Zebra

Zebra é o nome dado a três diferentes espécies. Apesar de apresentarem algumas diferenças, todas espécies de zebras possuem corpo com listras brancas e pretas.

A zebra-das-planícies é a espécie que apresenta a maior distribuição geográfica.
A zebra-das-planícies é a espécie que apresenta a maior distribuição geográfica.

Zebra é o nome dado a três espécies distintas de mamíferos pertencentes ao gênero Equus, mesmo gênero do cavalo. Esses animais são encontrados na África e destacam-se pela presença de listras pelo seu corpo. A importância da listra para as zebras ainda é motivo de discussão entre os especialistas.

Leia mais: Lobo-guará — mamífero que vive na América do Sul e é considerado o maior canídeo dessa região

Resumo sobre zebras

  • O nome zebra é utilizado para se referir a três espécies diferentes de mamíferos do gênero Equus.

  • Zebras são animais herbívoros que se alimentam, principalmente, de gramíneas.

  • As zebras são animais que apresentam um característico padrão de pelagem com listras pretas e brancas.

  • Diferentes hipóteses tentam explicar a importância das listras para esses animais.

Características gerais das zebras

As zebras são animais quadrúpedes muito semelhantes aos cavalos, possuindo cascos, cabeças grandes e longas, crina, cauda, e olhos localizados lateralmente na cabeça. Os olhos voltados para o lado são uma característica típica de presas, ou seja, animais que são caçados por outros animais. Os olhos nessa posição auxiliam o animal a fugir de predadores, pois permitem maior campo de visão, auxiliando-o a ver melhor o que o rodeia.

Uma das características mais marcantes das zebras são suas listras pretas e brancas. O padrão de listras de cada zebra é único e funciona como uma espécie de impressão digital, permitindo a identificação dos indivíduos. As características das listras também ajudam a diferenciar as três espécies de zebras existentes. Nas zebras-das-planícies, por exemplo, as listras se estendem até a sua barriga, na qual se encontram, uma característica não observada nas outras espécies. As zebras-das-montanhas e as zebras-de-grevy se destacam por possuírem listras mais finas do que as das zebras-das-planícies.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A expectativa de vida de uma zebra, em ambiente selvagem, é de cerca de 20 anos. Em cativeiro, elas podem viver 40 anos. Isso se deve ao fato de que, em cativeiro, esses animais não precisam se preocupar, por exemplo, com a falta de recursos e também com predadores, como leões, crocodilos e hienas.

Zebra-de-grevy na natureza
A zebra-de-grevy é considerada um animal vagamente social.

As zebras são animais que vivem em grupos. Os grupos familiares, geralmente, são compostos por um macho, algumas fêmeas e seus filhotes. Há também grupos de solteiros, geralmente, formados por machos jovens. No caso das zebras-das-planícies, o grupo de solteiros é formado, normalmente, por jovens, mas também apresentam machos mais velhos que não fazem mais parte de uma unidade familiar. Vale destacar que as zebras-de-grevy, diferentemente das outras espécies, não possuem grupos com estrutura social concreta, sendo consideradas animais vagamente sociais.

Assim como outras espécies do gênero Equus, as zebras apresentam grande capacidade de comunicação. Esses animais podem se comunicar pela emissão de sons, e também podem usar de pistas visuais, como o movimento das orelhas e o mostrar dos dentes.

Leia mais: Animais ameaçados de extinção — na maioria das vezes, a ação humana exerce papel importante no processo

A importância das listras das zebras

Muitos pesquisadores tentam compreender a importância das listras para a sobrevivência das zebras. A hipótese mais conhecida se refere à camuflagem. De acordo com essa ideia, quando várias zebras estão juntas, as listras podem ajudar a confundir o predador. Além disso, podem ajudar o animal a se camuflar em regiões de vegetação mais alta.

Outra hipótese diz respeito à proteção contra insetos. Pesquisas mostram que moscas tendem a evitar superfícies listradas, o que garante uma grande vantagem para a zebra. Outra hipótese existente relaciona as listras à termorregulação. Enquanto as listras pretas absorvem calor e aquecem o animal pela manhã, as brancas refletem a luz e ajudam a refrescá-lo nas horas quentes.

Espécies de zebras

Diferentemente do que muitos pensam, o termo zebra não é utilizado para uma única espécie. Atualmente, três espécies distintas recebem essa denominação: Equus quagga (zebra-das-planícies), Equus grevyi (zebra-de-grevy) e Equus zebra (zebra-das-montanhas).

  • Zebra-das-planícies: é considerada a zebra com maior distribuição geográfica, vivendo em praticamente todos os habitat africanos. Mudanças na vegetação e qualidade do habitat fazem com que as zebras-das-planícies migrem em busca de áreas com maior quantidade de recursos.

    A zebra-das-planícies diferencia-se das outras espécies de zebras por possuir listras mais largas. Essas listras se tornam mais largas e mais horizontais em direção à parte traseira e aos flancos do animal. Além dessas características, na zebra-das-planícies, as listras se encontram na barriga. De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), essa espécie se encontra “quase ameaçada”.

  • Zebra-de-grevy: é encontrada na Etiópia e no Quênia. Vive em regiões áridas e semiáridas onde pode ter acesso permanente à água. Suas listras são estreitas e sua barriga é completamente branca. Essa espécie se destaca por não ter uma estrutura social concreta, com a composição do grupo podendo variar diariamente. De acordo com a IUCN, essa espécie se encontra “ameaçada”.

 Zebra-das-montanhas na natureza
A zebra-das-montanhas vive em áreas montanhosas e é boa escaladora.
  • Zebra-das-montanhas: é encontrada em áreas montanhosas e é boa escaladora. Ela pode ser observada em regiões até 2000 metros acima do nível do mar, entretanto, no inverno, costuma se mover para regiões mais baixas. Destaca-se por ter cor de fundo de corpo branca e listras pretas a marrons que continuam ao longo da crina. Na cabeça e no corpo, as listras são mais estreitas do que na garupa. De acordo com a IUCN, essa espécie se encontra classificada como “vulnerável”.

Leia também: Lista vermelha de espécies ameaçadas da IUCN

Alimentação das zebras

As zebras são animais herbívoros, ou seja, possuem uma alimentação baseada na ingestão de vegetais. Esses animais se alimentam principalmente de gramíneas, entretanto, podem comer plantas herbáceas, folhas e galhos.

Reprodução das zebras

As zebras são animais encontrados em grupos e que apresentam sistema de acasalamento polígino, em que um único macho apresenta várias fêmeas como companheiras ao mesmo tempo. A estação de reprodução das zebras dura o ano todo, com picos de nascimento variando entre as espécies. No caso das zebras-das-planícies, por exemplo, a maioria dos filhotes nasce durante a estação chuvosa, a qual acontece de outubro a março na África Oriental.

Os filhotes nascem após uma gestação que dura de 10 a 12 meses. De maneira geral, as zebras dão à luz um filhote por gestação. Os filhotes de zebra, assim como de outros representantes do gênero Equus, apresentam capacidade de ficar de pé e caminhar logo após o nascimento. A zebra amamenta seu filhote por alguns meses, sendo observada uma variação entre as espécies no que diz respeito ao tempo para que ocorra o desmame completo. No caso das zebras-das-montanhas, os filhotes são desmamados após cerca de 10 meses.

Por: Vanessa Sardinha dos Santos

Artigos relacionados

Camuflagem, aposematismo e mimetismo

Conheça mais sobre alguns recursos que animais e vegetais utilizam para se manter vivos, garantindo a existência da espécie.

Herbivoria

Compreenda o que é herbivoria e como as plantas conseguem defender-se de ataques de alguns animais.

Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN

Conheça a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN e entenda sua importância para a conservação das espécies.

Mamíferos

Saiba mais sobre os mamíferos e suas características exclusivas.

Países Africanos

Características geográficas dos países africanos.