As heresias medievais

Entre os séculos XII e XIII, o mundo medieval sofreu uma série de alterações que viriam a transformar de modo significativo o lugar a ser ocupado pela Igreja. Até a Alta Idade Média, o isolamento do meio rural oferecia grandes facilidades para que tal instituição religiosa se impusesse como a mais influente autoridade da época. Chegada a Baixa Idade Média, observamos que o reaquecimento das atividades comerciais e o desenvolvimento dos centros urbanos estabeleciam uma nova situação.

Nas cidades temos a formação de uma proeminente classe burguesa que abraçava valores e comportamentos que se distinguiam do discurso oficial cristão. Ao mesmo tempo, o contraste entre a vida luxuosa e desregrada de alguns clérigos e a situação de miséria de grande parte da população alimentava uma situação de distanciamento. Com o passar do tempo, alguns grupos e coletividades passaram a debater as atribuições da Igreja e o significado de uma vida regrada sob os moldes cristãos.

Foi nesse contexto que observamos o aparecimento das chamadas heresias medievais. O termo heresia, originário do grego, significa “escolher”. De tal modo, observamos que os movimentos heréticos de fato “escolhiam” a organização de concepções religiosas e visões de mundo que se diferiam do discurso há séculos reafirmado pela Igreja. Em alguns casos, algumas das heresias desse tempo chegavam ao ponto de abandonar a Igreja como intermediadora da relação entre Deus e os cristãos.

Em muitos casos, podemos perceber que alguns movimentos heréticos não surgiram de uma reflexão profunda sobre os textos cristãos ou do próprio dogma católico. Diversas heresias desse tempo adotaram o ascetismo e o desapego às coisas materiais como um modo de reafirmar, pela sacralização, a pobreza de várias pessoas que seguiam tais concepções. Vale lembrar que, na Idade Média, eram poucos aqueles que tinham condições de acessar o mundo letrado para debater questões de natureza teológica.

Por um lado, muitos compreendem que o aparecimento das heresias medievais serviu para desestabilizar a hegemonia constituída pela Igreja. Por outro, podemos ver que os movimentos heréticos tiveram grande importância para que a própria Igreja viesse a reavaliar o seu lugar enquanto instituição religiosa. Não por acaso, tais heresias contribuíram para que a Igreja tomasse ações de reforma e controle, nitidamente percebidas na criação das ordens mendicantes e do Tribunal da Santa Inquisição.

Aproveite para conferir a nossa videoaula sobre o assunto:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
As heresias medievais foram combatidas pelos representantes da Igreja.

As heresias medievais foram combatidas pelos representantes da Igreja.

Por: Rainer Sousa

Artigos relacionados

Apocalipse medieval

O quanto os medievais temiam a chegada do fim dos tempos.

Aspectos ritualísticos da excomunhão na Idade Média

A excomunhão era proferida pelo bispo de forma rigorosa, com vocabulário severo, para o excomungado.

Cavaleiros medievais

Veja aqui o processo de formação de um cavaleiro medieval, os rituais, as cerimônias e a dedicação do candidato a cavaleiro, que começava seu treinamento aos 7 anos de idade.

Cruzada albigense

Você sabe o que foi a Cruzada albigense? Clique aqui e saiba mais detalhes desse empreendimento militar convocado pela Igreja no século XIII.

Pedro Valdo e a heresia valdense

Conheça a heresia dos valdenses, surgida a partir das pregações de Pedro Valdo em Lyon, na França, no século XII.

Relíquias Medievais

História do Cristianismo e as relíquias que fazem referência a Jesus Cristo.