Concordância verbal

A concordância verbal nem sempre acontece de maneira bem comportada: ela pode acontecer por meio da silepse de gênero, número e pessoa.

Realizar a concordância verbal nem sempre é uma tarefa simples. A dificuldade acontece porque existem alguns casos especiais em que a regra ganha exceções que podem gerar muitas dúvidas nos falantes da língua portuguesa, especialmente na modalidade escrita.

Essas dúvidas podem ser esclarecidas quando refletimos sobre a frase que nos causa estranhamento: nessa hora, entender os mecanismos linguísticos pode ser mais útil do que tentar resgatar regras gramaticais que nem sempre conseguimos memorizar. Quando entendemos o sentido da frase, somos capazes de pensar sobre o verbo e assim encontrar o sujeito sobre o qual ele se refere, realizando a concordância correta entre sujeito, gênero, número e pessoa.

Nos casos especiais de concordância verbal, refletir sobre a oração é a maneira mais eficiente para evitar erros. A ocorrência mais comum acontece nos casos de concordância ideológica, também conhecida como silepse. Nesses casos, a concordância acontece de acordo com o sentido ou ideias subentendidas no contexto da frase, e não propriamente em relação à sua forma. A silepse pode ser de número, gênero e pessoa. Observe os tipos de silepse nos exemplos a seguir:

  • Silepse de número:

Corria gente de todos os lados, e gritavam.” (Mário Barreto)

Nesse exemplo, o verbo gritavam está no plural porque concorda com a ideia de pluralidade expressa na palavra gente, portanto, a concordância ocorreu de maneira ideológica, e não de acordo com a forma da frase.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
  • Silepse de gênero:

A Fernão Dias está cada dia mais congestionada.

Apesar de Fernão Dias ser um substantivo do gênero masculino, a concordância foi feita com elementos do gênero feminino porque na oração está subentendida a ideia de rodovia Fernão Dias, portanto, toda a concordância da frase foi levada para o feminino.

  • Silepse de pessoa:

Os alunos ficamos tristes com o retorno às aulas.

O verbo ficamos está na 1ª pessoa do plural, indicando assim que aquele que fala se incluiu entre os alunos, que é o sujeito expresso na frase. Se fôssemos “traduzir” a frase sem a concordância ideológica, ela ficaria da seguinte maneira: Nós, os alunos, ficamos tristes com o retorno às aulas.

É importante compreender que, quando o assunto é concordância verbal por meio da silepse, não existe uma concordância bem comportada ou prevista pelas regras gramaticais. A silepse, embora vista por muitos como um desvio à norma, também pode ser uma figura de linguagem, mais especificamente uma figura de construção muito empregada na linguagem literária, cuja principal característica é a liberdade para subverter a gramática e o valor semântico das palavras.

Aproveite para conferir as nossas videoaulas relacionadas ao assunto:

Para construir uma concordância verbal correta, especialmente nos casos de silepse, o melhor a se fazer é analisar a oração com cautela

Para construir uma concordância verbal correta, especialmente nos casos de silepse, o melhor a se fazer é analisar a oração com cautela

Por: Luana Castro Alves Perez

Artigos relacionados

Concordância verbal: casos especiais com o sujeito simples

Aprenda os casos especiais de concordância verbal com o sujeito simples e amplie seus conhecimentos sobre a articulação dos termos oracionais.

Concordância verbal: casos de sujeito composto

Amplie ainda mais sua competência linguística, clicando e se certificando da concordância verbal relacionada a casos de sujeito composto!

Figuras de linguagem

Vamos conhecer um pouco mais sobre o que são e quais são as Figuras de Linguagem da Língua Portuguesa?

Linguagem literária e não literária

Conheça as diferenças existentes entre a linguagem literária e a não literária!