Cinco poemas de amor de Vinícius de Moraes

Os poemas de amor de Vinícius de Moraes estão entre os mais lembrados do público brasileiro. Como poucos, o poeta soube traduzir em versos todo o lirismo desse sentimento.

Vinícius de Moraes certamente é o poeta mais popular da literatura brasileira: passados mais de trinta anos de seu falecimento, seus poemas continuam perpetuados no imaginário coletivo e impressos na história de nossas letras. Embora não seja uma unanimidade para a crítica literária, Vinícius é querido entre leitores de diversas faixas etárias e de diferentes contextos socioculturais. Essa popularidade deve-se também à inigualável contribuição para a Música Popular Brasileira, pois, além de escritor, Vinícius foi exímio compositor e um dos precursores da Bossa Nova.

Os primeiros livros de Vinícius de Moraes são marcados pela religiosidade neossimbolista, característica que o aproximou do chamado “grupo de poetas religiosos” formado no Rio de Janeiro entre as décadas de 1930 e 1940. A segunda fase de sua obra, na qual escreveu poemas que se aproximam do mundo material e da estética modernista, é marcada pela poesia sensual: daí seus versos mais famosos e que o tornaram, depois de Manuel Bandeira, o mais intenso poeta erótico da poesia brasileira moderna. Embora tenha apropriado-se do soneto, forma poética fixa, abusou de uma linguagem crua e direta, construindo assim um interessante contraponto entre o clássico e o moderno, fórmula que arrebatou milhões de leitores que seguem interessados em sua obra.

Vinícius tem seu público renovado a cada dia, visto a atemporalidade de seus poemas e canções. Para você conhecer um pouco mais do lirismo que traduziu em versos a intimidade dos afetos, o Alunos Online selecionou cinco poemas de amor de Vinícius de Moraes que farão você ter vontade de conhecer um pouco mais da obra desse inesquecível poeta. Boa leitura!

A AUSENTE

Rio de Janeiro, 1954

Amiga, infinitamente amiga
Em algum lugar teu coração bate por mim
Em algum lugar teus olhos se fecham à ideia dos meus.
Em algum lugar tuas mãos se crispam, teus seios
Se enchem de leite, tu desfaleces e caminhas
Como que cega ao meu encontro...
Amiga, última doçura
A tranquilidade suavizou a minha pele
E os meus cabelos. Só meu ventre
Te espera, cheio de raízes e de sombras.
Vem, amiga
Minha nudez é absoluta
Meus olhos são espelhos para o teu desejo
E meu peito é tábua de suplícios
Vem. Meus músculos estão doces para os teus dentes
E áspera é minha barba. Vem mergulhar em mim
Como no mar, vem nadar em mim como no mar
Vem te afogar em mim, amiga minha
Em mim como no mar...

Vinícius de Moraes

Ao lado de Toquinho, Vinícius de Moraes formou uma das duplas de compositores mais produtivas da Música Popular Brasileira **
Ao lado de Toquinho, Vinícius de Moraes formou uma das duplas de compositores mais produtivas da Música Popular Brasileira **

SONETO DE SEPARAÇÃO

Inglaterra, 1938

De repente do riso fez-se o pranto 
Silencioso e branco como a bruma 
E das bocas unidas fez-se a espuma 
E das mãos espalmadas fez-se o espanto. 

De repente da calma fez-se o vento 
Que dos olhos desfez a última chama 
E da paixão fez-se o pressentimento 
E do momento imóvel fez-se o drama. 

De repente, não mais que de repente 
Fez-se de triste o que se fez amante 
E de sozinho o que se fez contente. 

Fez-se do amigo próximo o distante 
Fez-se da vida uma aventura errante 
De repente, não mais que de repente.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Vinícius de Moraes

A UMA MULHER

Rio de Janeiro, 1933

Quando a madrugada entrou eu estendi o meu peito nu sobre o teu peito 
Estavas trêmula e teu rosto pálido e tuas mãos frias 
E a angústia do regresso morava já nos teus olhos. 
Tive piedade do teu destino que era morrer no meu destino 
Quis afastar por um segundo de ti o fardo da carne 
Quis beijar-te num vago carinho agradecido. 
Mas quando meus lábios tocaram teus lábios 
Eu compreendi que a morte já estava no teu corpo 
E que era preciso fugir para não perder o único instante 
Em que foste realmente a ausência de sofrimento 
Em que realmente foste a serenidade.

Vinícius de Moraes

Composição de Vinícius de Moraes e Tom Jobim, Eu sei que vou te amar é uma das grandes pérolas da Música Popular Brasileira ***
Composição de Vinícius de Moraes e Tom Jobim, Eu sei que vou te amar é uma das grandes pérolas da Música Popular Brasileira ***

SONETO DO AMOR TOTAL

Rio de Janeiro, 1951

Amo-te tanto, meu amor... não cante 
O humano coração com mais verdade... 
Amo-te como amigo e como amante 
Numa sempre diversa realidade 

Amo-te afim, de um calmo amor prestante, 
E te amo além, presente na saudade. 
Amo-te, enfim, com grande liberdade 
Dentro da eternidade e a cada instante. 

Amo-te como um bicho, simplesmente, 
De um amor sem mistério e sem virtude 
Com um desejo maciço e permanente. 

E de te amar assim muito e amiúde, 
É que um dia em teu corpo de repente 
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinícius de Moraes

AGONIA

Rio de Janeiro, 1935

No teu grande corpo branco depois eu fiquei.
Tinha os olhos lívidos e tive medo.
Já não havia sombra em ti — eras como um grande deserto de areia
Onde eu houvesse tombado após uma longa caminhada sem noites.
Na minha angústia eu buscava a paisagem calma
Que me havias dado há tanto tempo
Mas tudo era estéril e mostruoso e sem vida
E teus seios eram dunas desfeitas pelo vendaval que passara.
Eu estremecia agonizando e procurava me erguer
Procurei ficar imóvel e orar, mas fui me afogando em ti mesma
Desaparecendo no teu ser disperso que se contraía como a voragem.

Depois foi o sono, o escuro, a morte.

Quando despertei era claro e eu tinha brotado novamente
Vinha cheio do pavor das tuas entranhas.

Vinícius de Moraes

*A imagem que ilustra o artigo é capa do livro POIS SOU UM BOM COZINHEIRO - Receitas, histórias e sabores da vida de Vinicius de Moraes, organização de Daniela Narciso e Edith Gonçalves, Editora Companhia das Letras.
** A imagem que ilustra o miolo do artigo é capa do disco Toquinho e Vinícius, da Gravadora RGE Discos.
*** A imagem que ilustra o miolo do artigo é capa do disco Vinícius de Moraes.

Vinícius de Moraes é o poeta da paixão. Soube, como poucos, traduzir em versos de poemas e canções esse nobre sentimento *

Vinícius de Moraes é o poeta da paixão. Soube, como poucos, traduzir em versos de poemas e canções esse nobre sentimento *

Por: Luana Castro Alves Perez

Artigos relacionados

Cinco poemas de Gregório Duvivier

Você já conhece o trabalho dele no Porta dos Fundos, agora é a vez de conhecer os poemas de Gregório Duvivier. Você não vai se arrepender!

12 de Junho - Dia dos Namorados

Conheça a origem histórica do Dia dos Namorados e por que, em alguns países, a comemoração ocorre no dia 14 de fevereiro, mas, no Brasil, em 12 de junho.

Vinicius de Moraes

Conheça mais sobre Vinicius de Moraes, verdadeiro ícone da Literatura Brasileira!

A geração de 1945

A geração de 1945, ao contrário da geração de 1930, foi demarcada pela preocupação com a forma propriamente dita. Conheça aqui as características que a demarcaram!