Competência 4 da redação do Enem

A competência 4 da redação do Enem avalia a construção coesiva do texto, analisando se o candidato consegue aplicar, com pertinência e diversidade, os pronomes, advérbios, sinônimos, operadores argumentativos e outros recursos da língua, para encadear as ideias e defender seu ponto de vista. Para ter um bom desempenho nessa competência, o aluno deve utilizar, sempre que possível, conectivos entre frases e parágrafos, atentando-se à relação semântica estabelecida entre as partes.

Leia também: Como fazer uma redação nota 1000 no Enem

O que é avaliado na competência 4 da redação do Enem?

A competência 4 da redação do Enem avalia se o candidato consegue:

“Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.”

Nesse sentido, essa competência concentra-se na coesão textual, ou seja, na avaliação da superfície do texto, buscando identificar se o autor utilizou conectivos, pronomes, advérbios e outras expressões, com intuito de relacionar as diferentes partes do texto e defender seu ponto de vista. Dentro desse recorte, os recursos coesivos dividem-se em: coesão referencial e coesão sequencial.

Coesão referencial

A coesão referencial é aquela que se concentra na manutenção de um termo ou assunto do texto, analisando se o autor consegue diversificar as formas de nomear e retomar esse referente, de um modo que a leitura fique fluida e o leitor consiga compreender o sentido.

Exemplo:

A educação é uma ferramenta cidadã, ela deve preparar o sujeito para a vida adulta de modo integral.

Como é possível observar, o pronome “ela” é responsável por retomar e substituir o substantivo “educação”. Ao fazer esse movimento, o autor não repete a mesma expressão, mas consegue indicar, para o leitor, que a nova informação se refere ao mesmo referente: a educação. Essa indicação só é possível pela marcação superficial com o uso do pronome: “ela”. Sendo assim, o corretor busca identificar essas marcas e averiguar se estão adequadamente utilizadas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Além dos pronomes pessoais, outros recursos podem ser utilizados para promover a coesão referencial do texto. Segue alguns exemplos, retirados do material oficial do Inep.

  • Advérbios:

“Cannes, na França, hospeda um dos mais respeitados festivais de cinema do mundo. , o filme brasileiro Bacurau recebeu o cobiçado Prêmio do Júri.”

O advérbio “Lá” é responsável por estabelecer a relação entre os períodos.

  • Artigos:

“Comprei um livro na feira literária em Poços de Caldas. O livro era de Chico Buarque de Holanda, ganhador do Prêmio Camões.”

O artigo definido “o”, antes do substantivo “livro”, define esse nome e, no texto, especifica que se refere ao livro citado na frase anterior, por isso também serve para estabelecer a relação coesiva.

  • Sinônimos:

“A importância do respeito às religiões de origem africana foi lembrada pela aluna. A estudante queria fazer valer seu direito constitucional à prática religiosa.”

Nesse caso, “aluna” é substituída por “estudante”, expressões com relação de sinonímia.

  • Hiperônimos/hipônimos:

“Aquela jovem sabe falar várias línguas. O guarani é sua favorita.”

A expressão “guarani” é hipônima da expressão “línguas”. O uso adequado desse recurso faz uma referenciação com efeito de especificação ou abrangência.

  • Nominalização:

“Os alunos se manifestaram protestando contra o escândalo de corrupção que envolvia o desvio de verba da merenda escolar. A manifestação chamou a atenção da mídia e das autoridades, e instaurou-se uma investigação.”

A nominalização é o recurso de retomar a ideia anterior, conceituando-a com algum nome. No exemplo, a expressão “manifestação” retoma toda a ideia do período anterior.

Coesão sequencial

Por outro lado, a coesão sequencial se concentra no encadeamento das frases no texto. Como a redação do Enem é do tipo dissertativo-argumentativo, as estratégias de encadeamento priorizadas são aquelas que utilizam os operadores argumentativos, tanto para indicar uma conexão como para explicar a natureza dessa relação (adversativa, modal, causal etc.).

A competência 4 se concentra, principalmente, nesses operadores: se foram utilizados, se possuem diversidade no uso e se estão adequadamente posicionados, estabelecendo as relações corretas entre as ideias, informações e argumentos. As ferramentas disponíveis devem ser utilizadas para apresentar e defender o ponto de vista sobre o tema, pois é exigência do tipo textual dissertativo-argumentativo.

Assim, segue a tabela com os operadores argumentativos disponíveis para o texto:

  • Operadores que somam argumentos a favor de uma mesma conclusão: também, ainda, nem, não só... mas também, tanto... como, além de, além disso.

  • Operadores que indicam o argumento mais forte em uma escala a favor da mesma conclusão: inclusive, até mesmo, nem, nem mesmo.

  • Operadores que deixam subentendida a existência de uma escala com outros argumentos mais fortes: ao menos, pelo menos, no mínimo.

  • Operadores que contrapõem argumentos orientados para conclusões contrárias: mas, porém, contudo, todavia, no entanto, entretanto, embora, ainda que, posto que, apesar de.

  • Operadores que introduzem uma conclusão com relação a argumentos apresentados em enunciados anteriores: logo, portanto, pois, por isso, por conseguinte, em decorrência, resumindo, concluindo.

  • Operadores que introduzem uma justificativa ou explicação relativa ao enunciado anterior: porque, porquanto, pois, visto que, já que, para que, para, a fim de.

  • Operadores que estabelecem relações de comparação entre elementos, visando a uma determinada conclusão: mais... (do) que, menos... (do) que, tão... quanto.

  • Operadores que introduzem argumentos alternativos que levam a conclusões diferentes ou opostas: ou... ou, quer... quer, seja... seja.

  • Operadores que introduzem conteúdos pressupostos no enunciado: já, ainda, agora.

  • Operadores que funcionam numa escala orientada para a afirmação da totalidade ou para a negação da totalidade. Afirmação: um pouco, quase. Negação: pouco, apenas.

Veja também: Coesão textual na redação do Enem

Dicas para tirar a nota máxima da competência 4 da redação do Enem

O texto só pode ter unidade se as suas partes estão bem relacionadas. Os conectivos são como nós que amarram e sustentam o texto.
O texto só pode ter unidade se as suas partes estão bem relacionadas. Os conectivos são como nós que amarram e sustentam o texto.

Como pode ser observado, a competência 4 se concentra na superfície do texto. Ela avalia as estratégias que servem ao encadeamento de ideias e frases do texto. A seguir, uma lista de dicas essenciais para ter um bom desempenho nessa competência:

  • Leia textos argumentativos: antes de praticar, é preciso estudar. Leia muitos textos argumentativos para se apropriar dos usos, sentidos e variedades dos operadores, pois isso vai amadurecer seu uso posterior.

  • Releia seu texto: na hora da prova, após a primeira versão, releia o texto para verificar se houve repetição demasiada ou uso inadequado dos operadores. Faça todas as alterações necessárias, sempre priorizando o sentido e a defesa do ponto de vista.

  • Analise a sequenciação: mesmo fazendo uma primeira revisão superficial, é importante analisar criteriosamente se a sequência de frases e parágrafos está organizada de modo que o ponto de vista e os argumentos estejam evidentes e bem relacionados.

  • Use conectivos que você conhece: apesar de ser necessário diversificar o uso de conectivos, não é aconselhável utilizar operadores que você desconhece ou não tem propriedade de uso. Isso porque, muitas vezes, acreditamos formalizar o texto, porém atrapalhamos seu sentido. Se precisar aumentar seu repertório, pratique a leitura, pois ela ensinará os modos adequados de aplicar os operadores.

  • Utilize conectivo entre as frases: não se esqueça de aplicar os operadores ou outros conectivos para conectar as frases que compõem o mesmo parágrafo, priorizando a unidade de sentido dessa parte.

  • Utilize conectivo entre os parágrafos: também utilize os operadores e conectivos entre os parágrafos. Nesse caso, busque evidenciar qual a relação entre os blocos do texto: se acrescenta informação, se conclui informação etc.

As 5 competências da redação do Enem

A redação do Enem é avaliada por 5 competências, são elas:

  • Competência 1: Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa.

  • Competência 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa.

  • Competência 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

  • Competência 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

  • Competência 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Por: Talliandre Matos

Artigos relacionados

Coerência textual na redação do Enem

Compreenda o que é a coerência textual, quais são os seus mecanismos, sua importância e como ela se relaciona com a coesão textual.

Coesão textual na redação do Enem

Saiba o que é coesão textual e aprenda quais são os mecanismos para estabelecer-se articulação em um texto. Veja como o Enem avalia esse critério na redação.

Como arrasar na redação do Enem!

Dicas de redação: Clique e confira algumas dicas para arrasar na redação do Enem!

Como fazer uma redação nota 1000 no Enem

Descubra dicas para alcançar uma boa nota na redação do Enem, o que envolve bom desempenho nas cinco competências exigidas pelo exame.

Como funciona a correção da redação do Enem

Entenda como funciona a correção da redação do Enem, parte muito importante do maior exame educacional do país. Quais são os critérios de avaliação.

Operadores argumentativos

Aprenda o que são os operadores argumentativos, suas principais funções e os tipos de operadores mais utilizados no desenvolvimento do texto dissertativo.

Redação do Enem

Saiba como é a redação do Enem. Como deve ser feito o texto, o que é a proposta de intervenção, como a redação é corrigida e o que fazer para zerar o texto.