Iris Rezende

Iris Rezende é conhecido por sua carreira como político em Goiás. Ao longo dela, ele foi vereador, deputado estadual, prefeito de Goiânia e governador de Goiás.

Iris Rezende teve uma carreira de expressão na política goiana, sendo eleito prefeito de Goiânia e governador de Goiás em diferentes ocasiões.[1]
Iris Rezende teve uma carreira de expressão na política goiana, sendo eleito prefeito de Goiânia e governador de Goiás em diferentes ocasiões.[1]

Iris Rezende foi um político de longa carreira no estado de Goiás. Originário de uma família de agricultores, Iris iniciou sua carreira política no final da década de 1950, tornando-se um dos grandes nomes da política daquele estado. Chegou a ser prefeito de Goiânia, governador de Goiás, e foi ministro nos governos de José Sarney e Fernando Henrique Cardoso.

Acesse também: Quando Goiânia foi fundada?

Resumo sobre Iris Rezende

  • Nasceu em Cristianópolis em 1933 e mudou-se para Goiânia em 1949.

  • Decidiu ingressar na política por conta de sua experiência no movimento estudantil.

  • Começou sua carreira sendo vereador de Goiânia e deputado estadual em Goiás.

  • Foi eleito prefeito em 1965, e teve seu mandato cassado pelos militares.

  • Aposentou-se da política no final de 2020 ao concluir seu mandato como prefeito de Goiânia.

Juventude de Iris Rezende

Iris Rezende Machado é originário de Cristianópolis, cidade do interior de Goiás, nascido no dia 22 de dezembro de 1933. Ele era originário de uma família humilde; seu pai se chamava Filostro Machado Carneiro, e sua mãe, Genoveva Resende Machado. Iris Rezende foi o segundo filho de um total de cinco que o casal teve. Seus irmãos eram Orlando, Jairo, Otoniel e Iracema.

Quando Iris nasceu, seu pai trabalhava fabricando tijolos e telhas, mas, com o tempo, ele juntou dinheiro suficiente para comprar terras e construir a própria fazenda. Surgia, assim, a Fazenda Canastra, onde Iris passou grande parte de sua infância e adolescência e onde ele trabalhou exaustivamente, pois, segundo ele mesmo relatou, sua rotina na fazenda começava ainda de madrugada.

Em 1949, seus pais decidiram mudar-se para Goiânia. Eles repetiram o movimento de milhões de brasileiros que, nesse período, abandonaram o campo para se estabelecer nas cidades. Em Goiânia, a família de Iris procurou investir em alguns negócios e na educação dos filhos. Por conta disso, a Fazenda Canastra foi vendida.

Em Goiânia, sua família comprou uma casa no bairro Campinas. Assim, ele deu início aos seus estudos, sendo matriculado em duas escolas: Escola Técnica de Goiânia e Colégio Liceu.

Acesse também: Plano Real, um marco na história recente do Brasil

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Carreira política de Iris Rezende

Iris Rezende entende que sua entrada na política tem relação com suas experiências no período escolar como líder de grêmio estudantil, papel que ele desempenhou nas duas escolas. Já nesse período ele demonstrava habilidade para questões relacionadas com a política. Dessa forma, conciliava os estudos com sua atuação como líder estudantil.

Com essa experiência, Iris Rezende chegou a viajar para outras cidades de Goiás e do Brasil, e a vivência adquirida o convenceu de que sua vocação era a política. Sua família desejava que ele estudasse Medicina, mas ele optou por Direito por entender que esse curso lhe daria mais bagagem em sua formação como político.

A adesão de Iris Rezende à carreira política aconteceu no final da década de 1960, quando ele concorreu ao cargo de vereador de Goiânia. A disputa por esse cargo marcou o início da carreira ascendente do jovem político goiano. Ele foi eleito vereador e o candidato mais votado na ocasião. Foi vereador de 1959 a 1962, e presidiu a Câmara Municipal entre 1960 e 1961.

Em 1962, Iris decidiu dar um salto na sua carreira e candidatou-se ao cargo de deputado estadual. Ele foi eleito e, novamente, alcançou o feito de ser o candidato mais votado da disputa. Em 1963, ele assumiu como deputado estadual e permaneceu na função até 1965. Nesse período, chegou a ocupar a função de presidente da Assembleia Legislativa.

Em 1965, decidiu disputar a prefeitura de Goiânia, e sua candidatura tinha recebido apoio do ex-governador de Goiás Mauro Borges. O apoio do ex-governador se deu porque Iris rejeitou uma investida dos militares de se aliar a eles para tramar a derrubada do governo de Goiás. Iris desejava ser prefeito de Goiânia havia alguns anos, mas suas chances só se tornaram reais quando ele conquistou o apoio de Mauro Borges.

Iris Rezende enfrentou o candidato apoiado por Humberto Castello Branco, militar que assumiu a presidência depois do Golpe Civil-Militar de 1964. Seu adversário era Juca Ludovico, primo do ex-governador Mauro Borges. O resultado dessa eleição foi uma nova vitória para Iris Rezende, que derrotou seu adversário com quase 30 mil votos.

Na prefeitura, a grande marca da gestão de Iris Rezende foram os mutirões para a construção de casas populares. Essa estratégia de manter-se próximo das camadas populares trouxe prestígio para a sua gestão ao mesmo tempo que chamou a atenção dos militares. Iris foi convidado a filiar-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), o partido dos militares durante o período da ditadura, mas o político goiano não aceitou o convite.

Sua popularidade e sua negativa em filiar-se ao Arena resultaram na cassação dos direitos políticos do goiano. Ele foi destituído do cargo de prefeito, e seus direitos políticos foram suspensos por 10 anos. Essa era uma prática comum do período da Ditadura Militar. Para o lugar de Iris, foi indicado Leonino Di Ramos Caiado.

Acesse também: Césio-137, o acidente radiológico que marcou Goiânia

Carreira política no pós-ditadura

Iris Rezende permaneceu afastado da política por 10 anos, e retornou para a vida pública depois que seus direitos políticos foram restaurados, em 1979. Iris Rezende foi uma figura importante na política de Goiás nos anos finais da Ditadura Militar. Filiou-se então ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

Durante o seu período como governador, ele apoiou a campanha das Diretas Já, que exigia o retorno do voto direto na eleição presidencial, e apoiou a candidatura do político mineiro Tancredo Neves à presidência. Ele chegou a discursar em um dos comícios das Diretas Já. Com o fim da ditadura, em 1985, Iris teve atuação em cargos de projeção nacional.

Foi ministro da Agricultura entre 1986 e 1990, durante o governo de José Sarney, e foi ministro da Justiça entre 1997 e 1998, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Paralelamente a esses cargos, Iris continuou como uma figura influente na política goiana e foi eleito governador de Goiás pela segunda vez, em 1990. Esteve no exercício dessa função entre 1991 e 1994.

Em 1994, foi eleito senador por Goiás com uma votação expressiva. Em 1998 e 2002, sofreu duas derrotas políticas, pois não conseguiu eleger-se para os cargos de governador e senador, respectivamente. Os últimos anos da sua carreira política tiveram mais projeção a nível municipal. Ele foi eleito prefeito de Goiânia em 2004, reeleito em 2008 e eleito para um novo mandato em 2016.

Em 2020, decidiu não se reeleger prefeito de Goiânia e aposentou-se da política aos 87 anos. Do ponto de vista pessoal, Iris casou-se com Iris Araújo e, juntos, tiveram três filhos: Cristiano, Ana Paula e Adriana.

Créditos da imagem

[1] Reprodução Instagram Prefeitura de Goiânia

Por: Daniel Neves Silva

Artigos relacionados

Fernando Henrique Cardoso

Acesse o site e acompanhe as origens de Fernando Henrique Cardoso e sua formação intelectual. Conheça mais sobre sua carreira política e sua atuação fora do poder.

Fundação de Goiânia

Conheça o processo que resultou na fundação de Goiânia no contexto da Revolução de 1930.

Golpe civil-militar de 1964

Acesse este texto para saber mais detalhes do golpe civil-militar que aconteceu no Brasil em 1964. Entenda o contexto que levou a esse acontecimento.

O governo Sarney

O governo de José Sarney foi o primeiro após a ditadura militar. Confira!

Tancredo Neves

Acesse o site e acompanhe a trajetória política de Tancredo Neves. Veja a atuação dele no movimento das Diretas Já e sua eleição presidencial.