois “se sente infeliz” ao unir dois imbecis — o pescador e o peixe, provavelmente.

O peixe no anzol
é kierkegaardiano.
(O pescador não sabe,
só está ufano.)

O caniço é a tese,
a linha é pesquisa:
o pescador pesca
em mangas de camisa.

O rio passa,
por isso é impassível:
o que a água faz
é querer seu nível.

O pescador ao sol,
o peixe no rio:
dos dois, ele só
guarda o sangue frio
.

O caniço, então,
se sente infeliz:
é o traço de união
entre dois imbecis...

O rio pode ser uma metáfora para a efêmera e mutável existência.
O rio pode ser uma metáfora para a efêmera e mutável existência.

Já no poema “Alongo-me”, o eu lírico, ao falar da trajetória do rio, parece criar uma alegoria para a existência humana, marcada pela experiência de vida e morte.

O rio nasce
toda a vida.
Dá-se
ao mar a alma vivida.
A água amadurecida,
a face
ida.
O rio sempre renasce
A morte é vida.

Veja também: Cinco poemas de Carlos Drummond de Andrade

Frases

A seguir, vamos ler algumas frases de Guimarães Rosa, extraídas de seu livro Ave, palavra.

“A ideia da galinha nasceu muito antes do primeiro ovo.”

“O urubu é que faz castelos no ar.”

“Mesmo na descida, o salto do cavalo é ascendente.”

“O macaco está para o homem assim como o homem está para x.”

“As conchas são os ossos do oceano.”

“Onde está uma concha, está o fundo do mar.”

“Só não existe remédio é para a sede do peixe.”

“O dormir do peixe é a água que se descuida.”

“O ilimite de liberdade cria em cada canto um carrasco.”

“O poço nunca é do peixe: é de outro peixe mais forte.”

“O peixe vive pela boca.”

Crédito da imagem

|1| Reprodução / Eugênio Silva

|2| Reprodução / Editora Global 

Por: Warley Souza

Artigos relacionados

Uso das aspas

Conheça dicas simples e fáceis sobre o uso das aspas: o que são, além de como e quando utilizá-las em um texto.

Paremiologia

Quer saber o que é a paremiologia? Clique e surpreenda-se com essa interessante ciência!

Poesia de Mia Couto

O inventor de palavras: Clique e encante-se com a poesia de Mia Couto, um dos maiores nomes da literatura contemporânea.

Murilo Rubião

Veja quem foi Murilo Rubião, importante autor de contos fantásticos. Conheça as características de suas obras e leia algumas frases desse autor.

Anton Tchekhov

Conheça Anton Tchekhov. Saiba quais são as principais características de suas obras. Leia o resumo de “A dama do cachorrinho” e algumas frases do autor.

Aluísio Azevedo

Saiba quem é Aluísio Azevedo e entenda as suas características literárias. Conheça também as principais obras do autor.

Caio Fernando Abreu

Inventário literário de Caio Fernando Abreu: Conheça a vida e a obra de um dos mais populares escritores brasileiros.

Erico Verissimo

Leia este artigo sobre a biografia do escritor Erico Verissimo e amplie seus conhecimentos sobre a segunda geração modernista brasileira.

Euclides da Cunha

Conheça a vida e as obras de Euclides da Cunha, escritor pré-modernista brasileiro e autor de Os Sertões.

Graciliano Ramos

Graciliano Ramos figura dentre os mais importantes representantes da prosa regionalista da geração de 1930. Não deixe de conhecer sua trajetória artística!

José de Alencar

Saiba mais sobre José de Alencar, o maior nome da prosa romântica brasileira. Veja qual é o seu estilo e quais obras foram escritas por esse importante autor.

Lima Barreto

Grandes escritores brasileiros: Conheça mais sobre a vida e a obra de Lima Barreto.

Machado de Assis

O bruxo do Cosme Velho: Clique e saiba mais sobre a vida e a obra de Machado de Assis, representante maior da Literatura brasileira.

Mário de Andrade

Mário de Andrade foi um dos intelectuais modernistas que participaram da Semana de Arte Moderna. Conheça aqui sua trajetória artística.