Para eu ou para mim?

Para eu ou para mim? É importante saber como empregar essas expressões de maneira correta, pois cada uma delas está subordinada a uma condição específica de uso.

 Para eu ou para mim? Essa é uma pergunta que muita gente faz. Como saber qual é a maneira certa de falar e de escrever?

Pois bem, é importante ressaltar que as duas formas estão corretas, porém, nem sempre elas são empregadas de maneira adequada. O “para mim” acaba tomando o lugar do “para eu” e a confusão está feita! É preciso saber que cada uma das expressões tem seu contexto de uso, por isso o Alunos online vai explicar para você quando e como usar “para eu” e “para mim”. Fique atento às nossas dicas linguísticas!

Para eu: A expressão “para eu” deve ser empregada quando o pronome do caso reto “eu” assumir a função de sujeito na oração. Outra dica importante é observar a presença de um verbo: se o sujeito estiver seguido de um verbo no infinitivo que indique uma ação, não tenha dúvidas de que a maneira correta é “para eu”. Observe os exemplos:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Já arrumei minha mala para eu levar na viagem.

Há muito trabalho para eu fazer!

Para mim: A expressão “para mim” deve ser empregada quando “mim” exercer a função de objeto direto, já que “mim” é um pronome oblíquo que não pode exercer a função de sujeito quando apresentar um verbo posposto que indique ação, ou seja, “mim” não faz nada, quem faz sou eu, nós, vós, eles... Observe os exemplos:

Eles trouxeram um belo presente para mim.

Para mim, Machado de Assis é o maior escritor brasileiro.

Agora que você já sabe distinguir o uso das expressões “para eu” e “para mim”, substitua o erro pelo acerto, especialmente nos textos escritos, nos quais a modalidade padrão da língua deve ser sempre obedecida. 

Aproveite para conferir a nossa videoaula relacionada ao assunto:

Para eu ou para mim? Saber utilizar essas expressões de maneira correta certamente evitará erros na modalidade escrita

Para eu ou para mim? Saber utilizar essas expressões de maneira correta certamente evitará erros na modalidade escrita

Por: Luana Castro Alves Perez

Artigos relacionados

As vezes ou às vezes?

Com este artigo você vai aprender as diferenças entre as expressões “as vezes” e “às vezes”. Vamos lá?

Bastante ou bastantes?

Conheça os casos de concordância nominal realizados pelas palavras “bastante” e “bastantes”.

Concerto ou conserto?

Saiba quais são os usos das palavras homófonas heterográficas “concerto” e “concerto” e amplie seus conhecimentos linguísticos sobre esses vocábulos.

Desse ou deste?

Aprenda mais sobre as diferenças no uso de deste e de desse. Veja exemplos e pratique com exercícios.

Discorrendo acerca de alguns tropeços relativos à oralidade e à escrita

Atenha-se a alguns importantes pressupostos que a este assunto se relacionam!

Emprego e concordância de “mesmo” e “próprio”

Conheça o emprego e a concordância nominal das palavras “mesmo” e “próprio” e entenda o que esses termos podem expressar nos enunciados. Você já ouviu falar dos pronomes de reforço? Os pronomes “mesmo” e “próprio” podem exercer essa função para reforçar termos com os quais se relacionam nas orações. Saiba mais aqui.

Enfim ou em fim?

Saiba quando usar os termos “enfim” e “em fim”, expressões que podem gerar muitas dúvidas por causa da semelhança fonética.

Tão pouco ou tampouco?

Dica gramatical: afinal, qual forma está correta, tão pouco ou tampouco? Clique e confira a resposta para essa pergunta!

Verbos acompanhados de pronomes oblíquos

Ao clicar aqui, certifique-se de algumas delas!

Vinte dicas necessárias à competência linguística

Amplie ainda mais sua competência linguística, clicando e conferindo vinte dicas necessárias a tal habilidade!