Estrutura das proteínas

A estrutura das proteínas diferencia-se quanto à quantidade de cadeias peptídicas envolvidas e ao tipo de interação entre elas.

Estrutura da mioglobina, proteína que compõe os músculos
Estrutura da mioglobina, proteína que compõe os músculos

Entre os compostos orgânicos presentes em um organismo vivo, as proteínas são as substâncias encontradas em maior quantidade, representando de 50% a 80% dos tecidos do organismo, por apresentarem uma grande função estrutural.

Na estrutura das proteínas, há apenas quatro elementos químicos: carbono (C), hidrogênio (H), nitrogênio (N) e oxigênio (O). Esses elementos formam unidades moleculares denominadas de aminoácidos.

Assim, na realidade, a estrutura de uma proteína baseia-se na ligação de várias unidades individuais (monômeros) de aminoácidos, os quais são formados por um grupo carboxila e um grupo amino. Essa ligação gera uma grande estrutura, ou seja, uma macromolécula.

A união entre os aminoácidos dá-se por meio de uma ligação peptídica, na qual a carboxila de um aminoácido perde sua hidroxila (grupo OH) e o grupo amino de outro aminoácido perde um hidrogênio, formando uma molécula de água. Em seguida, o carbono da carboxila (ácido carboxílico) une-se ao nitrogênio do grupo amino (amina) do outro aminoácido.

Estrutura primária

A estrutura primária de uma proteína nada mais é que uma sequência de aminoácidos. Essa sequência, como podemos observar na estrutura a seguir, inicia-se no grupo amino (à esquerda) e prossegue até o grupo carboxila (à direita).

Estrutura primária de uma proteína
Estrutura primária de uma proteína

Nesse tipo de estrutura, temos uma sequência linear de aminoácidos, não havendo nenhuma ramificação.

Estrutura secundária

A estrutura secundária de uma proteína é o resultado da extensão ou do prolongamento de uma estrutura primária. Assim, à medida que a cadeia peptídica (de aminoácidos) aumenta, uma parte de um aminoácido interage com a de outro, em pontos centrais da estrutura, o que pode acontecer de duas formas:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
  • Em forma de folha:

Representação da estrutura secundária de uma proteína
Representação da estrutura secundária de uma proteína

Nesse tipo de forma, as cadeias laterais da proteína interagem entre si, em um mesmo plano.

  • Em forma de hélice:

Representação da estrutura secundária de uma proteína
Representação da estrutura secundária de uma proteína

Nesse caso, os resíduos das cadeias de aminoácidos interagem entre si, de forma que a resultante é uma estrutura helicoidal (formato cilíndrico).

Em ambos os casos, as interações entre os aminoácidos podem ocorrer por meio de ligações de hidrogênio ou por pontes de enxofre.

Estrutura terciária

Representação da estrutura terciária de uma proteína
Representação da estrutura terciária de uma proteína

A proteína de estrutura terciária é formada quando duas estruturas secundárias interagem por meio de seus resíduos (átomos de enxofre, de oxigênio ou de hidrogênio, por exemplo), a partir de:

Estrutura quaternária

Representação da estrutura quaternária de uma proteína
Representação da estrutura quaternária de uma proteína

Na estrutura quaternária da proteína, há a presença de duas ou mais cadeias peptídicas separadas, formando um arranjo oligomérico que se relaciona por meio de diversas interações, como na estrutura terciária:

  • Pontes de hidrogênio;

  • Atrações eletrostáticas;

  • Interações hidrofóbicas;

  • Pontes dissulfeto.

Por: Diogo Lopes Dias

Artigos relacionados

Polaridade das moléculas

Veja como saber a polaridade das moléculas baseado em seu vetor momento dipolar resultante e em sua geometria.

Proteínas

Proteínas são poliamidas, formadas pela condensação de α- aminoácidos. Proteína é um tipo de polímero.

Reações orgânicas de desidratação

Clique e aprenda o que são reações orgânicas de desidratação e quais são os reagentes e os possíveis produtos formados nesses processos químicos!

Tipos de polímeros

Conheça os diversos tipos de polímeros sem os quais não conseguimos passar um dia sem ter nenhum contato, tanto naturais quanto sintéticos.