Religiosidade no Antigo Egito

O pensamento religioso egípcio pode ser destacado pela sua riqueza e capacidade de diálogo com outras demais instâncias da cultura do antigo povo egípcio. De forma geral, os elementos da natureza eram considerados deuses e, ao mesmo tempo, observamos que boa parte dos deuses tinha o controle ou relação de poder com alguns desses elementos naturais.

A variedade de divindades observadas na vida religiosa egípcia, não consolidou algum tipo de sistema de crenças praticado por todo o povo egípcio. Sua própria configuração social descentralizada, que primeiramente organizou a sociedade egípcia em nomos, pode ser uma possível explicação para a diversidade de deuses e divindades encontradas nessa civilização. Um dos poucos traços de unidade do pensamento religioso egípcio pode ser constatado quando colocamos em evidência o caráter divino que o faraó possuía.

Além de politeísta, a religião egípcia também propagou a crença em deuses que possuíam traços humanos e animais. Esse tipo de divindade é também conhecido como antropozoomórfica. Mesmo não possuindo um tipo de religião única ou padronizada, o regime monoteísta foi certa vez experimentado na história do Egito Antigo. No reinado de Amenófis IV, tentou-se criar uma religião monoteísta voltada à adoração do deus Aton, que representava o círculo solar. Mesmo criando a reforma religiosa em um período de forte ascensão do poder faraônico, o regime monoteísta não foi adotado pela população.

Outro aspecto central do pensamento religioso egípcio envolvia a questão da vida após a morte. Crentes de que o morto se lançava em uma nova existência, o indivíduo poderia ter acesso às mesmas regalias que desfrutava em vida. Para isso, deveria ser submetido ao julgamento de Osíris, o deus dos mortos. Tomando as orientações do Livro dos Mortos, ele seria julgado mediante suas atitudes e erros cometidos durante sua existência terrena.

Nesse processo, Osíris colocava o coração do morto em uma balança. Caso esse não fosse muito pesado, o mesmo poderia ter acesso à Duat, o reino subterrâneo dos mortos. Além disso, os variados processos de mumificação se relacionam com o desenvolvimento da medicina egípcia, que já naquela época realizava diversos tipos de intervenção cirúrgica.

A religião egípcia era um valor de forte presença em outros aspectos de sua cultura. As pirâmides e esfinges simbolizavam a supremacia de um faraó morto ou a grandiosidade de um determinado deus. Muitas das manifestações artísticas do povo egípcio, como a escultura e a pintura, também eram voltadas para a temática religiosa.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Aproveite para conferir as nossas videoaulas relacionadas ao assunto:

A entrada do Templo de Ramsés II: os faraós junto aos deuses.

A entrada do Templo de Ramsés II: os faraós junto aos deuses.

Por: Rainer Sousa

Artigos relacionados

Apolo

Acesse o texto para saber quem foi Apolo. Veja as principais histórias que envolvem esse deus grego conhecido como deus do Sol.

Egito

Características, dados e informações geográficas sobre o Egito.

Mistérios das pirâmides egípcias

Veja aqui suposições e especulações sobre os mistérios das construções das pirâmides egípcias.

O Antigo Império Egípcio

O Antigo Império Egípcio foi essencialmente teocrático e delegou ao faraó poderes divinos absolutos.

O Dedo do Cairo

O "Dedo do Cairo" pode ser a mais antiga prótese já construída pelo homem.

Religião no Egito Antigo

Conheça algumas características da religião existente no Egito Antigo, como a crença na vida após a morte que tinha grande influência em seu cotidiano.