Romantismo no Brasil

Romantismo no Brasil tinha caráter nacionalista e burguês. As fases da poesia romântica brasileira ficaram conhecidas como indianismo, ultrarromantismo e condoreirismo.

“Independência ou morte!”, obra do pintor romântico Pedro Américo (1843-1905).
“Independência ou morte!”, obra do pintor romântico Pedro Américo (1843-1905).

O romantismo no Brasil surgiu em 1836 como reflexo do sentimento de nacionalidade que tomou conta do país a partir da independência, ocorrida em 1822. Portanto, configurou-se como um projeto de construção de uma identidade nacional. Para isso, elegeu o índio e a floresta como símbolos nacionais e empreendeu o enaltecimento da pátria.

A poesia romântica é dividida em três fases: o indianismo possui caráter nacionalista, o ultrarromantismo está associado ao sofrimento amoroso e à morbidez, e o condoreirismo apresenta crítica sociopolítica. Já a prosa romântica é composta por romances indianistas, urbanos, regionalistas e históricos.

Leia também: Realismo no Brasil — a visão antirromântica da realidade brasileira

Resumo sobre romantismo no Brasil

  • O romantismo no Brasil foi marcado pelo nacionalismo e pela exibição dos costumes burgueses.

  • Autores como Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Castro Alves e José de Alencar fizeram parte do romantismo no Brasil.

  • O romantismo chegou ao país em 1836, poucos anos depois da independência do Brasil.

  • A poesia romântica é divida em três fases: indianismo, ultrarromantismo e condoreirismo.

  • A prosa romântica é composta por romances indianistas, urbanos, regionalistas e históricos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características do romantismo no Brasil

A literatura romântica, no Brasil, apresenta três fases na poesia e quatro tipos diferentes de prosa. Desse modo, os poetas românticos produziram uma poesia indianista, ultrarromântica e social. Já os romancistas escreveram romances indianistas, urbanos, regionalistas e históricos.

Portanto, de forma geral, o romantismo no Brasil possuía as seguintes características:

  • nacionalismo;

  • indianismo;

  • bucolismo;

  • amor idealizado;

  • mulher idealizada;

  • exagero sentimental;

  • costumes burgueses;

  • crítica social.

Leia também: Escolas literárias no Enem — como esse tema é cobrado?

Quais são os principais autores do romantismo no Brasil?

  • Gonçalves de Magalhães (1811-1882) — 1a fase

  • Gonçalves Dias (1823-1864) — 1a fase

  • Álvares de Azevedo (1831-1852) — 2a fase

  • Casimiro de Abreu (1839-1860) — 2a fase

  • Fagundes Varela (1841-1875) — 2a fase

  • Castro Alves (1847-1871) — 3a fase

  • Sousândrade (1832-1902) — 3a fase

  • Joaquim Manuel de Macedo (1820-1882) — romance urbano

  • José de Alencar (1829-1877) — romance indianista, urbano, regionalista e histórico

  • Manuel Antônio de Almeida (1830-1861) — romance urbano

  • Visconde de Taunay (1843-1899) — romance regionalista

  • Franklin Távora (1842-1888) — romance regionalista

  • Bernardo Guimarães (1825-1884) — romance regionalista

  • Maria Firmina dos Reis (1822-1917) — romance regionalista

Principais obras do romantismo no Brasil

  • Suspiros poéticos e saudades (1836) — Gonçalves de Magalhães

  • A moreninha (1844) — Joaquim Manuel de Macedo

  • Últimos cantos (1851) — Gonçalves Dias

  • Lira dos vinte anos (1853) — Álvares de Azevedo

  • Memórias de um sargento de milícias (1854) — Manuel Antônio de Almeida

  • O guarani (1857) — José de Alencar

  • O guesa errante (1884) — Sousândrade

  • As primaveras (1859) — Casimiro de Abreu

  • Úrsula (1859) — Maria Firmina dos Reis

  • Vozes da América (1864) — Fagundes Varela

  • Iracema (1865) — José de Alencar

  • Inocência (1872) — Visconde de Taunay

  • Senhora (1875) — José de Alencar

  • A escrava Isaura (1875) — Bernardo Guimarães

  • O cabeleira (1876) — Franklin Távora

  • Os escravos (1883) — Castro Alves

Contexto histórico do romantismo no Brasil

Em 1807, com Portugal sob a ameaça de invasão francesa, D. João VI (1767-1826) e sua corte fugiram rumo ao Brasil. Eles chegaram ao Rio de Janeiro em 1808. Assim, a colônia portuguesa passou a apresentar não apenas uma importância econômica mas também política, já que se transformou na sede do governo português.

Mais tarde, em 1815, a colônia ascendeu a reino quando D. João VI criou o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. Contudo, com a independência do Brasil, em 1822, teve início o período histórico conhecido como Brasil Império, que durou até 1889. Esses acontecimentos no início do século XIX despertaram, em artistas e intelectuais, o sentimento de nacionalidade, que levou ao romantismo brasileiro.

Leia também: Naturalismo — a corrente mais extremada do movimento realista

Fases do romantismo no Brasil

A poesia romântica brasileira é dividida em três fases:

  • 1a fase do romantismo no Brasil (1836 a 1852)

A poesia indianista ou nacionalista brasileira elege o indígena como herói nacional e a floresta como pano de fundo para suas ações. Portanto, em meio a esse ambiente bucólico, o amor e a mulher são apresentados de forma idealizada. Assim, atos heroicos e sentimentos nobres são expressos em versos regulares.

  • Videoaula sobre a 1ª fase do romantismo brasileiro

  • 2a fase do romantismo no Brasil (1853 a 1869)

A poesia ultrarromântica (ou byroniana) brasileira está associada ao sofrimento amoroso, causado pelo amor impossível por uma mulher ideal. Essa fase foi caracterizada pelo escapismo (fuga da realidade), pessimismo e saudosismo. Marcada pelo mal do século (tédio e melancolia), essa geração de poetas apresentava obsessão pela morte, única saída para os sofrimentos.

  • Videoaula sobre a 2a fase do romantismo no Brasil

  • 3a fase do romantismo no Brasil (1870 a 1880)

O condoreirismo foi a fase da poesia romântica que apresentou crítica sociopolítica e, portanto, não empreendeu a fuga da realidade. Porém, ainda possuía elementos tipicamente românticos, como o uso de hipérboles, vocativos e exclamações. Afinal, o poeta não queria demonstrar seus sentimentos, mas provocar a emoção de seus leitores e leitoras.

  • Videoaula sobre a 3a fase do romantismo no Brasil

Já a prosa romântica não apresenta fases e possui quatro tipos específicos de romance:

  • Romance indianista: amor e mulher idealizados; o indígena é o herói nacional; floresta como símbolo nacional; reconstituição do passado histórico; vassalagem amorosa.

  • Romance urbano: melodramático; amor e mulher idealizados; a ação se passa no Rio de Janeiro; costumes burgueses; obstáculos ao amor entre o herói e a heroína.

  • Romance regionalista: amor e mulher idealizados; regionalismo; o homem do campo é o herói nacional; costumes da sociedade rural.

  • Romance histórico: amor e mulher idealizados; o enredo depende de fatos históricos; presença de personagens fictícios e históricos.

Exercícios resolvidos sobre romantismo no Brasil

Questão 01

(Enem) O trecho a seguir é parte do poema “Mocidade e morte”, do poeta romântico Castro Alves:

Oh! eu quero viver, beber perfumes
Na flor silvestre, que embalsama os ares;
Ver minh’alma adejar pelo infinito,
Qual branca vela n’amplidão dos mares
No seio da mulher há tanto aroma...
Nos seus beijos de fogo há tanta vida...
— Árabe errante, vou dormir à tarde
À sombra fresca da palmeira erguida.
Mas uma voz responde-me sombria

Terás o sono sob a lájea fria.

ALVES, Castro. Os melhores poemas de Castro Alves. Seleção de Lêdo Ivo. São Paulo: Global, 1983.

Esse poema, como o próprio título sugere, aborda o inconformismo do poeta com a antevisão da morte prematura, ainda na juventude.
A imagem da morte aparece na palavra

a) embalsama.

b) infinito.

c) amplidão.

d) dormir.

e) sono.

Resolução:

Alternativa “e”

Nos versos “Mas uma voz responde-me sombria/ Terás o sono sob a lájea fria”, a palavra “sono” é eufemismo de morte.

Questão 02

(Enem)

Leito de folhas verdes

Brilha a lua no céu, brilham estrelas,
Correm perfumes no correr da brisa,

A cujo influxo mágico respira-se
Um quebranto de amor, melhor que a vida!

A flor que desabrocha ao romper d’alva
Um só giro do sol, não mais, vegeta:

Eu sou aquela flor que espero ainda
Doce raio do sol que me dê vida.

DIAS, G. Antologia poética. Rio de Janeiro: Agir, 1979 (fragmento).

Na perspectiva do romantismo, a representação feminina espelha concepções expressas no poema pela

a) reprodução de estereótipos sociais e de gênero.

b) presença de traços marcadores de nacionalidade.

c) sublimação do desejo por meio da espiritualização.

d) correlação feita entre estados emocionais e natureza.

e) mudança de paradigmas relacionados à sensibilidade.

Resolução:

Alternativa “d”

No poema, o eu lírico feminino se compara a um elemento da natureza, isto é, uma flor. Desse modo, a figura feminina se mostra à espera do amor, metaforizado pelo termo “sol”.

Questão 03

(UEFS)

Minha desgraça

Minha desgraça, não, não é ser poeta,
Nem na terra de amor não ter um eco,

E meu anjo de Deus, o meu planeta
Tratar-me como trata-se um boneco...

Não é andar de cotovelos rotos,
Ter duro como pedra o travesseiro...

Eu sei... O mundo é um lodaçal perdido
Cujo sol (quem mo dera!) é o dinheiro...

Minha desgraça, ó cândida donzela,
O que faz que o meu peito assim blasfema,

É ter para escrever todo um poema,
E não ter um vintém para uma vela.

AZEVEDO, Álvares de. Minha desgraça. Lira dos vinte anos. São Paulo: FTD, 1994. p. 194. (Coleção Grandes Leituras).

Indique V ou F, conforme seja o item verdadeiro ou falso.

O poema revela

( ) um eu comandado pelo racionalismo.

( ) o humor como artifício de ocultamento de um drama.

( ) o sentimento irônico em face dos limites da vida prática.

( ) a indignação romântica contra a realidade material da vida.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é a

a) F V V V.

b) F V V F.

c) V F F V.

d) V F V F.

e) V V V V.

Resolução:

Alternativa “a”

Nesse poema romântico de Álvares de Azevedo, sobressai a emoção e não a racionalidade. O humor ou ironia é utilizado nos dois últimos versos, de forma a amenizar o drama exposto nas duas primeiras estrofes. Essa ironia também se constrói com base na constatação dos limites da vida prática, já que o eu lírico não tem dinheiro para comprar uma vela, mas tem assunto para escrever todo um poema. Daí a indignação romântica contra a realidade material da vida, em um mundo “cujo sol é o dinheiro”. 

Por: Warley Souza

Artigos relacionados

A intertextualidade presente na arte literária

Aprimore seus conhecimentos em relação a esse fato!

A literatura de informação

Inteire-se mais acerca das características que demarcaram tal criação artística!

Casimiro de Abreu

Saiba quem foi o escritor romântico Casimiro de Abreu. Veja quais são as principais características de suas obras. Conheça o seu poema mais famoso.

Castro Alves

Saiba quem é Castro Alves, o grande nome da terceira geração romântica. Conheça o contexto histórico de suas obras e entenda as características literárias do autor.

Cruz e Sousa

Cruz e Sousa, com suas obras Missal e Broquéis, foi considerado o introdutor do Simbolismo no Brasil.

Gonçalves Dias

A primeira fase do Romantismo brasileiro teve como um de seus principais artistas Gonçalves Dias. Atenha-se à carreira artística desse nobre poeta em apenas um clique!

Joaquim Manuel de Macedo

Saiba quem é o escritor romântico Joaquim Manuel de Macedo. Conheça as principais características de suas obras e veja, além disso, algumas frases do autor.

José de Alencar

Saiba mais sobre José de Alencar, o maior nome da prosa romântica brasileira. Veja qual é o seu estilo e quais obras foram escritas por esse importante autor.

Lord Byron

Saiba quem foi o poeta inglês Lord Byron. Veja quais são as principais características de suas obras. Conheça um pouco da poesia desse autor.

Machado de Assis

Saiba quem foi o escritor Machado de Assis. Descubra quais são as principais características de suas obras. Conheça seu livro “Memórias póstumas de Brás Cubas”.

O Arcadismo no Brasil

Conheça acerca do ideário que tanto norteou este movimento, também conhecido como Escola Mineira!

O Romantismo brasileiro no estilo prosaico

O Romantismo brasileiro, retratado na categoria prosaica, manifestou-se sob algumas vertentes específicas: urbana, regionalista e indianista. Confira muito mais, aqui!

Oswald de Andrade

Conheça a biografia de Oswald de Andrade, importante autor modernista do Brasil. Veja quais obras ele escreveu, e leia alguns de seus mais significativos poemas.

Parnasianismo

Você sabia que o Parnasianismo foi um estilo literário que se opôs ao Romantismo?

Primeira geração do Romantismo no Brasil

Conheça a primeira geração do Romantismo no Brasil e saiba quais eram as características e autores que representaram esse movimento literário nessa fase.

Quinhentismo

Saiba quais são as características do quinhentismo. Conheça seus principais autores. Veja qual é a diferença entre literatura informativa e de formação.

Realismo no Brasil

Entenda o contexto histórico do Realismo no Brasil. Saiba quais são as características desse estilo literário. Além disso, conheça as principais obras do período.

Romance urbano brasileiro

Romantismo no Brasil: Clique e conheça as principais características e os principais representantes do Romance urbano brasileiro.

Romantismo

Conheça as características do Romantismo. Entenda o seu contexto histórico e saiba quais são as principais obras do Romantismo brasileiro e português.

Segunda geração do Romantismo no Brasil

Conheça a segunda geração do Romantismo e saiba quais eram as características e autores que representaram esse movimento literário.

Simbolismo - características marcantes

Atenha-se aos seus principais traços!

Verso e estrofe - noções conceituais

“Mergulhe” no universo literário e descubra todos os encantos que ele tem a nos proporcionar!

Álvares de Azevedo

Álvares de Azevedo se destacou como um dos principais autores da segunda geração do Romantismo, por ser dotado de uma personalidade poética multifacetada. Conheça aqui sua trajetória artística!