Cinco poemas de Gregório Duvivier

Além de humorista, roteirista, ator, ele é poeta. Os poemas de Gregório Duvivier, com a combinação humor e lirismo, farão você mais sorrir do que rir.

Gregório Duvivier é popularmente conhecido por ser humorista. Um de seus trabalhos que mais lhe deram destaque foi o Porta dos Fundos, coletivo de humor criado por, além de outros, Fábio Porchat e Gregório. Porém, Duvivier não se “limitou” a ser, “apenas”, humorista, roteirista e ator. Em 2008, pela editora 7Letras, lançou seu primeiro livro: A partir de amanhã eu juro que a vida vai ser agora.

Apesar de suas produções literárias serem recentes, Gregório arrancou elogios de renomados autores brasileiros, como Millôr Fernandes e Ferreira Gullar. Millôr destacou que Duvivier produz desde haicais a sonetos, e Gullar afirmou que o autor, em A partir de amanhã eu juro que a vida vai ser agora, “brinca inteligentemente com a emoção”.

Tendo em vista que Gregório ainda não é tão popular na literatura quanto é no teatro e na TV, o Alunos Online preparou uma lista com cinco poemas que farão você se apaixonar pela escrita e percepção do mundo de Duvivier.

 

manuela

manuela, você não
passa de uma gripe
que me entope os
poros: qualquer dia
desses eu te esqueço
           num espirro.

Receita para um dálmata
(ou: Soneto branco com bolinhas pretas)

Pegue um papel, ou uma parede, ou algo
que seja quase branco e bem vazio.
Amasse-o até que tome forma
de um animal: focinho, corpo, patas.

Em cada pata ponha muitas unhas
e em sua boca muitos dentes. (Caso
queira, pinte o focinho de qualquer
cor que pareça rosa). Atrás, na bunda,

ponha um fiapo nervoso: será seu
rabo. Pronto. Ou quase: deixe-o lá
fora e espere chover nanquim. Agora

dê grama ao bicho. Se ele rejeitar,
é dálmata. Se comer (e mugir),
é uma vaca que tens. Tente outra vez.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

 

o bairro de botafogo
se fosse um senhor
usaria óculos fundo
de garrafa e daria
bom-dia aos pássaros
cantores que já não
moram na varanda.

ligue os pontos

enquanto você dormia liguei
os pontos sardentos das suas
costas na esperança de que
a caneta esferográfica revelasse
a imagem de algum ser mitológico
de nome proparoxítono o mapa
detalhado de algum tesouro
submerso formasse quem sabe
alguma constelação ruiva oculta
na epiderme e me deparei
com o contorno de um polígono
arbitrário que não me fornecia
metáforas não apontava direções
simplesmente dizia: você está aqui.

posto nove e meio

açaí açaí — você conhece o waldo — olha o mate — waldo que waldo — é o melhor musse do rio

de janeiro — agora joga um spray nas minhas costas — conheço um waldo que morreu —

meumusse é o melhor — o waldo não morreu quem morreu foi o walter — foi o waldo — empada

praiana — foi o walter — sabe que — açaí — no fundo — açaí — eu acho que o nome dele era —

olha — waldo mesmo — o mate — porra tu — guaraplus — tacou spray — guaraplus — no meu

olho — o waldo — mate — ele mesmo — então, morreu — olha o mate — para morrer, meu amigo

— mate — basta estar vivo.

A poesia pra mim tem que fazer parte da vida, e a vida tem que fazer parte da poesia, senão não serve pra nada.”
(Gregório Duvivier em entrevista para Revista Trip, 2013)

Gregório Duvivier é escritor, humorista e roteirista. Não há um lado desse rapaz que não vale a pena dar uma conferida.

Gregório Duvivier é escritor, humorista e roteirista. Não há um lado desse rapaz que não vale a pena dar uma conferida.

Por: Mariana do Carmo Pacheco

Artigos relacionados

Cinco poemas de Cruz e Sousa

A literatura simbolista no Brasil: Clique e conheça cinco poemas de Cruz e Sousa!

Cinco poemas de Carlos Drummond de Andrade

O sentimento do mundo: Clique e conheça cinco poemas de Carlos Drummond de Andrade.

Cinco poemas de Ferreira Gullar

A moderna literatura brasileira: Clique e conheça cinco poemas de Ferreira Gullar!

Cinco poemas de amor de Vinícius de Moraes

Cinco poemas de amor de Vinícius de Moraes: Clique e confira os versos de um dos maiores sonetistas da literatura brasileira.

Haicai

O haicai é um poema de origem japonesa cuja temática é representada pelos elementos da natureza.