<

Variabilidade genética

Variabilidade genética refere-se à diversidade de alelos que uma população apresenta. Essa variabilidade é extremamente importante, pois é devido a ela que a seleção natural pode atuar. Isso ocorre porque a diversidade de alelos é responsável por determinar diferentes características, e, desse modo, temos a existência de indivíduos mais aptos ou menos aptos a sobreviverem em determinado ambiente.

Vale salientar, no entanto, que nem toda diferença observada entre os indivíduos é consequência de seu material genético. Algumas pessoas, por exemplo, realizam bronzeamento artificial, o que modifica temporariamente a cor de sua pele. A cor da pele, nesse caso, não é resultado exclusivamente da composição genética do indivíduo, sendo resultado também do meio.

A variabilidade genética é influenciada por diferentes fatores, os quais podem causar o aumento ou redução da variabilidade em uma população. São fatores que influenciam na variabilidade genética: mutação, reprodução sexuada, deriva genética e fluxo gênico.

Leia também: Evidências da evolução biológica

O que é a variabilidade genética?

A variabilidade genética pode ser definida como a variedade de alelos (diferentes versões de um gene) que uma dada população apresenta. Essa variedade é responsável por determinar  diferentes características morfológicas e fisiológicas nos indivíduos. Considera-se como fonte primária de toda a variabilidade genética a mutação, que promove alterações na sequência de pares de bases do DNA, levando ao surgimento de um novo alelo.

A mutação pode provocar o surgimento de novos alelos e aumentar a variabilidade genética.
A mutação pode provocar o surgimento de novos alelos e aumentar a variabilidade genética.

Por que a variabilidade genética é importante para que ocorra evolução?

A variabilidade genética é responsável pelas diferenças entre os indivíduos de uma população. Devido a ela, temos indivíduos que apresentam características vantajosas para sobreviver em um ambiente e também indivíduos menos adaptados àquele ambiente, apresentando menores chances de sobrevivência. Sem essa diferença entre os indivíduos de uma população, a seleção natural não atuaria e, desse modo, a evolução não poderia ocorrer.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Fatores que influenciam na variabilidade genética

A variabilidade genética pode aumentar-se ou diminuir-se a depender das situações enfrentadas por uma população. A reprodução sexuada, por exemplo, é importante para garantir-se um aumento dela, entretanto, a deriva genética está relacionada com sua redução. Conheceremos, a seguir, alguns dos fatores que influenciam nesse processo:

  • Mutação: é considerada a fonte primária da variabilidade genética, pois ela pode levar ao surgimento de novos alelos. A mutação ocorre totalmente ao acaso, o que significa que ela não ocorre como forma de tornar um indivíduo mais apto, por exemplo. Uma mutação pode ser, portanto, benéfica ou não para um organismo. Ela acontece devido a alterações no material genético, alterações essas que podem ocorrer devido à troca, deleção ou inserção de algum nucleotídeo na sequência de DNA que codifica uma proteína.
  • Reprodução sexuada: é aquela em que gametas estão envolvidos. A espécie humana, por exemplo, reproduz-se sexuadamente, e o novo indivíduo é resultado da junção entre o gameta feminino e o masculino. O aumento da variabilidade aqui observado é decorrência das diferentes combinações que ocorrem durante a formação dos gametas e também durante a fecundação. Diferentemente da mutação, novos alelos não são formados, eles são apenas agrupados de formas distintas.
A reprodução sexuada não leva ao surgimento de novos alelos, mas sim a uma nova combinação.
A reprodução sexuada não leva ao surgimento de novos alelos, mas sim a uma nova combinação.
  • Deriva genética: é uma mudança na frequência dos alelos que ocorre devido a eventos aleatórios. Esses eventos podem provocar a eliminação de alguns alelos ou ainda a fixação deles. Diferentemente da seleção natural, na deriva genética, a eliminação ou a fixação de alelos não está relacionada com a capacidade de um indivíduo de sobreviver no ambiente. A deriva é um fator que leva à redução de variabilidade.
  • Fluxo gênico: pode ser definido como a movimentação dos alelos entre as populações. Essa movimentação pode ocorrer devido à migração de indivíduos férteis ou mesmo de seus gametas, sendo esse o caso, por exemplo, de plantas que podem ter seus grãos de pólen levados pelo vento de uma população para outra. A transferência de alelos de uma população para outra pode, por exemplo, introduzir um novo alelo, levando ao aumento da variabilidade genética. Vale destacar, no entanto, que, se o fluxo gênico é estabelecido entre duas populações, com o tempo, diminui-se a diferença entre elas.
Por: Vanessa Sardinha dos Santos

Artigos relacionados

Alelos dominantes e recessivos

Clique aqui e compreenda a diferença entre alelos dominantes e recessivos!

Alterações cromossômicas estruturais

Descubra um pouco mais sobre as alterações cromossômicas estruturais, mudanças que ocorrem na morfologia dos cromossomos. Neste texto, explicaremos a estrutura básica de um cromossomo e descreveremos os tipos de alterações cromossômicas estruturais que podem ocorrer: deleções, duplicações, inversões e translocações.

Aneuploidias

Compreenda o que são aneuploidias e seus principais tipos.

Diferença entre reprodução sexuada e assexuada

Entenda a diferença entre reprodução sexuada e assexuada e aprenda mais sobre as variadas formas de reprodução dos seres vivos. Conheça ainda as características dos principais tipos de reprodução assexuada: partenogênese, fragmentação, brotamento, divisão binária, divisão múltipla e propagação vegetativa.

Genótipo e fenótipo

Aprenda a diferença entre genótipo e fenótipo para ampliar seus conhecimentos em Genética e não cometer equívocos sobre o assunto!

Probabilidade Aleatória de Eventos Genéticos

Probabilidade, Análise estatística, Casualidade, Eventos aleatórios, Lançamento de moeda, Universo amostral, Genética, Formação dos gametas, Cromossomos homólogos, Genes alelos, Gametogênese, Meiose, Lei da segregação genética, Primeira lei de Mendel.