Eufemismo

Eufemismo é uma figura de linguagem caracterizada pelo uso de expressões que tornam o enunciado menos agressivo e mais delicado. É uma figura muito utilizada para falar de conteúdos considerados fortes, polêmicos ou tabus sociais, usando termos menos provocativos e mais suaves. Por isso, é um recurso estilístico empregado em contextos que exigem moderação e costuma ser associado à polidez.

A palavra “eufemismo” tem origem no grego “eufemísmos” e significa “emprego de uma palavra favorável no lugar de uma de mau augúrio”. Os vocábulos “eu” (bem) e “femi” (falar) passam a ideia de “falar de modo agradável”.

Leia também: Figuras de linguagem no Enem: como esse tema é cobrado?

Uso do eufemismo

O eufemismo é uma figura de linguagem que consiste em tornar determinado enunciado ou termo mais suave.
O eufemismo é uma figura de linguagem que consiste em tornar determinado enunciado ou termo mais suave.

Palavras ou termos considerados polêmicos ou chocantes, que exigem delicadeza ao serem tratados, podem ser adaptados por meio do eufemismo, que atenua o sentido daquilo que vai abordar. Assim, há graus no uso do eufemismo. Isso pode ser notado dependendo do quanto ele atenua o sentido a partir da substituição que foi feita.

Quando é preciso noticiar a morte de alguém, é muito comum o uso do eufemismo. Observe as nuances a partir destes diferentes enunciados:

  • Ela morreu.
  • Ela faleceu.
  • Ela não está mais entre nós.
  • Ela partiu desta para uma melhor.

Perceba que do primeiro enunciado ao último, a notícia da morte é passada de maneiras distintas.

No primeiro, o verbo “morrer” traz alta carga negativa, trazendo a notícia de maneira objetiva e imediata, o que pode ser extremamente chocante para quem recebe a notícia.

No segundo enunciado, o verbo “falecer” está sonoramente mais distante da palavra “morte” e abranda um pouco o seu significado.

No terceiro e no quarto enunciados, o eufemismo é muito mais intenso, buscando afastar ao máximo possível a ideia de “morte”. São construções de certo modo ambíguas e que remetem a diferentes conceitos até que quem recebe a notícia chegue, aos poucos, à ideia de morte. O último enunciado tenta abrandar o significado ao ponto de dizer que ela partiu para “uma melhor”.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Exemplos de uso do eufemismo

Observe abaixo mais alguns exemplos de eufemismo em diferentes contextos:

“Soube que você não é muito meu fã e vim conversar pessoalmente para resolver isso.”

Na fala acima, em vez de dizer diretamente que a pessoa não gosta de si próprio, o enunciador usa um eufemismo para remeter a essa ideia e poder resolver os problemas com seu interlocutor.

“Há tempos, no Passeio Público, tomei-lhe de empréstimo um relógio. Tenho a satisfação de restituir-lho com esta carta. A diferença é que não é o mesmo, porém outro, não digo superior, mas igual ao primeiro.”

Neste trecho de Memórias póstumas de Brás Cubas, do escritor Machado de Assis, a personagem comenta sobre um relógio que tomou emprestado. Parece se tratar de uma fala literal, mas o restante do trecho mostra que se trata da confissão de um furto, feita de maneira mais branda.

“Eu não sou fofoqueiro! Sou apenas um comunicador eficiente...”

Nessa fala, o enunciador tenta suavizar a sua fama de fofoqueiro explicando que é “eficiente ao se comunicar” com os outros.

Proteja o que você tem de mais importante: faça um seguro conosco!”

É muito comum que propagandas de seguros de vida usem o eufemismo para convencer o consumidor a adquirir esse produto. Ao invés de usar imagens e conceitos negativos, como a morte, utilizam-se mensagens positivas e que não remetam imediatamente à ideia de morte ou de perda, e sim de segurança e de algo que é valioso.

Veja também: Metáfora – figura de palavra que consiste na analogia entre dois ou mais elementos

Exercícios resolvidos

Questão 1 – (Enem)

O nome do inseto pirilampo (vaga-lume) tem uma interessante certidão de nascimento. De repente, no fim do século XVII, os poetas de Lisboa repararam que  não podiam cantar o inseto luminoso, apesar de ele ser um manancial de metáforas, pois possuía um nome “indecoroso” que não podia ser “usado em papéis  sérios”: caga-lume. Foi então que o dicionarista Raphael Bluteau inventou a nova palavra, pirilampo, a partir do grego pyr, significando “fogo”, e lampas, “candeia”.

(FERREIRA, M.B. Caminhos do português: exposição comemorativa do ano europeu das línguas. Portugal: Biblioteca Nacional, 2001)

O texto descreve a mudança ocorrida na nomeação do inseto, por questões de tabu linguístico. Esse tabu diz respeito à

A) recuperação histórica do significado.

B) ampliação do sentido de uma palavra.

C) produção imprópria de poetas portugueses.

D) denominação científica com base em termos gregos.

E) restrição ao uso de um vocábulo pouco aceito socialmente.

Resolução

Alternativa E. O vocábulo pouco aceito socialmente para os costumes da época (“caga-lume”) levou o dicionarista a criar um novo termo mais aceito socialmente, utilizando assim de um eufemismo para contornar o tabu linguístico citado na questão.

Questão 2 – (Vunesp)

Por esse pão pra comer, por esse chão pra dormir
A certidão pra nascer e a concessão pra sorrir
Por me deixar respirar, por me deixar existir
Deus lhe pague

Pelo prazer de chorar e pelo “estamos aí”
Pela piada no bar e o futebol pra aplaudir
Um crime pra comentar e um samba pra distrair
Deus lhe pague

Por essa praia, essa saia, pelas mulheres daqui
O amor malfeito depressa, fazer a barba e partir
Pelo domingo que é lindo, novela, missa e gibi
Deus lhe pague

Pela cachaça de graça que a gente tem que engolir
Pela fumaça, desgraça, que a gente tem que tossir
Pelos andaimes, pingentes, que a gente tem que cair
Deus lhe pague

Por mais um dia, agonia, pra suportar e assistir
Pelo rangido dos dentes, pela cidade a zunir
E pelo grito demente que nos ajuda a fugir
Deus lhe pague

Pela mulher carpideira pra nos louvar e cuspir
E pelas moscas-bicheiras a nos beijar e cobrir
E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir
Deus lhe pague
(www.chicobuarque.com.br)

O eufemismo consiste em atenuar o sentido desagradável de uma palavra ou expressão, substituindo-a por outra, capaz de suavizar seu significado.
(Celso Cunha. Gramática essencial, 2013. Adaptado.)

Transcreva o verso em que se verifica a ocorrência de eufemismo. Justifique sua resposta.

Resolução

O verso é “E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir”. A expressão “paz derradeira” que vai “redimir” o eu lírico é uma alusão à ideia de morte, caracterizando o uso do eufemismo.

Por: Guilherme Viana

Artigos relacionados

Anacoluto

Aprenda mais sobre o anacoluto e entenda o que ocorre nessa figura de linguagem. Descubra a diferença entre anacoluto e hipérbato. Resolva os exercícios propostos.

Assonância

Descubra o que é assonância e entenda como o seu uso pode afetar o enunciado em que está inserida. Aprenda com exemplos a diferença entre assonância e aliteração.

Figuras de linguagem no Enem

Descubra como as figuras de linguagem são cobradas no Enem e quais costumam cair mais no exame. Resolva exercícios de exames anteriores sobre esse tema.

Ironia

Saiba o que é ironia e os tipos dessa figura de linguagem. Observe como tal recurso estilístico pode ser explorado nas questões de vestibulares.

Metáfora

Saiba o que é uma metáfora e entenda a diferença entre metáfora e comparação. Veja exemplos e resolva os exercícios propostos sobre o tema.

Paradoxo

Saiba o que é paradoxo e conheça os seus tipos. Identifique as diferenças entre tal recurso estilístico e a antítese. Resolva as questões sobre o tema.

Pleonasmo

Entenda o que é pleonasmo, e conheça quais são os tipos que existem. Saiba qual é a diferença entre pleonasmo e redundância. Resolva os exercícios sobre o tema.

Zeugma

Aprenda mais sobre zeugma e seu efeito no enunciado. Entenda a diferença entre zeugma e elipse. Resolva os exercícios propostos sobre o tema.