Elementos da poesia

A presença de determinados elementos tendem a conferir musicalidade à poesia
A presença de determinados elementos tendem a conferir musicalidade à poesia

Toda comunicação, por mais simples que seja, possui uma intenção, cujo alvo principal é o interlocutor. Tal afirmativa, quando contextualizada no universo poético, instiga-nos ao seguinte questionamento: quais as intenções do poeta (no caso, o emissor), estando ele a serviço do manejo com a própria palavra?

Eis que ao definirmos quais são elas, deparamo-nos com as características que nutrem o texto poético, tais como: provocar emoções, despertar sentimentos diversos, propor um clima nostálgico no qual haja envolvimento entre emissor X interlocutor, enfim... as características são tão diversas que nos tomariam um bom tempo se descritas na íntegra.   

Assim, partindo de tais aspectos, nosso objetivo é abordar os principais elementos que nunca podem faltar quando o assunto é a linguagem poética. Nesse sentido, seguem elucidadas abaixo algumas considerações:

Métrica

As palavras, em se tratando de termos gramaticais, são separadas de acordo com a forma com que são pronunciadas. Os versos que constituem um poema também o são, porém com algumas divergências. Assim, a métrica, ou escansão, representa a contagem das sílabas poéticas contidas nesses versos, atribuindo a eles classificações distintas:

Monossílabos

Dissílabos

Trissílabos

Tetrassílabos

Pentassílabos (ou redondilha menor)

Hexassílabos (heroico quebrado)

Heptassílabos (redondilha maior)

Octossílabos

Eneassílabos

Decassílabos (medida nova)

Hendecassílabos

Dodecassílabos (ou alexandrinos)   

Os versos que não possuem uma regularidade métrica (fixa) são denominados versos livres.  

A maneira correta de escandirmos um verso é considerando todo ele como se fosse uma única palavra. Desse modo, as sílabas são separadas de acordo com a intensidade com que são pronunciadas, sendo que a contagem se encerra sempre na última sílaba tônica. Havendo o encontro de duas vogais átonas, ocorrerá uma espécie de ditongo dentro do verso – o que permite com que elas pertençam a uma única sílaba. Vejamos, na prática, com se dá a escansão:

1     2        3       4       5     6    7      8       9     10
Mu/dam/ se os/ tem/pos/ mu/dam/se as/ von/ta/des – a sílaba
                                                      

demarcada é a última. Portanto, concluímos que o verso possui dez sílabas poéticas.

Rimas

Tal quesito tende a conferir musicalidade ao poema, mas não quer dizer que seja algo obrigatório. Tudo depende daquelas intenções já ressaltadas, ou seja, quanto mais se acentua um tom melódico, mais se evidencia um clima de envolvimento entre as parte envolvidas. Contudo, com o advento do Modernismo, cujas intenções (sobretudo em se tratando da 1ª fase) simbolizaram um rompimento com moldes passadistas, foram amplamente empregados os versos brancos, sendo eles destituídos de rima.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Assim, de acordo com a disposição, as rimas podem se apresentar como:

Alternadas (ABAB)

Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada (A)

E triste, e triste e fatigado eu vinha. (B)

Tinhas a alma de sonhos povoada, (A)

E a alma de sonhos povoada eu tinha (B)
[...]


Interpoladas ou cruzadas (ABBA)

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, (A)

Muda-se o ser, muda-se a confiança; (B)

Todo o mundo é composto de mudança, (B)

Tomando sempre novas qualidades. (A)

[...]

Emparelhadas (AABB) e mistas, apresentando outros tipos de combinações

O Universo não é uma ideia minha. (A)

A minha ideia do Universo é que é uma ideia minha. (A)

A noite não anoitece pelos meus olhos, (B)

A minha ideia da noite é que anoitece por meus olhos. (B)
  [...]   


Ritmo

O ritmo é determinado pela alternação uniforme de sílabas tônicas (fortes) e não tônicas (fracas), dispostas em cada verso de uma composição poética, bem como pelos recursos utilizados pelo poeta e pela forma como ele os organiza dentro de seu texto, com vistas a produzir o efeito desejado com a mensagem. Assim, cada poema tem seu ritmo. Neste poema abaixo, por meio de uma leitura mais atenta, percebemos que o uso das aliterações, demarcadas pelos efeitos sonoros produzidos pelos fonemas /v/ e /b/, representam, respectivamente, o ato de varrer e bater algo.   

Na porta
a varredeira varre o cisco
varre o cisco
varre o cisco

[...]

No arroio

a lavadeira bate roupa

bate roupa
bate roupa

[...]


Aproveite para conferir nossas videoaulas relacionadas ao assunto:

Por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Artigos relacionados

31 de Outubro – Dia da poesia no Brasil

31 de Outubro – Dia da poesia no Brasil. Você sabia disso? Confira mais segredos dessa data comemorativa e saiba quem é o autor homenageado!

Alphonsus de Guimaraens

Clique e descubra quem foi o poeta Alphonsus de Guimaraens. Veja quais são as principais características de sua obra.

Ana Cristina Cesar

Saiba quem foi a escritora carioca Ana Cristina Cesar. Veja quais são as principais características de suas obras e conheça um pouco da poesia dessa autora.

Charles Baudelaire

Saiba quem foi o escritor simbolista Charles Baudelaire. Conheça as principais características de suas obras. Leia algumas frases desse autor.

Cinco músicas sobre o amor de mãe

O maior amor do mundo: Conheça cinco músicas sobre o amor de mãe.

Classificações das rimas pela escolha das palavras

A escolha das palavras faz com que as rimas adquiram as seguintes classificações: rimas pobres, ricas e raras. Clique e confira muito mais acerca desse assunto!

Gonçalves Dias

Clique aqui e descubra quem foi o poeta maranhense Gonçalves Dias. Conheça as principais características de suas obras.

Gêneros literários

Saiba quais são os tipos de gêneros literários. Descubra qual a origem desses gêneros. Entenda a diferença entre gêneros literários e gêneros textuais.

Marina Colasanti

Leia a biografia de Marina Colasanti para conhecer a vida e as obras dessa renomada e premiada escritora.

Mario Quintana

Conheça a biografia do poeta Mario Quintana. Saiba quais são as principais características de suas obras e leia alguns de seus mais famosos poemas.

Metalinguagem na poesia

A procura da poesia: Saiba mais sobre a metalinguagem presente em cinco poemas da língua portuguesa!

Modalidades de rimas segundo o tipo de som

Segundo o tipo de som utilizado, as rimas apresentam modalidades distintas. Confira-as aqui!

Métrica: como contar as sílabas poéticas?

Saiba como contar as sílabas poéticas de um verso e aprenda como esse recurso traz harmonia à escrita dos poemas.

Olavo Bilac

Clique aqui e descubra quem foi o escritor brasileiro Olavo Bilac. Saiba quais são as principais características de suas obras. Conheça um pouco de sua poesia.

Pablo Neruda

Descubra quem é o poeta chileno Pablo Neruda. Veja um resumo sobre as principais características de suas obras e leia alguns de seus poemas e frases.

Paulo Leminski

Clique aqui e saiba quem foi o poeta Paulo Leminski. Descubra quais são as principais características de suas obras e leia algumas de suas poesias.

Poema

Clique aqui e saiba qual é a definição de poema. Conheça suas características e tipos. Veja também qual é a diferença entre poema e poesia.

Poema, poesia e soneto

Você sabe quais são as diferenças entre poema, poesia e soneto? Clique e saiba mais!

Poemas de Machado de Assis

A primeira fase literária do “Bruxo do Cosme Velho”: Clique e conheça cinco poemas de Machado de Assis!

Simbolismo

Clique aqui e saiba o que é o simbolismo. Conheça suas principais características, seus autores e suas obras.

Trovadorismo

Clique aqui, saiba quais são as características do trovadorismo e conheça as cantigas de amor, de amigo, de escárnio e de maldizer.

Vinicius de Moraes

Conheça a biografia de Vinicius de Moraes. Confira suas obras mais famosas, as características de seus poemas e à qual escola literária pertence o autor.

Álvares de Azevedo

Clique e conheça a biografia do jovem poeta brasileiro Álvares de Azevedo. Veja as características de suas poesias e quais foram as suas principais obras.