Vinicius de Moraes

Vinicius de Moraes conseguiu destaque em diferentes campos das artes: literatura, teatro, cinema, música. Mesmo após tantos anos de sua morte, ele segue encantando gerações.

Marcus Vinicius da Cruz e Mello Moraes nasceu no Rio de Janeiro, em 19 de outubro de 1913, em uma família de apaixonados pela arte. Seu pai dividia-se entre o serviço como funcionário da prefeitura e seu lado artístico (violinista amador e poeta), e sua mãe, Lídia Cruz, era pianista. Por ter crescido em meio às artes, tornou-se, então, desde muito pequeno, um interessado pela poesia, ainda na escola primária Afrânio Peixoto, onde em 1916 iniciou seus estudos.

Aos nove anos, já demonstrando sua personalidade decidida, foi juntamente a sua irmã Lygia a um cartório no centro do Rio para mudar seu nome, passando a se chamar simplesmente Vinicius de Moraes.

Em 1924, no colégio Santo Inácio, Vinicius iniciou sua “vida artística”, pois nessa época já cantava no coral da escola e montava pequenas peças teatrais. Em 1927, deu início ao seu lado compositor, junto aos irmãos e recém-amigos, Haroldo e Paulo Tapajós. As apresentações restringiam-se a festas de amigos. 

Já na faculdade de Direito do Catete, hoje UFRJ, conheceu e tornou-se amigo de Otávio Faria, um romancista, que muito o incentivou em sua vocação literária. Graduou-se, em 1933, em Ciências Jurídicas e Sociais. Após três anos, tornou-se censor cinematográfico do Ministério de Educação e Saúde. Dois anos mais tarde, foi presenteado pelo Conselho Britânico com uma bolsa de estudos para a Universidade de Oxford, lá estudou língua e literatura inglesa.  Em 1941, voltou ao Brasil, tornando-se crítico de cinema, no jornal “A manhã”, e colaborador da revista “Clima”, do Instituto dos Bancários.

Em 1943, foi aprovado no Ministério de Relações Exteriores e, em 1946, tornou-se vice-cônsul em Los Angeles. Em 1950, retornou ao Brasil em razão da morte de seu pai, mas voltou a servir ao país no exterior, em Paris e Roma. Sua carreira diplomática foi seguida até 1968, quando teve sua aposentadoria compulsória decretada pelo AI-5 (decreto feito pelo governo a fim de controlar os meios de comunicação e as manifestações artísticas da época). A justificativa dada foi que, em razão do comportamento boêmio, Vinicius não estava conseguindo cumprir sua função.

Vinicius de Moraes era boêmio, fumante, amante de uísque e de mulheres (casou-se nove vezes), diplomata, dramaturgo, jornalista, advogado, poeta, compositor, um homem multifacetado, que viveu em “um labirinto em busca de uma saída”.

Era um apaixonado pela vida, que para ele era a arte dos encontros, entretanto, mostrava sua forma paradoxal de enxergá-la, pois completava o verso com embora haja tantos desencontros pela vida.  Vinicius era ao mesmo tempo: viril e terno; transcendente e carnal; o branco mais preto do Brasil.

Suas obras são múltiplas, como o próprio Poetinha – termo com que era carinhosamente chamado por Tom Jobim (um de seus parceiros na música), e estão presentes na literatura, no teatro, no cinema e, claro, na música. Suas obras são lugares de encontros e despedidas, caminhando para a percepção do material da vida, do amor e da mulher. Ele é considerado um dos poetas mais sensuais – fama iniciada entre 1943 e 1946 com as obras “Cinco Elegias” e “Poemas, sonetos e baladas”. No entanto, ao se autodefinir, Vinicius de Moraes dizia ser “só um poeta do cotidiano”.  

O cotidiano está presente em todas as suas obras. Compartilhando a temática das gerações de 30 e de 45, Vinicius preocupava-se com as questões universais do homem e com os problemas da sociedade capitalista.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Vinicius de Moraes teve sua consagração literária em 1954, com a publicação de Antologia Poética e da peça Orfeu da Conceição.  Em 1956, iniciou sua parceria com Tom Jobim. Músicas como “Eu sei que vou te amar” e “Garota de Ipanema” são alguns dos exemplos dessa parceria vitoriosa. Em 1958, os parceiros Vinícius e Tom, juntos a outros renomados artistas, deram início ao célebre movimento musical conhecido por Bossa Nova. A década de 60 pode ser considerada como o período áureo da MPB. Nessa época, Vinicius de Moraes teve aproximadamente 60 de suas composições gravadas.

O Poetinha foi um ícone em sua geração e segue encantando as próximas. Teve participação renomada no movimento da Bossa Nova, rompeu convenções sociais, foi da poesia culta à popular e revolucionou a literatura ao escrever soneto (composição poética contendo as duas primeiras estrofes com quatro versos e as duas últimas com três) mesmo após a revolução modernista de 1922, que rompeu com esse tipo de construção. Cantou como ninguém as belezas de sua cidade natal, Rio de Janeiro, e a mulher carioca.

O poema social de Vinicius, eternizado com o “Operário em construção”, alcançou tanto prestígio quanto os de temática lírico-amorosa. A seguir, leia o Soneto da separação, um dos exemplos que compõem a sua extensa obra lírico-amorosa.

Soneto de separação

“De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente”.   

Além de Tom Jobim, também foram parceiros de Vinicius: Baden Powell, João Gilberto, Chico Buarque, Carlos Lyra e Toquinho. Este último o acompanhou até sua morte, ocorrida em 9 de julho de 1980. Os parceiros estavam acertando os últimos detalhes de mais um trabalho juntos, o álbum Arca de Noé, que só foi lançado em 1981.

A música e a obra de Vinicius seguem encantando gerações. Ele obteve o reconhecimento de seu trabalho em vida, mas não de forma plena. Após tantos anos de sua morte, percebe-se que o que Carlos Drummond de Andrade falou em seu depoimento sobre Vinícius tem se concretizado “Daqui a 20, 30 anos, uma nova geração julgará estética e não emocionalmente o poeta, com uma isenção que nós não somos capazes de ter. Eu acredito que a poesia dele sobreviverá independente de modas e teorias, porque responde a apelos e necessidades do ser humano.”

Vinicius de Moraes tem sido amplamente homenageado, incluindo a anistia, que lhe foi concedida em 1998 (18 anos após sua morte), o título de Ministro de 1ª classe do Ministério de Negócios Estrangeiros (cargo equivalente ao de embaixador), em 2010, além de edições de sua obra literária e musical. 2013 é o ano de seu centenário, por isso, muitas outras homenagens estão programadas.

––––––––––––––––

*Créditos da imagem:  Neftali e Shutterstock.com

Vinicius de Moraes, ícone das artes, fez com que o mundo conhecesse o Brasil através da  sua inesquecível “Garota de Ipanema”.*

Vinicius de Moraes, ícone das artes, fez com que o mundo conhecesse o Brasil através da sua inesquecível “Garota de Ipanema”.*

Por: Mayra Gabriella de Rezende Pavan

Artigos relacionados

Cinco poemas de amor de Vinícius de Moraes

Cinco poemas de amor de Vinícius de Moraes: Clique e confira os versos de um dos maiores sonetistas da literatura brasileira.

Clarice Lispector

Acesse para conhecer quem foi Clarice Lispector e quais foram suas principais obras. Aprenda, também, as características do estilo da autora.

Castro Alves

Saiba quem é Castro Alves, o grande nome da terceira geração romântica. Conheça o contexto histórico de suas obras e entenda as características literárias do autor.

A geração de 1945

A geração de 1945, ao contrário da geração de 1930, foi demarcada pela preocupação com a forma propriamente dita. Conheça aqui as características que a demarcaram!

A Geração de 1930

A Geração de 1930 é também conhecida como a segunda fase modernista.

Oswald de Andrade

Conheça a biografia de Oswald de Andrade, importante autor modernista do Brasil. Veja quais obras ele escreveu, e leia alguns de seus mais significativos poemas.