História em quadrinhos

Eis que nos deparamos com uma modalidade textual que se faz presente desde os tempos de infância, não é verdade? Sim, tanto é que, provavelmente, você se lembre daquela coleção de gibis dos quais tem conhecimento da história, aí, bem guardada na sua rica memória. Pois bem, caro(a) usuário(a), encontramo-nos mais uma vez norteados pelo intento de ampliar seus conhecimentos e contribuir, talvez de forma significativa, para que você inteire cada vez mais das modalidades, bem como das características de que perfazem uma infinidade de gêneros textuais que circundam no nosso universo.

Dessa forma, alguns conhecimentos expressos por meio do encontro que já tivemos, demarcado pelo título “Textos humorísticos” já foram aprendidos por você, uma vez que em se tratando das finalidades expressas pela linguagem, essa modalidade tem por intento provocar o entretenimento por parte do interlocutor por meio do cômico, do engraçado. Nesse sentido, constatemos acerca de mais um exemplo que integra esse rol – a chamada história em quadrinhos. Assim, um dos aspectos que nela se faz presente, sem sombra de dúvida, diz respeito à presença da linguagem verbal e da linguagem não verbal, ambas demarcadas de forma simultânea, justamente para manter a interação entre os interlocutores de forma ainda mais efetiva.

Norteado por tais informações, constatemos acerca de mais algumas das características nela impressas:

* Localização dos balões: Tais demarcações indicam a ordem em que se manifestam as falas, podendo ser da esquerda para a direita ou de cima para baixo;

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

* Contorno dos balões – Vale ressaltar que esse aspecto pode variar de acordo com as intenções do desenhista. Entretanto, geralmente temos que os balões que apresentam uma linha contínua indicam as falas expressas no tom normal; aqueles que são demarcados por meio de linhas interrompidas expressam a fala sussurrada; os demarcados sob a espécie de um ziguezague indicam um grito ou um personagem falando alto, bem como o som de um rádio ou televisão. Já os retratados por meio de nuvem indicam o pensamento de um dos personagens.

* Sinais de pontuação – esse recurso reforça os sentimentos e confere, obviamente, maior expressividade à voz do personagem;

* Onomatopeias – trata-se de um recurso linguístico o qual confere movimento à história relatada, imitando, portanto, sons advindos do próprio ambiente, tais como: uma batida (crash), uma explosão (bummmm), (zzzz) para o sono e (rrr) para o rosnado de um cão etc.

A história em quadrinhos se demarca por características específicas, pela linguagem verbal e não verbal, especificamente

A história em quadrinhos se demarca por características específicas, pela linguagem verbal e não verbal, especificamente

Por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Artigos relacionados

Caricatura

Leia este artigo sobre caricatura, um desenho exagerado das características físicas do objeto caricaturado para criar retratos bem-humorados.

Charge e Cartum

Textos humorísticos de ampla recorrência? A charge e o cartum, ora! Demarcados aqui, neste espaço!

Linguagem formal e Linguagem informal

Inteire-se das características que demarcam a linguagem formal e a linguagem informal, clicando aqui, neste espaço!

Viva Mafalda!

Viva Mafalda! Venha comemorar com a gente os cinquenta anos da Mafalda!