Torre de Babel

A Torre de Babel é uma construção mencionada em uma narrativa bíblica, presente no livro de Gênesis. Esse texto é considerado um mito fundador.

Representação da Torre de Babel.
A Torre de Babel é uma construção mencionada em uma narrativa bíblica considerada um mito fundador.

A Torre de Babel é uma construção mencionada na Bíblia. Essa menção é encontrada no livro de Gênesis. Os historiadores consideram que a narrativa sobre a Torre de Babel é um mito fundador que foi utilizado para explicar a existência dos diferentes idiomas, assim como a dispersão da humanidade pela Terra.

Veja também: Mitologia grega — o conjunto de mitos narrados pelos gregos na Antiguidade

Resumo sobre Torre de Babel

  • A Torre de Babel é uma construção mencionada na Bíblia.

  • Faz parte de uma narrativa presente no livro bíblico de Gênesis.

  • Os historiadores consideram sua narrativa um mito fundador que explica a origem dos idiomas.

  • Acredita-se que pode ter sido inspirada no Etemenanki, um zigurate construído na Babilônia.

  • Existia um mito sumério com uma história parecida com a mencionada na Bíblia.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que é a Torre de Babel?

A Torre de Babel é uma construção mencionada na Bíblia, mais especificamente no livro de Gênesis. O texto bíblico narra a construção dessa torre, o que não é tido pelos historiadores um acontecimento factual, mas sim considerado um mito fundador. Esse tipo de mito envolve narrativas comuns em civilizações da Antiguidade que visavam explicar algum fenômeno, tradição ou acontecimento.

No caso do mito da Torre de Babel, ocorre a tentativa de explicar o fato de a humanidade possuir diferentes idiomas, além do fato de a humanidade estar dispersa pela Terra. O mito se passa em uma região definida como “terra de Sinear”, que os historiadores consideram a região sul da Mesopotâmia.

Esse mito afirma que um grupo de pessoas decidiu se estabelecer em uma planície na terra de Sinear logo após o dilúvio (outra narrativa mítica da Bíblia). Nesse local, decidiu-se construir uma grande cidade e uma torre que alcançaria o céu. O intuito disso era impedir a dispersão daquela comunidade.

Durante esse processo, Deus teria descido dos céus para averiguar o que a humanidade fazia e decidiu intervir na situação, lançando confusão sobre os homens ao fazer com que eles falassem idiomas diferentes. Isso gerou o fim da construção da torre, devido à intervenção de Deus, e a humanidade se dispersou pela Terra com base nos seus idiomas. Esse mito é narrado no livro de Gênesis, encontrado no capítulo 11, entre os versículos 1 e 9.

Leia também: Epopeia de Gilgamesh — a epopeia mesopotâmica considerada a obra de literatura mais antiga da humanidade

O que os historiadores dizem sobre a Torre de Babel?

Como mencionado, os historiadores consideram que a narrativa da Torre de Babel é um mito que não necessariamente corresponde a um acontecimento factual. Isso não significa que não existe uma série de estudos e de hipóteses que tentam relacionar a Torre de Babel com eventos e construções reais.

Primeiramente, é preciso identificar que tipo de construção, possivelmente, a Torre de Babel era. A hipótese mais óbvia, considerando o contexto mesopotâmico, é que a construção presente na narrativa bíblica era um zigurate, uma edificação muito tradicional na Mesopotâmia que consistia em uma espécie de palácio. Zigurates foram desenvolvidos pelos sumérios por volta de 3000 a.C.

Zigurate em Ur, no Iraque.
Os historiadores acreditam que a Torre de Babel se refere a um zigurate, construção comum na Mesopotâmia.

Os zigurates são marcados pelo fato de terem sido construções de grande relevância para as civilizações mesopotâmicas, pois centralizavam a administração das cidades onde ficavam e, além disso, tinham funções religiosas e um papel cosmológico importante naquelas culturas.

Assim, existe a hipótese que afirma que os zigurates eram considerados locais onde céu e terra (mundo sobrenatural e real) se encontravam. O historiador Paul Kriwaczek afirma que os zigurates “foram planejados […] para permitir que a escala humana e a divina se tocassem momentaneamente”.|1|

Uma hipótese menciona o fato de que a Torre de Babel poderia ser um zigurate conhecido como Etemenanki, construído em homenagem ao deus Marduk na cidade da Babilônia. Os historiadores acreditam que esse zigurate tenha sido construído em algum momento entre os séculos XIV a.C. e IX a.C.

Paul Kriwaczek afirma que o Etemenanki possuía cerca de 90 metros de altura e o relaciona diretamente com a Torre de Babel mencionada na narrativa bíblica. O nome Etemenanki foi traduzido como “casa que é o alicerce do céu e da Terra”|2|, um nome que podemos associar com a cosmologia mesopotâmica — considerar o zigurate um local onde céu e terra se encontram.

Por fim, também havia um mito sumério que mencionava um fato parecido com o do mito da Torre de Babel. Esse mito é “Enmerkar e o Senhor de Aratta”, que menciona a ação do deus Enki de confundir a humanidade lançando diversos idiomas em locais que falavam apenas uma única língua.

Notas

|1| KRIWACZEK, Paul. Babilônia: a Mesopotâmia e o nascimento da civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 2018, p. 199.

|2| Idem, p. 329.

Por: Daniel Neves Silva

Artigos relacionados

Código de Hamurabi

Saiba mais sobre um dos primeiros códices de leis da humanidade: o Código de Hamurabi, que era baseado no princípio de talião, “olho por olho, dente por dente”.

Epopeia de Gilgamesh

Saiba mais sobre a obra literária considerada a mais antiga da humanidade, conhecida como Epopeia de Gilgamesh.

O Primeiro Império Babilônico

O Primeiro Império Babilônico foi considerado um dos principais impérios da Antiguidade.

O Segundo Império Babilônico

Após a morte do rei Nabucodonosor, o Segundo Império Babilônico enfraqueceu-se e entrou em declínio, sendo conquistado pelos persas em 539 a.C.

Os Sumérios e seu legado

Descubra as influências dos sumérios sobre os povos da região mesopotâmica.

Povos da Mesopotâmia

Saiba como os povos da Mesopotâmia legaram para a civilização ocidental várias heranças culturais, como a roda, a escrita, as cidades e o código de leis.