Lei de Terras

A extinção do tráfico de escravos no Brasil, com a aprovação da Lei Eusébio de Queiroz, estabeleceu uma nova etapa no uso de mão de obra do Brasil. Na medida em que o preço do escravo encarecia, os grandes proprietários de terras optaram pelo uso do trabalho assalariado livre dos imigrantes europeus. Em muitos casos, estes camponeses estrangeiros chegavam ao Brasil com a perspectiva de trabalharem nas lavouras e, posteriormente, adquirirem sua pequena propriedade.

Para a elite agroexportadora, essa possibilidade não se adequava em nada aos próprios interesses. Afinal, a conversão de trabalhadores em pequenos proprietários diminuía a disponibilidade de mão de obra para as grandes lavouras. Ao mesmo tempo, estes mesmos “futuros proprietários” poderiam vir a formar unidades de produção que competissem com a aristocracia que imperava em nossa economia. Foi daí que as elites exigiram a formulação de uma nova política agrária no país.

No ano de 1850, o Parlamento brasileiro estabeleceu a aprovação da Lei de Terras. Segundo esse novo acordo, todas as terras que não possuíssem algum tipo de registro deveriam ser regularizadas. Para que tal ação fosse executada, o proprietário deveria dispor de grandes recursos que envolviam a demarcação da propriedade e a legalização de seu registro. Segundo a mesma lei, os impostos arrecadados com o registro deveriam ser empregados na atração de imigrantes para o Brasil.

As terras que não tivessem registro, as chamadas “terras devolutas”, deveriam ser repassadas à tutela do governo brasileiro. Estas terras públicas só passariam às mãos de um particular por meio da compra. Nessa mesma lei, ficavam estipulados preços elevados que impediam que pequenos produtores ou camponeses tivessem condição de ter a sua propriedade. Assim, somente os grandes proprietários teriam condições financeiras de comprar esse tipo de terreno.

Por meio dessa lei, percebemos o grande poder de interferência que as elites possuíam no cenário político da época. Atendendo aos seus próprios interesses, a aristocracia rural brasileira conseguiu manter a economia do país refém de um modelo agroexportador baseado na utilização de grandes propriedades. Além disso, podemos ver na Lei de Terra, de 1850, um dos fatores que explicam a questão da concentração de terras no país.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
A chegada dos imigrantes ao Brasil foi o motivo central para a aprovação da Lei de Terras.

A chegada dos imigrantes ao Brasil foi o motivo central para a aprovação da Lei de Terras.

Por: Rainer Sousa

Artigos relacionados

Guerra do Paraguai

Neste link você terá acesso a informações sobre as causas e os principais acontecimentos do maior conflito da América do Sul: a Guerra do Paraguai.

Revolta Praieira, última rebelião provincial

A Revolta Praieira ocorreu em Pernambuco, em 1848, e foi uma disputa entre as elites. Clique aqui e saiba mais!

Barão de Mauá e a industrialização no Império

Saiba mais sobre a ação econômica do Barão de Mauá durante o Segundo Reinado.

Bill Aberdeen e o fim do tráfico de escravos

Saiba o que foi o Bill Aberdeen e o que ele representou nas relações entre Brasil e Inglaterra no século XIX.

Café, motor da economia do Segundo Reinado

Saiba como o café tornou-se o motor da economia do Segundo Reinado e suas consequências para a sociedade brasileira.

Saquaremas e Luzias, os partidos do Império

Saiba quem eram os saquaremas e luzias durante o Segundo Reinado, bem como quais eram suas posições políticas.

Estímulos à imigração no Império

Saiba mais sobre o processo de imigração no Império brasileiro e suas consequências.

Parlamentarismo às avessas no Império

Você já ouviu falar do parlamentarismo às avessas? Clique aqui e saiba o que ele representou na organização política do Império.

O lento processo da abolição da escravidão no Brasil

Entenda por que a abolição da escravidão foi um processo lento no Brasil e como isso se relaciona com a desigualdade na sociedade brasileira.

Lei Eusébio de Queirós

Clique e acesse para saber do que se tratou a Lei Eusébio de Queirós. Entenda todo o contexto que levou o Brasil a abolir o tráfico negreiro.