<

Café, motor da economia do Segundo Reinado

A economia do Segundo Reinado foi baseada essencialmente na produção cafeeira, que auxiliou ainda a modernização de parte do Brasil.

Escravos em uma fazenda de café no Brasil, fotografia de Marc Ferrez (1843-1923) feita em 1885
Escravos em uma fazenda de café no Brasil, fotografia de Marc Ferrez (1843-1923) feita em 1885

O Brasil nas primeiras décadas de sua independência sofreu uma grave crise econômica, resultado da decadência da mineração e da produção de açúcar. Entretanto, o interesse do mercado europeu e, posteriormente, dos EUA pelo café proporcionou um novo impulso à economia do Brasil. A partir da década de 1830, o café transformou-se no motor da economia do Segundo Reinado.

As primeiras mudas de café foram plantadas no norte do país, na segunda metade do século XIX. Mas nessa região não havia solo e clima propício para a produção do café em larga escala. Um solo propício à cultura cafeeira era o existente no sudeste do país. As primeiras grandes lavouras localizaram-se nos brejos e pântanos drenados da baixada fluminense. A partir desse local, os cafezais iriam se estender para o oeste de São Paulo e para o sudoeste de Minas Gerais.

Diferentemente do início da produção de cana-de-açúcar no período colonial, os capitais iniciais necessários às lavouras foram provenientes dos próprios fazendeiros ou de alguns comerciantes, como os que realizavam o transporte de mercadorias na região de Sorocaba, interior de São Paulo. Na sua origem, o café não necessitou do investimento externo.

A força de trabalho utilizada na produção do café foi inicialmente a de africanos escravizados e, até o fim do Império, eles compuseram a maior parte da força de trabalho nos cafezais. Porém, a pressão inglesa pelo fim do tráfico de escravos no Atlântico e as lei de proibição do tráfico, como a Lei Eusébio de Queiróz de 1850, dificultavam o acesso aos escravos. Seus preços subiram, tornando-se uma força de trabalho extremamente dispendiosa. Era necessária outra forma de organizar a força de trabalho nos cafezais, que passasse para a utilização de trabalhadores livres.

A saída foi estimular a imigração de famílias europeias, principalmente em São Paulo. O trabalho livre era mais dinâmico economicamente que o trabalho escravo por estimular o mercado interno e pela possibilidade de introduzir novas técnicas de plantio, como a mecanização. Não havia interesse do escravo em trabalhar dessa forma, o que impedia o aumento da produtividade. Além do mais, essas novas técnicas fomentavam a produção de ferramentas e outros utensílios necessários às lavouras, nas regiões próximas às fazendas.

Na imigração, o fazendeiro financiava a vinda das famílias europeias em troca do trabalho em suas lavouras. Esse método inicial ficou conhecido como parcerias. Porém, o não cumprimento de cláusulas contratuais pelos fazendeiros geraram inúmeros conflitos, sendo o mais notório o ocorrido na fazenda do senador Nicolau de Campos Vergueiro, em 1856, em Ibicaba.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A partir desse momento, as parcerias foram abandonadas. O interesse do governo imperial no crescimento da produção cafeeira levou o Estado a financiar a vinda dos imigrantes através de subsídios. Em virtude do maior dinamismo econômico decorrente do trabalhador livre, alguns fazendeiros, principalmente de São Paulo, passaram a defender o fim da escravidão no país.

A força econômica do café foi tamanha que garantiu o superávit da balança comercial brasileira entre 1861 e 1885. Na década de 1880, o café respondia por cerca de 61% das exportações do Império.  

A produção cafeeira fez surgir ainda outras atividades econômicas veiculadas ao beneficiamento, transporte e à venda do café. Os fazendeiros tornaram-se acionistas de empresas. Apareceu também o comissário do café, que trabalhava nas casas de comércio externo, participando ainda da organização da produção e da logística de transporte. Tal atividade proporcionou aos comissários o acúmulo de capital, que serviu para formar instituições financeiras e empresas de importação.

O café ainda estimulou a incipiente modernização da sociedade brasileira. Teve início o processo de urbanização de alguns locais, principalmente a cidade do Rio de Janeiro e São Paulo, e mesmo no interior paulista, na segunda metade do século, cidades como Campinas e Sorocaba urbanizaram-se a partir do capital acumulado pelos fazendeiros.

O principal símbolo da modernização estava nas ferrovias. A primeira ferrovia foi construída entre Rio de Janeiro e Petrópolis, em 1854. A partir daí, esse meio de transporte teve uma grande expansão. Com as ferrovias, os custos do transporte do café diminuíram consideravelmente, facilitando ainda a ligação com os portos exportadores, principalmente o de Santos, no litoral paulista. A expansão ferroviária brasileira contou com capitais brasileiros e estrangeiros, principalmente os ingleses.

A passagem das ferrovias por regiões interioranas favorecia o contato da população com as inovações técnicas do capitalismo, causando um grande impacto no país.

Aproveite para conferir a nossa videoaula relacionada ao assunto:

Por: Tales Pinto

Artigos relacionados

A carnificina paraguaia

Horrores da Guerra do Paraguai.

A industrialização no Segundo Reinado

O surgimento de fábricas durante o governo de Dom Pedro II.

A primeira estrada de ferro do Brasil

Fique sabendo em que época foi construída a primeira estrada de ferro do Brasil e que importância teve esse acontecimento para o país.

Barão de Mauá e a industrialização no Império

Saiba mais sobre a ação econômica do Barão de Mauá durante o Segundo Reinado.

Caifazes e a luta pela abolição no Império

Conheça o grupo dos caifazes e seu papel na luta pela abolição da escravidão no Brasil.

Estímulos à imigração no Império

Saiba mais sobre o processo de imigração no Império brasileiro e suas consequências.

Golpe da Maioridade

Entenda como as crises durante o Período Regencial levaram à mobilização em torno da antecipação da maioridade de Dom Pedro II, no chamado Golpe da Maioridade.

Guerra do Paraguai

Neste link você terá acesso a informações sobre as causas e os principais acontecimentos do maior conflito da América do Sul: a Guerra do Paraguai.

Lei de Terras

A lei que reformulou a política agrária do Brasil no Segundo Reinado.

Leis abolicionistas no Império

Conheça as leis abolicionistas promulgadas no Império sobre a escravidão.

Ministério da Conciliação no Império

Saiba o que foi o Ministério da Conciliação e o que significou para a política do Império.

O entrudo e a ocupação dos espaços públicos

Saiba por que o entrudo foi combatido no Rio de Janeiro e de que forma se relacionou com a ocupação dos espaços públicos das distintas classes sociais.

Parlamentarismo às avessas no Império

Você já ouviu falar do parlamentarismo às avessas? Clique aqui e saiba o que ele representou na organização política do Império.

Proclamação da república

Clique aqui para entender o que foi a proclamação da república. Saiba suas causas, quais eram os grupos insatisfeitos, como ela foi realizada e suas consequências.

Questão Christie e a política externa no Império

Saiba o que foi a Questão Christie e suas consequências nas relações entre Brasil e Inglaterra.

Revolta Praieira, última rebelião provincial

A Revolta Praieira ocorreu em Pernambuco, em 1848, e foi uma disputa entre as elites. Clique aqui e saiba mais!