Hepatites

Inflamações no fígado são denominadas hepatites. Estas são causadas por infecções, abuso do álcool e outras drogas, doenças autoimunes ou hereditárias, dentre outros. Quanto às hepatites virais, estas têm como sintomas iniciais febre, dores articulares e de cabeça, náuseas e fraqueza. A pele e os olhos apresentam-se amarelados, urina escura e as fezes, esbranquiçadas.

Outras características variam de acordo com o agente etiológico:

- Hepatite A: a contaminação de dá pela ingestão de água ou alimentos contendo o vírus, anteriormente eliminado por indivíduo doente. Nesta doença, os sintomas surgem na maioria das vezes quando o vírus já está desaparecendo das fezes, indicando o fim de sua fase de maior transmissibilidade. Ao contrário de outras hepatites, não há riscos de se tornar crônica. Não há tratamento específico. Saneamento básico e medidas de higiene são as principais formas de prevenção.

- Hepatite B: transmitida pelo contato sexual desprotegido, compartilhamento de agulhas ou outros materiais perfurocortantes; e durante o parto, pela mãe contaminada. Pode ser fulminante, levando à morte; ou se tornar crônica, em mais de 5% dos casos, podendo evoluir para cirrose, ou mesmo câncer de fígado. Pode se apresentar assintomática por muitos anos, sendo descoberta apenas por exames de rotina ou, quando sintomas surgem, podem ser confundidos com os da hepatite A.

- Hepatite C: o contágio se dá pelas mesmas formas que da hepatite B, sendo que as chances de mãe contaminar o filho, ao nascer, são consideravelmente menores. Assim como a hepatite B, pode permanecer “silenciosa” por muito tempo, e se tornar crônica, em 80% dos pacientes, sendo que 20% destes poderão desenvolver cirrose e/ou câncer de fígado.

- Hepatite D: atua em conjunto com a hepatite B, já que só consegue se multiplicar com o auxílio deste vírus. Assim, as duas apresentam as mesmas formas de transmissão.

- Hepatite E: a forma de contágio é semelhante à da hepatite A, sendo que em gestantes pode provocar formas mais graves, com chances de desencadear na morte da mãe e/ou bebê. Em razão deste fato, fazer o pré-natal é imprescindível.

O diagnóstico para esta doença é feito pelo exame clínico e de sangue, sendo necessária, em alguns casos, a biópsia do material hepático. Exceto para a hepatite C, não existem tratamentos específicos. No caso desta, o enfoque é dado na prevenção da evolução da forma crônica da doença. Para todos os casos, repouso, dieta balanceada e, quando necessário, remédio para dor e febre; são requeridos. Existe vacina para a hepatite A e B.

Observação: é indicado que, mesmo após a cura, não se faça a ingestão de bebidas alcoólicas, por intervalo mínimo de seis meses.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Icterícia: sintoma típico das hepatites.

Icterícia: sintoma típico das hepatites.

Por: Mariana Araguaia

Artigos relacionados

Fígado

Entenda melhor a estrutura do fígado e conheça algumas das principais funções desse importante órgão do corpo humano.

Gripe, hepatite, herpes e poliomielite

Clique aqui e conheça as formas de contaminação das seguintes doenças virais: gripe, hepatite, herpes e poliomielite. Veja também como evitá-las.

Hepatite A

Saiba mais sobre a hepatite A, seus sintomas, formas de transmissão, prevenção e tratamento.

Hepatite B

Conheça aspectos interessantes da hepatite B, uma doença viral sexualmente transmissível.

Hepatite C

Saiba mais sobre a hepatite C, uma doença viral que pode afetar gravemente o fígado.

Icterícia

Entenda o que é a icterícia e saiba o que causa essa manifestação clínica muito comum em bebês.