Economia cafeeira na República Oligárquica

A República Oligárquica representou o controle do aparelho de Estado pela oligarquia rural, principalmente os cafeicultores do sudeste brasileiro. Com a autonomia concedida aos governadores, através da política dos governadores e outros mecanismos de poder, estes cafeicultores puderam utilizar a estrutura política do Estado para criar as condições necessárias ao desenvolvimento da economia cafeeira.

Após os dois primeiros governos militares da República – Deodoro da Fonseca (1889-1891) e Floriano Peixoto (1891-1894), os grandes fazendeiros paulistas e mineiros puderam realizar durante a presidência de Prudente de Morais a transição para os governos civis. O principal desafio a ser enfrentado pelos governos subsequentes era estabilizar a economia e manter a lucratividade da produção cafeeira brasileira.

A crise econômica tinha origens nos primeiros governos da República, ocasionando inflação e um aumento da dívida externa com os credores internacionais. Para enfrentar esta situação, o governo Campos Salles (1898-1902) conseguiu realizar um acordo com os banqueiros internacionais, conhecido como funding loan. Através dele o governo brasileiro refinanciava a dívida externa através de novos empréstimos. Em troca se comprometia a combater a inflação, a penhorar receitas alfandegárias do Rio de Janeiro, da Estrada de Ferro Central do Brasil e do abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro.

Os governos brasileiros conseguiram conter a inflação durante um período e estabilizar a economia, mas isto à custa da eliminação de parte do papel-moeda, o mil-réis, além de criar taxas cambiais que valorizavam a moeda frente à libra esterlina, moeda britânica que servia como referência de valor no mercado monetário internacional. O resultado no longo prazo foi a diminuição de moeda corrente no país, o que impedia as pessoas, principalmente os grupos sociais mais pobres, de adquirirem produtos no mercado interno. Já a moeda valorizada no mercado externo facilitava a importação de produtos, diminuindo o interesse nos investimentos produtivos. Tal situação diminuía os postos de trabalho fora da economia cafeeira, criando um círculo vicioso prejudicial à população pobre do país.

Porém, os preços do café no mercado internacional também estavam caindo. Para evitar essa situação, os governadores de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, os estados produtores de café, reuniram-se na cidade paulista de Taubaté, em 1906, para encontrar uma solução. Decidiram que os três estados passariam a comprar a totalidade da produção de café a um preço fixado com antecedência, criando estoques do produto e controlando os preços através da venda de acordo com a demanda. Esse acordo, que valorizava o café no mercado internacional, ficou conhecido como Convênio de Taubaté.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Essa política de valorização do principal produto econômico brasileiro durante a República Oligárquica, que respondia por 70% das receitas cambiais do país, teve sucesso no início, mas criou problemas de difícil solução posteriormente. Para manter a compra da produção, os governos precisavam realizar constantes empréstimos em bancos estrangeiros, o que aumentava a dívida pública.

Como a compra era garantida, os fazendeiros estimulavam o aumento da produção com a expansão da área cultivada e a utilização da força de trabalho barata dos emigrantes. Por muitas vezes, o governo se viu obrigado a eliminar o café para que o mercado não ficasse saturado e, assim, seus preços caíssem. Dessa forma, o Estado arcava com os prejuízos para garantir o lucro privado dos fazendeiros, criando uma situação contraditória: mantinha a ordem econômica e política da oligarquia, ao mesmo tempo em que enfraquecia o instrumento de manutenção desta ordem, o Estado.

Apesar de ser o maior produtor mundial de café, o Brasil não era o único. Com os altos preços, mais países passaram a produzir, fazendo o preço do café cair. Essa situação levou a proposta do Convênio de Taubaté ao fracasso, e o Estado brasileiro, ao endividamento. A dependência dos preços do mercado mundial, estipulados pela Bolsa de Nova Iorque, cobraria sua fatura em 1929. A Crise de 1929 derrubaria drasticamente o preço do produto, causando uma quebradeira generalizada entre os cafeicultores e atingindo profundamente a economia do país. Com esse fato, tinha fim a República Oligárquica no Brasil.

Aproveite para conferir a nossa videoaula relacionada ao assunto:

A economia cafeeira proporcionou o enriquecimento dos latifundiários e a formação de fazendas como a da foto acima

A economia cafeeira proporcionou o enriquecimento dos latifundiários e a formação de fazendas como a da foto acima

Por: Tales Pinto

Artigos relacionados

Constituição de 1891

Acesse este texto e saiba detalhes importantes a respeito da Constituição de 1891. Entenda o contexto de sua produção, e veja as principais mudanças nela.

Governo Washington Luís (1926-1930)

Saiba mais sobre o governo de Washington Luís, o último dos presidentes da política do café com leite.

Governo de Afonso Pena (1906-1909)

Saiba mais sobre o governo de Afonso Pena e os fatos ocorridos neste período, como o Convênio de Taubaté.

Industrialização do Brasil na República Oligárquica

Em paralelo à economia cafeeira, a industrialização na República Oligárquica alterou profundamente a sociedade brasileira, gerando as crises de 1920.

Mecanismos do poder oligárquico no Brasil

Saiba como as elites agrárias garantiram seu poder oligárquico no Brasil.

Política de Salvação de Hermes da Fonseca

Saiba mais sobre o mandato de Hermes da Fonseca e como sua Política de Salvação lhe rendeu alguns intensos conflitos.

Política do café com leite

Saiba o que foi a Política do café com leite e por que é importante entendê-la para compreender a organização política e econômica da República Velha.

Regência republicana de Delfim Moreira

Saiba por que o mandato de Delfim Moreira ficou conhecido como regência republicana.

Revolta dos 18 do Forte

Saiba mais sobre a Revolta dos 18 do Forte, ocorrida em 1922, no Forte de Copacabana, Rio de Janeiro.