Barão de Mauá e a industrialização no Império

A história do Barão de Mauá confunde-se com o surto de industrialização do Segundo Reinado, mostrando que o capitalismo industrial no Brasil ainda era efêmero.

O surto de industrialização verificado durante o Segundo Reinado teve como um de seus principais personagens Irineu Evangelista de Sousa (1813-1889), o Barão de Mauá. Natural do Rio Grande do Sul, o Barão de Mauá decidiu investir capital na economia brasileira após uma viagem realizada à Inglaterra na década de 1840, onde se fascinou pelo desenvolvimento industrial e também social proporcionado pelo capitalismo inglês.

Barão de Mauá teve uma atividade econômica que se assemelhava a dos empresários capitalistas modernos da Europa e dos EUA, em decorrência principalmente das diversas atividades em que investiu. As condições criadas pela Tarifa Alves Branco (1844), com a criação de impostos sobre produtos importados, auxiliaram em seus negócios. Fundando inicialmente seu primeiro grande negócio com um estaleiro de construções navais, as ações de Mauá ganharam maior vulto quando, em sociedade com ingleses e portugueses, fundou os bancos Mauá, MacGregor & Cia. e a Casa Mauá & Cia, que chegaram a ter filiais em Londres, Paris, Nova Iorque, Montevidéu, Buenos Aires e diversas outras cidades.

O controle do capital financeiro permitiu a Mauá investir nas áreas de estaleiros navais, velas, curtumes, fundição de ferro e bronze, caldeiraria, serralheria, mecânica e também na área de comunicação, como na constituição de empresas de transportes navais, construção de ferrovias e infraestrutura de comunicação internacional.

Em 1852, o Barão ganhou a concessão para a construção da ferrovia Mauá, que ligaria Petrópolis ao Vale do Paraíba fluminense. Em 1854, foi inaugurado o trecho que ficou conhecido como ferrovia Rio-Petrópolis, a primeira do país. A modernização dos meios de transporte nessa segunda metade do século XIX tinha por objetivo facilitar o escoamento da produção de café, ligando os pontos produtores aos portos escoadores.

Ainda na área de comunicação, os investimentos do Barão de Mauá tornaram possível a ligação telegráfica entre o Brasil e a Europa através de um cabo submarino que atravessava o Oceano Atlântico, que foi instalado em 1874.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Todavia, a ação do Barão de Mauá mostrou as contradições em que se inseria a sociedade brasileira do Segundo Reinado. Por um lado, foi possível realizar uma integração entre os capitais brasileiros e os estrangeiros, principalmente os ingleses, para tentar criar algumas condições gerais para a produção capitalista no Império. A liberação de capital brasileiro para esse tipo de investimento foi facilitada pelas proibições no tráfico de escravos, que proporcionaram um novo direcionamento do dinheiro acumulado com a produção agrícola, e também pelas medidas governamentais de restrição de importações.

Por outro lado, a base da economia imperial ainda estava vinculada ao trabalho escravo, que impediu a intensificação da exploração capitalista dos trabalhadores, criando, dessa forma, obstáculos para a ampliação do mercado interno. A conjugação de produção agrícola, produção industrial, mercado interno e força de trabalho assalariada era necessária para um maior fôlego desse surto industrial, cujo personagem principal foi o Barão de Mauá.

As contradições da sociedade brasileira representaram também a ruína do Barão. Boicotes da elite agrária, a concorrência do capital estrangeiro e as facilidades para a importação de mercadorias com a Tarifa Silva Ferraz (1860) aumentaram as dificuldades aos seus negócios. Em 1878, um ano após ganhar o título de Visconde de Mauá, houve a falência de Irineu Evangelista.

O governo não destinou capitais para tirar seu banco da falência. O Barão de Mauá terminou seus dias atuando como corretor de negócios do café, evidenciando que a economia do reinado de D. Pedro II ainda estava ligada à exportação desse produto agrícola.

Irineu Evangelista de Sousa, Barão e Visconde de Mauá, retratado por Sébastien Auguste Sisson (1824-1893)

Irineu Evangelista de Sousa, Barão e Visconde de Mauá, retratado por Sébastien Auguste Sisson (1824-1893)

Por: Tales Pinto

Artigos relacionados

A carnificina paraguaia

Horrores da Guerra do Paraguai.

A industrialização no Segundo Reinado

O surgimento de fábricas durante o governo de Dom Pedro II.

Baile da Ilha Fiscal

A festa de arromba de Visconde de Ouro Preto.

Café, motor da economia do Segundo Reinado

Saiba como o café tornou-se o motor da economia do Segundo Reinado e suas consequências para a sociedade brasileira.

Caifazes e a luta pela abolição no Império

Conheça o grupo dos caifazes e seu papel na luta pela abolição da escravidão no Brasil.

Estímulos à imigração no Império

Saiba mais sobre o processo de imigração no Império brasileiro e suas consequências.

Ferrovias e o café no Império de D. Pedro II

Saiba como se deu a conjugação de ferrovias e o café durante o Império, bem como suas consequências.

Higienismo urbano e exclusão social no Império

Saiba como durante o Segundo Reinado o higienismo urbano serviu como medida repressiva à população do Rio de Janeiro.

História da ABL

O caminho percorrido pela Academia Brasileira de Letras.

Lei de Terras

A lei que reformulou a política agrária do Brasil no Segundo Reinado.

Leis abolicionistas no Império

Conheça as leis abolicionistas promulgadas no Império sobre a escravidão.

Luís Gama

Acesse este texto e veja detalhes da vida de Luís Gama, importante jornalista e rábula do século XIX. Conheça o papel dele na luta pelo fim da escravidão.

Ministério da Conciliação no Império

Saiba o que foi o Ministério da Conciliação e o que significou para a política do Império.

Movimento abolicionista: de elite ou popular?

Conheça as principais características sociais do movimento abolicionista no Brasil.

O entrudo e a ocupação dos espaços públicos

Saiba por que o entrudo foi combatido no Rio de Janeiro e de que forma se relacionou com a ocupação dos espaços públicos das distintas classes sociais.

O golpe da maioridade

Você sabe o que foi o golpe da maioridade? Clique aqui e confira!

Parlamentarismo às avessas no Império

Você já ouviu falar do parlamentarismo às avessas? Clique aqui e saiba o que ele representou na organização política do Império.

Questão Christie e a política externa no Império

Saiba o que foi a Questão Christie e suas consequências nas relações entre Brasil e Inglaterra.

Saquaremas e Luzias, os partidos do Império

Saiba quem eram os saquaremas e luzias durante o Segundo Reinado, bem como quais eram suas posições políticas.

Transporte Ferroviário no Brasil

Uma análise geo-histórica do transporte ferroviário no Brasil.

Urbanização e mudanças sociais no Império

Saiba como se articularam o processo de urbanização e as mudanças sociais no Império brasileiro.