Vírus de animais


A origem dos vírus na escala evolutiva ainda não é bem conhecida, porém sabe-se que esses microorganismos, um pequeno aglomerado de moléculas e macromoléculas, somente conseguem se reproduzir no interior de uma célula viva. Sendo essa a principal consideração, tendo em vista a provável co-evolução destes com os animais, necessitando assim de células mais evoluídas para se multiplicarem.

Dessa maneira, esses diminutos seres, respondem às alterações do meio ambiente, se adequando ao modo de vida do ser humano e demais formas de vida.

Os vírus de animais podem ser classificados conforme a informação genética que possuem (o ácido nucléico), sendo a grande maioria consistindo de uma ou mais cadeias simples de RNA, e os demais com cadeias em dupla hélice formando um DNA, ambos restritos ou não em envelopes protéicos.

Com tamanho variando entre 20 a 200nm, de acordo com as proteínas existentes, os vírus podem apresentar formatos esféricos, poligonais ou de bastões filamentosos.

Geralmente, ao infectar as células animais, os vírus penetram tanto com seu ácido nucléico quanto com sua cápsula. Caso seja do tipo envelopado, os receptores deste envoltório se combinam aos também existentes na membrana celular, fundindo o envelope à bicamada lipoprotéica da célula, inserindo a cápsula viral, liberando DNA ou RNA no interior do hospedeiro.
 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O mecanismo de ação viral pode se manifestar da seguinte forma:

- Quando o material genético for o DNA.

O DNA viral passa por uma transcrição, sintetizando várias moléculas de RNA traduzidas em uma proteína.

Exemplos: Vírus da varíola, hepatite e herpes

- Quando o material genético for o RNA, a ação viral pode ocorrer por duas vias de acordo com o vírus.

Na primeira, os vírus de RNA sintetizam mais RNAs traduzidos em proteínas;
Exemplo: vírus da gripe, poliomielite e raiva

No segundo, o RNA é convertido em DNA por meio de uma enzima denominada transcriptase reversa. A partir desse ácido nucléico mais complexo, incorporado ao material genético da célula parasitada, são produzidos vários RNAs traduzidos em proteínas que atuam no controle metabólico do hospedeiro.
Exemplo: vírus da AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida - SIDA).

A estrutura viral: Envelope protéico, cápsula e ácido nucléico.

A estrutura viral: Envelope protéico, cápsula e ácido nucléico.

Por: Krukemberghe Fonseca

Artigos relacionados

Aids, catapora, caxumba, dengue, ebola e febre amarela

Confira a forma de contaminação e sintomas da aids, catapora, caxumba, dengue, ebola e febre amarela.

Ebola

Conheça mais sobre o ebola, uma doença que frequentemente provoca surtos na África. Descubra seus sintomas, formas de transmissão e tratamento clicando aqui.

Gripe, hepatite, herpes e poliomielite

Clique aqui e conheça as formas de contaminação das seguintes doenças virais: gripe, hepatite, herpes e poliomielite. Veja também como evitá-las.

Multiplicação dos vírus

Entenda como ocorre a multiplicação dos vírus no interior das células dos seres vivos.

Organismos unicelulares e multicelulares

Descubra a diferença entre organismos unicelulares e multicelulares!

Raiva, rubéola, sarampo e varíola

Você sabe quais são os sintomas e como podemos evitar doenças virais como raiva, rubéola, sarampo e varíola? Clique aqui e confira!

Rubéola

Saiba mais sobre a rubéola, uma doença viral que pode ser prevenida por meio de vacinação.

Vírus de plantas

Vírus de plantas, Material genético, Molécula de RNA, Envelope lipoprotéico, Membrana plasmática, Célula hospedeira, Mosaico do tabaco, Wendel Stanley, Manchas foliares, Microscopia eletrônica, Transmissão virótica, Difusão mecânica.

Vírus são seres vivos ou não vivos?

Você já se perguntou se os vírus são seres vivos ou não vivos? Clique aqui e entenda um pouco mais sobre essa difícil questão que ainda divide e intriga o mundo científico. Esses organismos apresentam características bastante peculiares, que estão relacionadas com a estrutura e a reprodução.