Ramadã

O Ramadã é o nono mês do calendário islâmico, sendo um mês sagrado, porque foi nele que Muhammad (como chamam Maomé) recebeu a revelação da palavra de Allah. Durante esse período, os muçulmanos realizam jejum do nascer até o pôr do Sol, evitando alimentos e bebidas.

Acesse também: Islamismo, uma das maiores religiões da atualidade

Conhecendo o Ramadã

O Ramadã é conhecido como o nono mês do calendário islâmico, um calendário lunar que se baseia nas fases da Lua. O calendário islâmico possui 12 meses de 29 ou 30 dias e, no total, apresenta 354 ou 355 dias. Os muçulmanos consideram o Ramadã sagrado e, por isso, realizam jejuns e outras práticas devocionais durante toda a extensão do período.

A observância do jejum durante o Ramadã é um dos cinco pilares do islamismo, religião que surgiu no século VII.
A observância do jejum durante o Ramadã é um dos cinco pilares do islamismo, religião que surgiu no século VII.

Essas práticas devocionais também levam o nome do mês: Ramadã. Os muçulmanos consideram o Ramadã um mês sagrado porque acreditam que Muhammad recebeu a revelação da palavra de Allah exatamente durante esse mês. Essa revelação se deu quando o arcanjo Gabriel foi autorizado para descer à Terra e entregar a palavra de Allah a Muhammad.

Os muçulmanos acreditam que esse acontecimento se deu no ano de 610, quando Muhammad tinha cerca de 40 anos de idade. Na ocasião, Muhammad estava em uma caverna nos arredores de Meca. O profeta estava nesse local porque tinha o costume de se retirar para o deserto para meditar.

A partir do 2º ano do calendário islâmico, o Ramadã tornou-se um mês para realização de jejuns e ações para aproximar-se de Deus. O segundo ano do calendário islâmico corresponde ao ano  624  do calendário gregoriano. Isso porque o calendário islâmico iniciou sua contagem com a fuga de Muhammad da cidade de Meca, evento conhecido como Hégira.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A partir desse momento, a realização do jejum durante o Ramadã tornou-se obrigatória e, como vimos, deve acontecer anualmente em celebração à revelação da palavra de Allah. O jejum que é realizado durante o Ramadã se inicia com o nascer do Sol e se encerra com o pôr do Sol. Além do jejum, é papel do fiel aproximar-se de Allah por meio da recitação do Alcorão e de orações diárias.

O Ramadã se inicia por meio da aparição da Lua crescente no céu. Essa aparição acontece apenas durante 20 minutos e, se o céu estiver nublado, são realizados cálculos astronômicos que mostram com precisão se a Lua apareceu ou não. Se a Lua aparece no 29º dia do mês de Shaaban (oitavo mês), o dia seguinte será o 1º de Ramadã, mas, caso não apareça, o dia seguinte será o 30º dia de Shaaban, e o Ramadã se iniciará somente ao final desse dia.

Esse processo também é utilizado para definir o término do Ramadã e o início do décimo mês do calendário islâmico, chamado de Shawwal. Além desses meses mencionados, o calendário islâmico é formado pelos seguintes meses:

  1. Muharram
  2. Safar
  3. Rabi al-Awwal
  4. Rabi al-Akhir
  5. Jamadi al-Awwal
  6. Jamadi al-Akhir
  7. Rajab
  8. Shaaban
  9. Ramadã
  10. Shawwal
  11. Dhu al-Qidah
  12. Dhu al-Hija

Em 2021, o Ramadã se iniciou em 13 de abril e se estendeu até o dia 12 de maio. Como o calendário islâmico possui menos dias que o próprio calendário, as datas de início desse mês mudam de ano para ano. A próxima vez que o Ramadã se iniciará próximo de 13 de abril será em 2054, quando será iniciado no dia 9 de abril. Nos anos seguintes, o Ramadã será iniciado nestas datas:

  • 2022: 1º de abril
  • 2023: 22 de março
  • 2024: 10 de março

Acesse também: Sunitas e xiitas — grupos que se originaram da crise sucessória após a morte de Muhammad

Costumes do Ramadã

O Ramadã pode ter duração de 29 ou 30 dias e, durante todo esse período, o jejum obrigatório deve ser realizado. No jejum, os muçulmanos não consomem nenhum tipo de alimento ou bebida no período que se estende do nascer ao pôr do Sol. Essa prática é um dos cinco pilares do islamismo e está presente no Alcorão:

185. Ramadan é o mês em que foi revelado o Alcorão, como orientação para a humanidade e como evidências da orientação e do critério de julgar. Então, quem de vós presenciar esse mês, que nele jejue […]|1|.

Além do jejum, durante o Ramadã, os muçulmanos devem abster-se de qualquer tipo de atitude pecaminosa, como o ato de mentir. São proibidos aos muçulmanos também o consumo de cigarros e práticas sexuais. Depois do pôr do Sol, ambos podem ser realizados.

Apesar da obrigatoriedade, o islamismo admite algumas exceções, que são tratadas pelo próprio Alcorão:

[…] quem estiver enfermo ou em viagem, que jejue o mesmo número de outros dias. Allah vos deseja a facilidade, e não vos deseja a dificuldade. E fê-lo para que inteireis o número prescrito, e para que magnifiqueis a Allah, porque vos guiou, e para serdes agradecidos|1|.

Assim, para aqueles que estiverem doentes ou que estiverem em viagem, o jejum poderá ser cumprido em outro momento. Nesses casos, cabe a pessoa cumprir a quantidade de dias de jejum que ela não realizou durante o Ramadã. O Alcorão ainda fala que, se mesmo assim a pessoa não tiver condições de cumprir o jejum, ela pode substitui-lo por uma ação de caridade.

Nesse caso, a ação de caridade que é estabelecida pelo Alcorão é o ato de alimentar um necessitado pela quantidade de dias de jejum que não foram cumpridos. Os muçulmanos não possuem restrição sobre essa obra de caridade e ela pode ser feita para pessoas de qualquer religião, inclusive cristãos. Outros grupos que não precisam cumprir o jejum durante o Ramadã são:

  • idosos;
  • crianças;
  • mulheres grávidas;
  • mulheres em amamentação;
  • mulheres menstruadas.

O dia de um muçulmano durante o Ramadã se inicia bem cedo, pois, às 4 horas, é feita a primeira oração do dia, bem como o Suhur, a refeição que é consumida antes do amanhecer e que visa garantir energias para que a pessoa possa suportar o jejum ao longo do dia. No pôr do Sol, é realizada uma oração, o Magrib, e então se consome o Iftar, a refeição da noite.

O Iftar é a primeira refeição que os muçulmanos realizam após o pôr do Sol. Tradicionalmente é um momento realizado de forma coletiva.
O Iftar é a primeira refeição que os muçulmanos realizam após o pôr do Sol. Tradicionalmente é um momento realizado de forma coletiva.

Essa é a primeira refeição pós-jejum e geralmente possui comidas leves. Essa refeição é entendida como um momento de comunhão das pessoas e normalmente é realizada de maneira coletiva. O encerramento do Ramadã se dá com um feriado de três dias, o Eid al-Fitr, o festival de quebra de jejum. É bastante comum que haja troca de presentes durante essa celebração.

Notas

|1| NASR, Helmi. Tradução do sentido do nobre Alcorão para a Língua Portuguesa. Para acessar, clique aqui.

Por: Daniel Neves Silva

Artigos relacionados

Ascensão do Império Otomano

Conheça a história de ascensão do Império Otomano na transição da Idade Média para a Idade Moderna.

Diferença entre sunitas e xiitas

Entenda a diferença entre sunitas e xiitas e por que não é possível compreender a história do islã sem que se saiba a origem dela.

Islamismo

Conheça as principais características do Islamismo e saiba como ocorreu o seu surgimento e a sua fundamentação.

Wahhabismo

Conheça a origem do wahhabismo e sua conexão com a formação da Arábia Saudita e o fundamentalismo islâmico.