Queda da Bastilha

A Queda da Bastilha foi o marco inicial da Revolução Francesa, em 1789. Era a prisão onde os inimigos políticos da monarquia francesa ficavam presos. A Bastilha foi o principal símbolo da força absolutista na França. Quando foi tomada e destruída pelos revolucionários, marcou o começo do fim do reinado de Luís XVI e o início da revolução que inauguraria a Idade Contemporânea.

A burguesia com os camponeses formavam o Terceiro Estado e eram obrigados a pagar altos impostos para sustentar o rei, os nobres e o clero. Com a crise econômica vivida pela França no final do século XVIII, Luís XVI convocou os Estados Gerais para discutir a situação e propor soluções.

Sem vez nem voz nessa reunião, os burgueses fundaram a Assembleia Constituinte para elaborar uma Constituição para a França. Os revolucionários invadiram a Bastilha, libertaram os presos que ali estavam e pegaram as armas para derrotar as tropas reais, desencadeando o processo revolucionário.

Leia também: Comuna de Paris – tomada do poder em Paris e substituição do governo republicano

Contexto histórico: França antes da Revolução

Luís XVI foi o último monarca absolutista a governar a França.
Luís XVI foi o último monarca absolutista a governar a França.

Até 1789, a França era uma monarquia absolutista governada pelo rei Luís XVI. Durante séculos, o reino francês foi símbolo do absolutismo na Europa, principalmente nos tempos do rei Luís XIV, que dizia que “o Estado sou eu”. Contudo, no final do século XVIII, a França vivia momentos de crise econômica e política. A sociedade era dividida em três classes sociais:

  • Primeiro Estado: formado pelo clero católico.
  • Segundo Estado: formado pela nobreza, dona da maioria das terras.
  • Terceiro Estado: formado pela burguesia e os camponeses, que compunham a esmagadora maioria da população.

Durante o Antigo Regime, o rei era aquele que tinha todos os poderes, e seus aliados, o clero e a nobreza, ocupavam respectivamente o Primeiro e o Segundo Estados. Eles tinham privilégios financiados pelo Terceiro Estado, que pagava muitos impostos. No entanto, a partir de 1770, a França começou a enfrentar uma crise econômica por conta da independência dos Estados Unidos.

Os franceses entraram em guerra contra os norte-americanos, e isso levou o país à falência por causa dos gastos bélicos. Dessa forma, a aristocracia francesa decidiu aumentar os impostos sobre o Terceiro Estado para que seus privilégios não fossem atingidos por essa crise econômica.

Além desse grave problema financeiro, a França enfrentou um período de inverno rigoroso, o que prejudicou severamente a colheita. Isso fez com que a maioria da população, dependente do que era produzido da terra, não tivesse o que comer. A fome tornou mais grave a situação terrível vivida pelos franceses no final do século XVIII.

Aos poucos, a população atingida pela falta de alimentos começou a se mobilizar para exigir das classes abastardas soluções para a crise que afetava o Terceiro Estado. Essa mobilização se deu também pela divulgação das ideias iluministas, que criticavam o absolutismo monárquico.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Causas da Revolução Francesa

A Revolução Francesa, iniciada em 1789, teve repercussão mundial e provocou a transição da Idade Moderna para a Idade Contemporânea. A grave crise enfrentada pelos franceses era associada às ideias iluministas, que, mesmo clandestinamente, circulavam entre aqueles que eram contrários ao poder absoluto do rei. Os revolucionários se organizaram contra o Antigo Regime para protestar contra os privilégios que o Primeiro e o Segundo Estados tinham e o luxo com que a monarquia francesa vivia.

A crise não tinha atingido a realidade da elite, pois não era ela que pagava impostos, além de ter a certeza de que seus ganhos estavam garantidos. Os mais afetados pela falta de alimentos e os problemas financeiros eram os integrantes do Terceiro Estado, a burguesia e os camponeses. Apenas eles eram obrigados a pagar mais impostos para bancar os privilégios das classes mais altas e o luxo da família real, que não abria mão de festas e de morar em grandes palácios, como o de Versalhes.

Veja também: Napoleão Bonaparte – figura que conquistou grande destaque a partir da Revolução Francesa

Participantes da Queda da Bastilha

Populares invadiram a Bastilha em busca de armas para reagir às tropas do rei, que pretendiam reprimir as manifestações contra o Antigo Regime.
Populares invadiram a Bastilha em busca de armas para reagir às tropas do rei, que pretendiam reprimir as manifestações contra o Antigo Regime.

Os participantes da Queda da Batilha eram aqueles que integravam o Terceiro Estado, a única classe social francesa que não tinha privilégios ou benefícios e era obrigada a pagar altos impostos para manter o alto custo de vida do rei, do clero e da nobreza. Quando a Bastilha foi invadida pela população desfavorecida de Paris, a notícia se alastrou para a as áreas rurais da França, incentivando os camponeses a participarem também daquela revolta, que se transformaria em uma revolução em pouco tempo.

Estados Gerais e Assembleia Constituinte

Com a crise social e econômica não sendo solucionada de forma rápida e a mobilização popular já se manifestando, o rei Luís XVI convocou os Estados Gerais, um conselho formado por representantes dos três Estados que compunham a sociedade francesa na época. O conselho decidiu fazer uma reforma para revolver a crise.

O Terceiro Estado propôs uma reforma que desagradou aos outros Estados. Como a votação era por Estado, dificilmente os representantes da burguesia e dos camponeses teriam alguma vitória nas votações de suas pautas no conselho. O clero e a nobreza haviam se unido para manter seus privilégios e não pagar impostos.

O Terceiro Estado propôs, então, que se fizesse uma votação “por cabeça”, ou seja, levando-se em consideração o número de representados no conselho. Como o Terceiro Estado era composto pela maioria da população, se a proposta fosse levada adiante, teria êxito nas reformas que havia proposto. Contudo, esse tipo de votação não aconteceu, e manteve-se a eleição por Estado.

Com a derrota nos Estados Gerais, o Terceiro Estado se retirou do conselho e declarou a formação de uma Assembleia Constituinte, que elaboraria uma Constituição para a França. Para garantir a segurança dos constituintes e evitar qualquer invasão das tropas reais, a burguesia formou uma guarda nacional composta pelos próprios cidadãos parisienses.

A Queda da Bastilha

A Bastilha era o principal símbolo do poder da monarquia francesa, pois era a prisão onde os inimigos do rei eram detidos. Pouco antes da Revolução Francesa, o local era depósito de armas para o exército.

No dia 14 de julho de 1789, correu um boato pelas ruas de Paris de que as tropas reais sairiam às ruas para reprimir a população revoltosa contra o Antigo Regime. Por conta disso, a população se dirigiu aos Inválidos, antigo hospital que se transformou em depósito de armas, e retirou inúmeras armas e carregamentos para reagir às tropas. Logo em seguida, dirigiram-se para a Bastilha em busca de mais armamentos.

O dirigente da prisão, Marquês de Launay, tentou negociar com os revoltosos, mas guardas atiraram na população, que invadiu a Bastilha e revidou ao ataque com tiros. Launay foi morto pela população e decapitado, tendo sua cabeça espetada na ponta de uma lança.

As armas depositadas na Bastilha foram tomadas pelos revoltosos, que libertaram os presos e destruíram a prisão. Esse evento entrou para a história como o estopim para a Revolução Francesa e o enfraquecimento do Antigo Regime francês, que, sob a liderança de Luís XVI, não conseguiu reprimir a revolta popular.

A Queda da Bastilha, em 14 de julho de 1789, foi o estopim para a Revolução Francesa.
A Queda da Bastilha, em 14 de julho de 1789, foi o estopim para a Revolução Francesa.

Consequências da Queda da Bastilha

A queda da Bastilha representou não apenas a destruição de um dos símbolos do Antigo Regime na França, mas o início da Revolução Francesa. Essa manifestação da população parisiense motivou a burguesia a prosseguir com a Assembleia Constituinte e a destituir Luís XVI do poder.

Outra consequência foi o aumento de manifestações populares contrárias aos integrantes do Antigo Regime, como o clero e a nobreza. Igrejas foram fechadas, campos foram destruídos e houve a invasão do Palácio de Versalhes, onde estavam o rei e sua família. Luís XVI tentou fugir de Paris, mas foi preso e morto na guilhotina.

Resumo sobre a queda da Bastilha

  • A França pré-revolução atravessava uma grande crise econômica e social, tendo o Terceiro Estado pagando altos impostos e bancando o luxo e os privilégios do rei, do clero e da nobreza.
  • As principais causas da Revolução Francesa foram o fim dos privilégios da aristocracia e a formação de uma sociedade justa e igualitária.
  • O rei Luís XVI convocou os Estados Gerais para resolver a crise, mas a burguesia saiu desse conselho e declarou uma Assembleia Constituinte para formar uma Constituição.
  • A Queda da Bastilha aconteceu em 14 de julho de 1789, quando a população de Paris invadiu a prisão em busca de armamentos para reagir à repressão das tropas reais.
  • A consequência da Queda da Bastilha foi o início da Revolução Francesa e o começo do fim do Antigo Regime.

Exercícios resolvidos

Questão 1 - A Queda da Bastilha, ocorrida em 14 de julho de 1789, foi um evento histórico porque se tornou o estopim de qual movimento?

A) Revolução Francesa

B) Revolução Americana

C) Revolução Inglesa

D) Revolução Russa

Resolução

Alternativa A. A Queda da Bastilha, liderada pela população parisiense, marcou o começo da Revolução Francesa, em 1789. Essa população sofria com a fome e a crise econômica que assolavam a França no final do século XVIII. Ao destruir a Bastilha, a população conseguiu expressar sua revolta contra os privilégios da aristocracia.

Questão 2 - A Revolução Francesa de 1789 foi um evento ímpar que encerrou a Idade Moderna e deu início à Idade Contemporânea. Sobre as causas dessa revolução, é correto afirmar que:

A) fortaleceu o poder do rei.

B) acabou com os privilégios da aristocracia francesa.

C) promoveu a religião católica na França

D) incentivou a industrialização.

Resolução

Alternativa B. Os privilégios e luxos de que gozavam a aristocracia francesa foram apontados como as principais causas para as crises econômica e social vividas pelos franceses no final do século XVIII. Por isso, o Terceiro Estado, composto por burgueses e camponeses, que sustentavam os luxos da aristocracia, revoltou-se e decidiu demolir esses privilégios por meio de uma Constituição e destituindo os poderes dos integrantes do Antigo Regime.

Por: Carlos César Higa

Artigos relacionados

A visão de Edmund Burke sobre a Revolução Francesa

Conheça a visão de Edmund Burke sobre a Revolução Francesa e quais lições podem ser depreendidas dela.

Absolutismo

Saiba em que consistiu o fenômeno do absolutismo e também os motivos que o tornaram importante para a compreensão da modernidade.

Comuna de Paris

Clique aqui e entenda o que foi e como ocorreu a Comuna de Paris!

Napoleão Bonaparte

Entenda a importância de Napoleão para a história contemporânea e compreenda melhor sua trajetória como político e militar.

Revolução Francesa

Fique por dentro dos aspectos principais deste que foi o acontecimento fundador da Idade Contemporânea: a Revolução Francesa.