Exoplanetas

Exoplanetas são os planetas que se encontram fora do Sistema Solar. Eles são descobertos por meio de técnicas avançadas de imagem que são capturadas pelas lentes de grandes satélites e telescópios.

A busca por exoplanetas tem recebido bastante atenção de pesquisadores do mundo todo que são motivados a entender mais sobre a origem e a evolução de planetas parecidos com a Terra.

Veja também: 5 grandes marcos da Astronomia

Quantos exoplanetas são conhecidos?

O número de exoplanetas descobertos aumenta a cada dia, no entanto, além da observação, é necessário que alguns critérios sejam atendidos para que a descoberta seja validada, confirmando-se assim que o que fora observado trata-se de um exoplaneta. Para tanto, são realizados diversos experimentos destinados a determinar:

  • massa,
  • aceleração gravitacional,
  • órbita,
  • até mesmo a temperatura do planeta.

Até meados de 2020, a Agência Espacial Norte-Americana já havia confirmado a existência de mais de 4280 exoplanetas. Além desse número, há, pelo menos, outros 5500 candidatos a exoplanetas, que carecem de confirmação experimental.

Exoplanetas existem em diferentes formas, alguns deles, inclusive, são bastante parecidos com a Terra.
Exoplanetas existem em diferentes formas, alguns deles, inclusive, são bastante parecidos com a Terra.

Como os exoplanetas são descobertos?

Os planetas não têm luz própria como as estrelas, por esse motivo é muito mais difícil detectar um planeta do que detectar uma estrela. A forma mais “simples” de se detectar um exoplaneta é baseada em focalizar-se a atenção a um minúsculo ponto do céu e esperar que se detecte uma variação considerável no brilho de alguma estrela presente na imagem. Essa diminuição de brilho carrega consigo uma vasta quantidade de informações:

  • É provável que tal variação de luminosidade tenha sido produzida por um planeta que passou na frente daquela estrela,
  • Por meio de cálculos e com base nas observações astronômicas, os cientistas podem estimar a distância entre o planeta e a estrela, bem como o diâmetro do planeta e até mesmo a composição de sua atmosfera, caso haja uma.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Outro método, um pouco menos popular, consiste em detectar a variação da frequência de ondas eletromagnéticas que é emitida pela estrela. Essa variação surge por conta do efeito Doppler. A “vibração” da estrela, por sua vez, surge graças à força gravitacional entre planetas massivos e suas respectivas estrelas (esse método não é muito eficiente para planetas de massas pequenas, como a Terra).

Por fim, o método de detecção de exoplanetas menos popular de todos, mas igualmente importante, é conhecido como microlente gravitacional. Para que esse método possa funcionar, é importante que a luz emitida por uma estrela seja refratada pela curvatura espacial, produzida por uma outra estrela de grande massa. Quando um exoplaneta move-se entre essas estrelas massivas, uma “lente” faz com que a observação do astro fique muito mais simples, por conta da ampliação da imagem produzida pela lente gravitacional.

Veja também: O que é espectro solar?

Qual é o exoplaneta mais próximo da Terra?

A maior parte dos exoplanetas que já foram descobertos até hoje encontram-se em grandes distâncias da Terra, entretanto, o exoplaneta mais próximo de nós, encontra-se em órbita da estrela mais próxima do Sol, conhecida como Proxima Centauri. O exoplaneta de mesmo nome (Proxima Centauri B) está a uma distância de aproximadamente 32,6 anos-luz. Isso indica que, ao observarmos esse exoplaneta daqui da Terra, estaremos vendo uma imagem do planeta de 32,6 anos atrás.

Existe vida em algum exoplaneta?

A busca por novos mundos é fascinante em todos os sentidos, entretanto, esse não é o principal objetivo dos pesquisadores que buscam pela existência dos exoplanetas, uma vez que não dispomos de uma tecnologia que seja capaz de indicar a existência de vida em um exoplaneta nos dias de hoje.

Apesar de não termos como afirmar se um exoplaneta abriga vida, é possível inferir se é provável haver vida graças a alguns parâmetros, como a distância com relação à estrela que orbita, o diâmetro do planeta, sua massa etc.

Por: Rafael Helerbrock

Artigos relacionados

Astronomia

Gosta de astronomia e quer saber mais sobre o assunto? Acesse e confira o que ela estuda e o que é preciso para ser um astrônomo.

Cinco grandes marcos da Astronomia

Desde a Antiguidade, a humanidade observa o céu noturno em busca de respostas. Ao perceberem padrões nos movimentos dos astros, as civilizações antigas puderam predizer quais seriam as melhores épocas de colheita, plantio, bem como a chegada das estações do ano. Conheça aqui alguns dos marcos mais importantes da Astronomia!

Ondas gravitacionais

Quando corpos de grandes massas, como estrelas anãs brancas, estrelas de nêutrons ou prótons, orbitam entre si, formando sistemas binários, ou quando buracos negros colidem-se, surgem as ondas gravitacionais. Conheça o que são essas ondas que deformam o espaço-tempo e que podem ser detectadas a grandes distâncias.

Raios cósmicos

Aprenda o que são os raios cósmicos, de onde surgem, como são detectados e qual o seu efeito sobre nós!

Estrelas de nêutrons

Aprenda mais sobre a formação e o comportamento de uma classe de estrelas muito curiosa: as estrelas de nêutrons.