Ironia

A ironia é um efeito resultante do emprego de uma palavra ou expressão que, numa dada situação, adquire significação contrária ou diversa da que habitualmente é utilizada. Essa figura de linguagem pode ser materializada verbalmente, ou seja, por meio do uso da palavra, seja ela oral, seja escrita, e ainda pode ser verificada em determinadas ocorrências cujos desdobramentos se opõem ao que se esperava deles, causando, portanto, uma surpresa no interlocutor ou leitor.

Leia também: Metáfora – figura de linguagem que consiste em uma comparação implícita

O que é ironia?

Ironia é uma figura de linguagem cuja origem remonta à palavra grega eironéia e ao vocábulo latino ironia. Tal recurso estilístico é pautado numa manifestação contrária em relação ao que o enunciador está pensando ou experienciando a fim de diminuir a intensidade do pudor que esse sente diante de si ou de algumas situações ou mesmo para depreciar indiretamente outra pessoa, assim carrega um teor crítico, o qual flerta com o humor.

Há que ressaltar, entretanto, que o interlocutor consegue compreender essa oposição entre intenção e exteriorização a partir da observância da entonação ou do contexto em que estão inseridos a fala, o gesto ou a escrita.

Exemplos:

“A excelente D. Inácia era mestra na arte de judiar das crianças.” (Monteiro Lobato)

Percebe-se que o narrador, ao afirmar que a personagem é ótima, incorre numa ironia, tendo em vista que alguém que tem o costume de maltratar seres infantis não pode ser dotada de tal característica.

“Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis.” (Machado de Assis)

A configuração apresentada pelo narrador vai de encontro com a concepção de amor que circula em nossa sociedade, já que é um sentimento despido de interesse. Nesse sentido, entende-se que ela, na verdade, apenas se manteve com ele enquanto havia dinheiro envolvido, então o uso do termo amor constitui uma ironia.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Tipos de ironia

A ironia pode se distinguir de acordo com o canal utilizado para expressá-la. Dessa forma, tem-se essa figura de linguagem na forma verbal e na situacional.

  • Ironia verbal

Nesse caso, a ironia depende da língua, isto é, do sistema de símbolos sonoros e escritos arbitrários (escolhidos ao acaso, mas cristalizados). Esses, quando combinados e, portanto, utilizados para a comunicação, marcam os lugares socioideológicos assumidos pelos sujeitos envolvidos.

Dessa forma, o discurso verbal, ao se revestir de ironia, expressa a fala ou a escrita de um sujeito que, além de normalmente ter um conhecimento maior dos manejos linguísticos, ainda não assume totalmente o que enuncia, já que se esconde por trás de uma linguagem conotativa, ou seja, cujo sentido não corresponde ao real, dificultando o entendimento por todos.

Exemplo:

Moça linda, bem tratada,
Três séculos de família,
Burra como uma porta:
Um amor!

(Mario de Andrade)

O eu lírico utiliza a linguagem para caracterizar, inicialmente, uma moça que possui atributos tidos como positivos, por exemplo, ser dotada de beleza, estar inserida numa família tradicional, no entanto, rompe com a lógica discursiva, já que a associa a uma porta devido à falta de inteligência.

Diante disso, o leitor cria uma expectativa no sentido de que o eu lírico mostre mais aspectos negativos dela, mas é surpreendido com um elogio. Esse, porém, é falso e constitui, na verdade, uma manifestação irônica, entendida por causa do contexto de aparente incongruência entre os versos do poema.

  • Ironia situacional

Essa espécie de figura de palavra consiste no deslocamento contextual em uma certa ocasião, na qual se projeta, levando em consideração os parâmetros lógicos e a vivência do interlocutor, um dado comportamento, mas outro acontece, surpreendendo quem está diante da situação. Assim, nessa ironia, é imprescindível que haja uma ação que independe do discurso oral.

Exemplo:

1- Maria diz: “Pior do que está, não vai ficar”.

Pouco tempo depois, uma forte chuva cai e leva consigo as telhas da casa dela.

Veja que a ironia reside no acontecimento que contraria a fala de Maria.

A ironia tende a mudar o sentido de determinada palavra ou expressão para alcançar determinados efeitos.
A ironia tende a mudar o sentido de determinada palavra ou expressão para alcançar determinados efeitos.

Veja também: Como as figuras de linguagem são cobradas no Enem?

Exercícios resolvidos

Questão 1 – (Uece 2008)

O BARBEIRO

01  Perto de casa havia um barbeiro, que me

02  conhecia de vista, amava a rabeca e não

03  tocava inteiramente mal. Na ocasião em que ia

04  passando, executava não sei que peça. Parei

05  na calçada a ouvi-lo (tudo são pretextos a um

06  coração agoniado), ele viu-me, e continuou a

07  tocar. Não atendeu a um freguês, e logo a

08  outro, que ali foram, a despeito da hora e de

09  ser domingo, confiar-lhe as caras à navalha.

10  Perdeu-os sem perder uma nota; ia tocando

11 para mim. Esta consideração fez-me chegar

12  francamente à porta da loja, voltado para ele.

13  Ao fundo, levantando a cortina de chita que

14  fechava o interior da casa, vi apontar uma

15  moça trigueira, vestido claro, flor no cabelo.

16  Era a mulher dele; creio que me descobriu de

17  dentro, e veio agradecer-me com a presença o

18  favor que eu fazia ao marido. Se me não

19  engano, chegou a dizê-lo com os olhos.

20  Quanto ao marido, tocava agora com mais

21  calor; sem ver a mulher, sem ver fregueses,

22  grudava a face no instrumento, passava a

23  alma ao arco, e tocava, tocava…

24  Divina arte! Ia-se formando um grupo,

25  deixei a porta da loja e vim andando para

26  casa; enfiei pelo corredor e subi as escadas

27  sem estrépito. Nunca me esqueceu o caso

28  deste barbeiro, ou por estar ligado a um

29  momento grave de minha vida, ou por esta

30  máxima, que os compiladores podiam tirar

31  daqui e inserir nos compêndios da escola. A

32  máxima é que a gente esquece devagar as

33  boas ações que pratica, e verdadeiramente

34  não as esquece nunca. Pobre barbeiro! Perdeu

35  duas barbas naquela noite, que eram o pão do

36  dia seguinte, tudo para ser ouvido de um

37  transeunte. Supõe agora que este, em vez de

38  ir-se embora, como eu fui, ficava à porta a

39  ouvi-lo e namorar-lhe a mulher; então é que

40  ele, todo arco, todo rabeca, tocaria

41  desesperadamente. Divina arte!

ASSIS, Machado de. Dom Casmurro – obra completa – vol. I, Aguilar, 2a ed. 1962.

O texto termina com a expressão “Divina arte!” (linha 41), cuja carga semântica revela

A) admiração.

B) amargura.

C) desespero.

D) ironia.

Resolução

Alternativa D, pois a expressão "Divina arte!", ao final do texto, expressa uma ironia em relação à atitude do próprio barbeiro, que, ao embeber-se de sua música, esquece-se de seus clientes, sacrificando seu sustento, e ainda nem percebe que sua esposa está sendo alvo de interesse de outro.

Questão 2 – (Uerj 2018) Esta questão refere-se ao romance “A hora da estrela”, de Clarice Lispector.

“Um outro escritor, sim, mas teria que ser homem porque escritora mulher pode lacrimejar piegas.”

Considerando que o romance é de Clarice Lispector, pode-se inferir que a frase do narrador é irônica. Essa ironia está baseada na:

A) relativização da opressão.

B) inclinação ao universal.

C) sofisticação da escrita.

D) crítica ao machismo.

Resolução

Alternativa D, pois a escritora, na condição de mulher, utiliza a personagem para falar o contrário do que acredita, ou seja, que, na escrita feminina, prevalece a pieguice. Clarice, portanto, vale-se da ironia.

Por: Diogo Berquó

Artigos relacionados

Aliteração

Clique aqui e entenda o que é aliteração, figura de linguagem caraterística por apresentar repetição de consoantes. Veja a diferença entre aliteração e assonância.

Eufemismo

Descubra o que é o eufemismo e como esse recurso estilístico atua nos discursos. Leia alguns exemplos para entender melhor seu uso e resolva os exercícios propostos.

Figuras de linguagem

A depender da intencionalidade a que se presta o emissor, recursos estilísticos inteiramente ao dispor – especificamente encontrados nas figuras de linguagem. Conheça-as!

Figuras de palavras

Entenda melhor um dos quatro tipos de figuras de linguagem: as figuras de palavras!

Metáfora

Saiba o que é uma metáfora e entenda a diferença entre metáfora e comparação. Veja exemplos e resolva os exercícios propostos sobre o tema.

Paradoxo

Saiba o que é paradoxo e conheça os seus tipos. Identifique as diferenças entre tal recurso estilístico e a antítese. Resolva as questões sobre o tema.

Pleonasmo

Entenda o que é pleonasmo, e conheça quais são os tipos que existem. Saiba qual é a diferença entre pleonasmo e redundância. Resolva os exercícios sobre o tema.

Zeugma

Aprenda mais sobre zeugma e seu efeito no enunciado. Entenda a diferença entre zeugma e elipse. Resolva os exercícios propostos sobre o tema.