José Saramago

José Saramago nasceu em 16 de novembro de 1922, na província do Ribatejo, em Portugal. Além de escritor, foi serralheiro mecânico, tradutor, se filiou ao Partido Comunista Português e participou do Movimento Unitário de Trabalhadores Intelectuais para a Defesa da Revolução (MUTI).

O escritor, que faleceu em 18 de junho de 2010, na Espanha, recebeu o Prêmio Nobel, em 1998, e escreveu obras caracterizadas pela presença de crítica social, política e religiosa. Além disso, o romancista faz um uso bastante peculiar das vírgulas, o que dá ao seu texto um caráter de originalidade.

Leia também: Luís Vaz de Camões – autor considerado o maior poeta da língua portuguesa

Biografia de José Saramago

José Saramago e sua esposa, Pilar del Río.[1]
José Saramago e sua esposa, Pilar del Río.[1]

José Saramago nasceu em 16 de novembro de 1922, na província do Ribatejo, em Portugal. De origem humilde — seus pais eram trabalhadores rurais —, Saramago, já em Lisboa, fez curso técnico em serralheria mecânica, profissão que exerceu a partir de 1940, mas que abandonou, em 1955, para trabalhar como tradutor.

De sua atuação política, são destaques:

  • a sua filiação, em 1969, ao Partido Comunista Português,
  • sua participação no Fundo de Apoio aos Organismos Juvenis (FAOJ), do Ministério da Educação, em 1974, e
  • no Movimento Unitário de Trabalhadores Intelectuais para a Defesa da Revolução (MUTI), em 1975.

Além de escrever livros e fazer traduções, o escritor trabalhou nos seguintes periódicos: Seara Nova, Diário de Lisboa e Diário de Notícias. Também atuou na Associação Portuguesa de Escritores, presidiu a Assembleia Geral da Sociedade Portuguesa de Autores, entre 1985 e 1994, filiou-se ao Parlamento Internacional de Escritores, em 1993, e foi presidente honorário da Sociedade Portuguesa de Autores, em 1994.

A consagração como escritor chegou em 1998, quando José Saramago ganhou o Prêmio Nobel de Literatura. Seu discurso, na cerimônia, foi dedicado a Pilar, sua esposa, com quem tinha se casado em 1988, e começa com uma referência ao seu avô materno: “O homem mais sábio que conheci em toda a minha vida não sabia ler nem escrever”.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Além do Nobel, José Saramago também recebeu:

  • Prêmio da Associação de Críticos Portugueses (1979);
  • Prêmio Cidade de Lisboa (1981);
  • Prêmio Pen Clube (1982 e 1985);
  • Prêmio Literário do Município de Lisboa (1982);
  • Prêmio da Crítica do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários (1984);
  • Prêmio da Crítica da Associação Portuguesa de Críticos Literários (1985);
  • Prêmio Dom Dinis (1986);
  • Prêmio Grinzane-Cavour (1987) — Itália;
  • Grande Prêmio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (1991);
  • Prêmio Internacional Ennio Flaiano (1992) — Itália;
  • Prêmio Brancatti (1992) — Itália;
  • Prêmio Literário Internacional Mondello (1992) — Itália;
  • Prêmio The Independent Foreign Fiction (1993) — Reino Unido;
  • Grande Prêmio de Teatro da Associação Portuguesa de Escritores (1993);
  • Prêmio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores (1993);
  • Prêmio Camões (1995);
  • Prêmio de Consagração de Carreira da Sociedade Portuguesa de Autores (1995);
  • Prêmio Rosalía de Castro (1996) — Espanha;
  • Prêmio Arcebispo Juan de San Clemente (1998) — Espanha;
  • Prêmio Europeu de Comunicação Jordi Xifra Heras (1998) — Espanha;
  • Prêmio Nacional de Narrativa Città di Pienne (1998) — Itália;
  • Prêmio Scanno da Universidade Gabriele d’Annunzio (1998) — Itália;
  • Prêmio Internacional de Narrativa Città di Penne-Mosca (1998) — Itália;
  • Prêmio Canárias Internacional (2001) — Espanha;
  • Prêmio Dolores Ibárruri (2006) — Espanha.

Em 1993, Saramago, um escritor ateu, decidiu sair de Portugal e morar na Espanha. Sua atitude era um protesto contra a censura do governo, que impediu que seu livro O evangelho segundo Jesus Cristo concorresse ao Prêmio Europeu de Literatura. Assim, o escritor viveu na Espanha até a sua morte, em 18 de junho de 2010.

Leia também: Fernando Pessoa – poeta português que explorou diversos heterônimos

Características literárias de José Saramago

As obras de José Saramago fazem parte da literatura contemporânea portuguesa e apresentam as seguintes características:

  • intertextualidade;
  • realismo social;
  • alegorias;
  • antropocentrismo;
  • visão humanista;
  • crítica sociopolítica;
  • anticlericalismo;
  • uso incomum de vírgulas;
  • valorização da linguagem oral;
  • análise do passado histórico;
  • traços de realismo mágico ou fantástico;
  • diálogo com a tradição da literatura portuguesa.

Obras de José Saramago

Capa do livro Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago, publicado pela editora Companhia das Letras.[2]
Capa do livro Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago, publicado pela editora Companhia das Letras.[2]
  • Terra do pecado (1947) — romance.
  • Os poemas possíveis (1966) — poesia.
  • Provavelmente alegria (1970) — poesia.
  • Deste mundo e do outro (1971) — crônicas.
  • A bagagem do viajante (1973) — crônicas.
  • O ano de 1993 (1975) — poesia.
  • Os apontamentos (1976) — crônicas.
  • Manual de pintura e caligrafia (1977) — romance.
  • Objeto quase (1978) — contos.
  • Poética dos cinco sentidos: o ouvido (1979) — crônicas.
  • Levantado do chão (1980) — romance.
  • Viagem a Portugal (1981) — literatura de viagem.
  • Memorial do convento (1982) — romance.
  • O ano da morte de Ricardo Reis (1984) — romance.
  • A jangada de pedra (1986) — romance.
  • História do cerco de Lisboa (1989) — romance.
  • O evangelho segundo Jesus Cristo (1991) — romance.
  • Cadernos de Lanzarote I (1994) — diário.
  • Cadernos de Lanzarote II (1995) — diário.
  • Ensaio sobre a cegueira (1995) — romance.
  • Cadernos de Lanzarote III (1996) — diário.
  • Moby Dick em Lisboa (1996) — crônicas.
  • Todos os nomes (1997) — romance.
  • O conto da ilha desconhecida (1997) — contos.
  • Cadernos de Lanzarote IV (1998) — diário.
  • Cadernos de Lanzarote V (1998) — diário.
  • Folhas políticas (1976-1998) — crônicas.
  • A caverna (2000) — romance.
  • A maior flor do mundo (2001) — infantojuvenil.
  • O homem duplicado (2002) — romance.
  • Ensaio sobre a lucidez (2004) — romance.
  • As intermitências da morte (2005) — romance.
  • As pequenas memórias (2006) — memórias.
  • A viagem do elefante (2008) — romance.
  • O caderno (2009) — diário.
  • O caderno 2 (2009) — diário.
  • Caim (2009) — romance.
  • Claraboia (2011) — romance.
  • O silêncio da água (2011) — infantojuvenil.
  • Alabardas, alabardas, espingardas, espingardas (2014) — romance.
  • O lagarto (2016) — infantojuvenil.
  • Último caderno de Lanzarote (2018) — diário.

Veja também: 5 melhores poemas de Florbela Espanca

Ensaio sobre a cegueira

No romance Ensaio sobre a cegueira, uma cegueira misteriosa começa a atingir os moradores de uma cidade. A primeira vítima é um homem que fica cego, de repente, enquanto seu carro está parado diante de um semáforo. Mais tarde, ele passa a ser chamado, pelo narrador, de o primeiro cego.

Quando vai ao oftalmologista, descreve sua cegueira como “uma cor branca uniforme”. Então, o médico acaba sendo contaminado e, em casa, de repente, fica cego. A partir daí, a epidemia se espalha, mas, misteriosamente, a mulher do médico, como é chamada pelo narrador, não é contaminada.

Cientes da epidemia de cegueira branca, as autoridades governamentais resolvem isolar os contaminados em um manicômio desocupado. O médico e sua esposa são os primeiros a serem transportados para lá. Apesar de enxergar, a mulher prefere fingir a cegueira para ficar ao lado de seu marido.

Ela tem a intenção de ajudar o marido e os outros cegos, mas pede para o médico não contar a ninguém que ela pode ver. Desse modo, ela é a única personagem que pode enxergar todo o horror que os cerca; pois, naquele meio, imperam o caos e a animalidade.

A sujeira toma conta do lugar, e o chão é coberto por “um contínuo tapete de excrementos mil vezes pisados”. Além disso, as pessoas presas ali deixam de lado os valores morais, de forma que o lugar se transforma em cenário de estupro e assassinato. E quando a epidemia se espalha para toda a cidade, a situação caótica é ampliada:

“[...], Chegou a altura de decidirmos o que devemos fazer, estou convencida de que toda a gente está cega, pelo menos comportavam-se como tal as pessoas que vi até agora, não há água, não há eletricidade, não há abastecimentos de nenhuma espécie, encontramo-nos no caos, o caos autêntico deve de ser isto, Haverá um governo, disse o primeiro cego, Não creio, mas, no caso de o haver, será um governo de cegos a quererem governar cegos, isto é, o nada a pretender organizar o nada, Então não há futuro, disse o velho da venda preta, Não sei se haverá futuro, do que agora se trata é de saber como poderemos viver neste presente, [...].”

Dessa forma, Ensaio sobre a cegueira tira da humanidade toda a sua casca de civilização para mostrar que, na verdade, somos todos animais, escravos de nossos instintos e do nosso egoísmo na luta pela sobrevivência e pela satisfação de nossos desejos. Assim, a obra nos faz pensar que essa realidade absurda — onde impera a vontade não só do mais forte, mas também do mais impiedoso — é, na verdade, o retrato do nosso cotidiano, ocultado por nossa confortável cegueira.

Frases de José Saramago

A seguir, vamos ler algumas frases de José Saramago, extraídas de seu romance Ensaio sobre a cegueira.

  • “Sem futuro, o presente não serve para nada, é como se não existisse.”
  • “Pode ser que a humanidade venha a conseguir viver sem olhos, mas então deixará de ser humanidade.”
  • “Não somos uns quantos milhares de homens e mulheres numa natureza imensa e intacta, mas milhares de milhões num mundo descarnado e exaurido.”
  • “Quando o corpo se nos desmanda de dor e angústia, então é que se vê o animalzinho que somos.”
  • “Perante a morte, o que se espera da natureza é que percam os rancores a força e o veneno.”
  • “É certo que se diz que o ódio velho não cansa.”
  • “Na morte a cegueira é igual para todos.”

Créditos das imagens

[1] JHC_photo / Shutterstock

[2] Companhia das Letras (reprodução)

Por: Warley Souza

Artigos relacionados

Fernando Pessoa

Conheça a vida e a obra de Fernando Pessoa: seus principais heterônimos e seus respectivos estilos literários, além de frases marcantes desse gênio plural.

Franz Kafka

Conheça o escritor modernista Franz Kafka. Saiba quais são as características de suas principais obras. Além disso, veja algumas frases desse autor.

Júlio Verne

Saiba quem foi Júlio Verne. Conheça os principais fatos de sua vida e um pouco de sua obra. Veja as características do estilo literário desse importante autor.

Luís Vaz de Camões

Conheça a vida e a obra de Luís Vaz de Camões: seus poemas épicos e líricos, além de frases marcantes desse que é o mais importante escritor de língua portuguesa.

Mário de Sá-Carneiro

O modernismo português: Clique e conheça a vida e a obra de Mário de Sá-Carneiro, um poeta modernista.

Victor Hugo

Conheça a vida e a obra do escritor francês Victor Hugo, além de frases impactantes desse autor que denunciou as injustiças sociais de seu tempo.

Émile Zola

Conheça a vida e obra de Émile Zola: fatos marcantes de sua biografia, seu estilo literário, livros publicados e frases impactantes de sua autoria.