A Geração de 1930

A Geração de 1930, também denominada segunda fase modernista, consolidou ainda mais as ideias promulgadas pelo Modernismo. Mas por qual razão?

Entendendo que o Modernismo se consagrou como uma fase de ruptura e de destruição dos antigos parâmetros estéticos no mundo da arte, criando uma literatura autenticamente voltada para as raízes nacionais, afirmamos que a segunda fase foi além, considerando-se como uma fase de verdadeiro engajamento político por parte de seus representantes. Trata-se de uma época em que toda a ideologia estava voltada para a análise crítica da relação homem x sociedade. Por essa razão é também chamada de Neorrealista, uma vez que retoma, mesmo que de forma parcial, as ideias pregadas pelo Realismo/Naturalismo, porém não considera o homem somente como produto da raça, do meio e do momento, mas sim como um ser dotado de conflitos interiores, constituído de traços emocionais.

Dessa forma, seguindo essa linha de raciocínio, as criações artísticas, sobretudo na prosa, estão voltadas para o intimismo, caracterizado como uma espécie de sondagem interior e bastante influenciado pelas ideias freudianas, em ascensão naquela época. Sendo assim, de forma singular, Graciliano Ramos, Rachel de Queiroz, José Lins do Rego, Jorge Amado e Érico Veríssimo souberam expressar seus posicionamentos ideológicos e sua visão de mundo acerca da realidade brasileira, sobretudo a nordestina.  

Quando falamos em tais posicionamentos, relembramos a importância de darmos ênfase ao panorama social, econômico e político que norteara a época em questão. Assim sendo, cabe reafirmar que entre os escritores, os que mais se sobressaíram foram os nordestinos, justamente pelo fato de retratarem a situação caótica que imperava naquela região. Enquanto o Sudeste e o Sul se vangloriavam com o crescimento econômico e político oriundo da chamada política do café-com-leite, os nordestinos viviam à mercê da própria sorte, convivendo com a seca cada vez mais brutal, bem como com a crise oriunda do declínio do ciclo açucareiro.

Contudo, a crise que atingiu o mundo capitalista a partir de 1929 fez com que a expansão do mercado brasileiro perdesse sua força, diminuindo as exportações. Nesse cenário, a economia do país oscilava, e a política não ficou aquém dos acontecimentos, pois, funcionando como uma espécie de repúdio à elite oligárquica (formada pelos representantes cafeeiros do Sul e de Minas), forças tenentistas que ansiavam a moralização do regime (nomeando para tanto Luís Carlos Prestes como candidato) se chocaram com as forças oligárquicas que, dando uma resposta à tamanha insatisfação, nomearam Getúlio Vargas como oposicionista, ao qual foi concebida a vitória. A partir de então se instaurava a Ditadura do Estado Novo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Desse modo, ao fazermos essa contextualização, temos mais condições de compreender algumas correntes ideológicas que tanto nortearam as produções literárias que compuseram o cenário artístico nacional, tendo como “pano de fundo” o cenário real, materializado.

Tendo em vista os representantes já citados, passemos então a estabelecer familiaridade com suas produções, entre as quais podemos citar:

Rachel de Queiroz: O Quinze e João Miguel – 1932; Caminho das Pedras – 1937; As Três Marias – 1939; Dora, Doralina – 1975 e Memorial Moura – 1992.

José Lins do Rego: Menino de Engenho – 1932; Doidinho – 1933; Banguê – 1934; Usina – 1936 e Fogo Morto – 1943. 

Graciliano Ramos: Caetés – 1933; São Bernardo – 1934; Angústia – 1936; Vidas Secas – 1938; Insônia – 1947; Infância – 1945; Memórias do Cárcere – 1953 e Viagem – 1954.

Jorge Amado: Cacau – 1933; Jubiabá – 1935; Capitães de Areia – 1937; Terras do Sem-Fim – 1943; São Jorge dos Ilhéus – 1944; Quincas Berro D’água – 1961; Os Pastores da Noite – 1964; Dona  Flor e seus dois maridos – 1966; Tenda dos Milagres – 1969; Teresa Batista cansada de guerra – 1972; Tieta do Agreste – 1977; Farda, fardão, camisola de dormir – 1979 e  A descoberta da América pelos turcos – 1994.

Érico Veríssimo: Clarissa; Música ao longe – 1935;  Um lugar ao sol – 1936; Olhai os lírios do campo – 1938; O resto é silêncio – 1943; O tempo e o vento – 1949; O retrato – 1951 e O arquipélago – 1961.

Principais representantes da Segunda Fase Modernista

Principais representantes da Segunda Fase Modernista

Por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Artigos relacionados

A geração de 1945

A geração de 1945, ao contrário da geração de 1930, foi demarcada pela preocupação com a forma propriamente dita. Conheça aqui as características que a demarcaram!

Arcadismo

Atenha-se às características que tanto nortearam a era em questão.

Barroco Brasileiro

O Barroco foi um divisor de águas para a Literatura brasileira. Entenda sua importância para nossa história literária clicando aqui!

Graciliano Ramos

Graciliano Ramos figura dentre os mais importantes representantes da prosa regionalista da geração de 1930. Não deixe de conhecer sua trajetória artística!

Parnasianismo

Você sabia que o Parnasianismo foi um estilo literário que se opôs ao Romantismo?

Pré-Modernismo

Período demarcado por significativas transformações políticas. Conheça-o!

Rachel de Queiroz

Acesse para aprender quem foi Rachel de Queiroz, quais são suas principais obras e as características dessa autora modernista.

Semana de Arte Moderna de 1922

Conheça o contexto histórico em que ocorreu a Semana de Arte Moderna de 1922. Saiba o que aconteceu nesse evento e veja que artistas participaram dessa celebração.

Verossimilhança

Verossimilhança não se refere à verdade propriamente dita, mas sim a uma aproximação com a realidade.

Vinicius de Moraes

Conheça mais sobre Vinicius de Moraes, verdadeiro ícone da Literatura Brasileira!