Anglicanismo, a Reforma Protestante inglesa

Com o Anglicanismo, a Inglaterra também aderiu ao protestantismo após o reinado de Henrique VIII.

A Reforma Protestante na Inglaterra conheceu um percurso histórico distinto dos processos verificados no continente europeu. A constituição do Anglicanismo, a doutrina protestante inglesa, não teve como eixo principal a crítica teológica aos dogmas e ações do clero católico. Os motivos que geraram o rompimento com o catolicismo na Inglaterra foram políticos, econômicos e também conjugais, sendo este último o que foi evocado para a ruptura.

O rei inglês Henrique VIII rompeu com a Igreja Católica em 1534, após o papa Clemente VI negar-se a aceitar o pedido de divórcio do monarca inglês. Henrique VIII era casado com Catarina de Aragão, nobre espanhola. A união dos dois tinha resultado em apenas uma filha, mulher, sendo que outras cinco crianças haviam morrido. Tal situação contrariava o desejo do monarca em fazer um sucessor seu do sexo masculino.

O rei queria o divórcio para casar-se com Ana Bolena, uma dama da corte inglesa, com quem Henrique VIII já vivia há algum tempo. Como o papa recusou-se a aceitar o divórcio, o monarca inglês conseguiu-o em um tribunal nacional. Frente a isso, Clemente VI excomungou Henrique VIII. Este, por sua vez, decidiu pelo afastamento em relação a Roma, levando o Parlamento inglês a promulgar o Ato de Supremacia, em 1534. Através desse diploma, o rei inglês tornava-se o líder supremo da Igreja da Inglaterra, denominada Igreja Anglicana, nomeando os ocupantes dos cargos eclesiásticos e decidindo sobre assuntos de ordem religiosa.

A ruptura com Roma era também política. Henrique VIII era um católico fervoroso, havia sido declarado Defensor da Fé pelo papa Leão X, em 1521. O rei era também defensor dos sacramentos da religião, inclusive do matrimônio – por incrível que pareça, como veremos mais à frente. Mas sua primeira esposa era parente de Carlos V, que no momento lutava contra os protestantes dentro do Sacro Império Romano-Germânico. Caso o papa Clemente VI aceitasse o divórcio, desagradaria um de seus principais aliados naquele momento. Com o Ato de Supremacia, por outro lado, o monarca inglês fortaleceria seu poder político na Inglaterra, tirando de cena a influência que exerciam os bispos situados em Roma.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

No aspecto econômico, o Ato de Supremacia possibilitou a Henrique VIII confiscar todos os bens da Igreja e destinar à realeza o dízimo que antes se direcionava para a instituição religiosa católica. Já a imensa quantidade de terras da qual a Igreja Católica era proprietária na ilha britânica foi vendida ou entregue a nobres, comerciantes e fazendeiros. Tal medida prestigiou o rei principalmente entre a gentry, a pequena aristocracia ligada às atividades mercantis.

Entretanto, apesar da ruptura com Roma, a Igreja Anglicana mantinha uma estrutura hierárquica administrativa semelhante à da Igreja Católica, colocando no mesmo patamar do papa, por exemplo, o monarca inglês. As mudanças de doutrina religiosa, por sua vez, seriam efetivadas apenas a partir do reinado do filho de Henrique VIII, Eduardo VI, que reinou entre 1549-1553. Foram reformulados os rituais cerimoniais e a doutrina sofreu influência do calvinismo.

Conjunto de selos ingleses retratando Henrique VIII e suas seis esposas
Conjunto de selos ingleses retratando Henrique VIII e suas seis esposas.*

Mas não houve no anglicanismo um desenvolvimento linear, já que existiram tentativas de aproximação ao catolicismo durante alguns reinados, o que acabou resultando na eclosão da Revolução Puritana, na década de 1640. A consolidação da Igreja Anglicana e da Reforma Protestante na Inglaterra ocorreria apenas no reinado de Elizabeth I (1558-1603), que, dentre outras medidas, adotou apenas os sacramentos do batismo e da comunhão, negando a transubstanciação, a presença do corpo e do sangue de Cristo na eucaristia.

Como foi afirmado acima, Henrique VIII era defensor dos sacramentos, incluindo o matrimônio. Entretanto, o monarca inglês casou-se seis vezes! Ele conseguiu ter um sucessor masculino ao trono apenas no terceiro casamento. Duas de suas esposas morreram decapitadas, Ana Bolena e Catarina de Howard, depois de julgadas traidoras do rei por atividades extraconjugais.

* Crédito da Imagem: Neftali e Shutterstok.com

 

Aproveite para conferir nossa videoaula relacionada ao assunto:

Gravura de Henrique VIII, rei inglês que rompeu com a Igreja Católica no século XVI

Gravura de Henrique VIII, rei inglês que rompeu com a Igreja Católica no século XVI

Por: Tales Pinto

Artigos relacionados

A doutrina da predestinação

Uma teoria religiosa formulada nos tempos da Reforma.

Calvinismo: o protestantismo de João Calvino

Conheça o calvinismo, seu fundador João Calvino e sua moral religiosa.

Concílio de Trento

Acesse o site e conheça mais sobre a história do Concílio de Trento. Entenda quais foram os objetivos desse concílio e quais foram as suas decisões para o catolicismo.

Contrarreforma Católica

A Contrarreforma pretendeu combater o protestantismo, que questionava o poder secular da Igreja Católica.

Guerra Civil e Reforma na Suíça

Conheça o processo da Reforma na Suíça e como as divergências doutrinárias resultaram em uma violenta Guerra Civil.

John Wyclif, precursor da Reforma Protestante

Saiba quem foi John Wyclif e qual sua influência sobre a Reforma Protestante.

Martinho Lutero

Conheça os principais aspectos da vida de Martinho Lutero, um dos grandes nomes da Reforma Protestante.

Reforma Luterana

Movimento no século XVI em que as práticas da Igreja foram questionadas.

Religião e Guerras Camponesas na Alemanha

Saiba como a religião serviu de motivo para as Guerras Camponesas na Alemanha, no século XVI.

Religião e política na Idade Moderna

Além do questionamento da doutrina religiosa, o protestantismo provocou uma ruptura política em vários Estados europeus durante a Idade Moderna.