Galvanômetro e sua utilização como medidor

A partir dos conhecimentos obtidos através dos estudos da corrente elétrica e também do efeito magnético que ela produz, foi possível construir diversos aparelhos elétricos que hoje vemos em nosso cotidiano. Alguns desses aparelhos elétricos funcionam como aparelhos de medidas de grandezas eletromagnéticas.

Basicamente, um medidor dessa grandeza tem como princípio de funcionamento um eletroímã fixado a um eixo que pode girar. Um ponteiro é preso a esse eixo e um ímã permanente é colocado próximo ao eletroímã fixo à carcaça.

Sabemos que quando uma corrente elétrica percorre um eletroímã, ele produz à sua volta outro campo magnético, havendo, então, uma superposição de um campo com o campo criado pelo ímã na região. Dessa forma, a força magnética de interação entre o ímã permanente e o eletroímã moverá este último por estar fixado ao eixo móvel, deslocando consigo o ponteiro.

Como a intensidade da força magnética depende do valor da corrente elétrica, quanto maior for a corrente elétrica, mais o ponteiro gira. Ao girar, o eletroímã comprime uma mola de formato espiral, assim o ponteiro estabiliza-se quando as forças magnética e elástica se equilibram. Em função dos materiais utilizados e da forma como são construídos, esses aparelhos são muito sensíveis, podendo registrar a passagem de correntes elétricas de baixa intensidade.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O conjunto, funcionando dessa maneira, é denominado galvanômetro. Essa estrutura é encontrada em todos os medidores elétricos que utilizam ponteiros, como indicadores de temperatura e de combustível em automóveis, de nível sonoro em aparelhos de som, medidores de tensão e corrente elétrica (voltímetros e amperímetros).

Quando um galvanômetro é utilizado para medir a corrente elétrica em um circuito, o fio do eletroímã deve ser conectado a ele em série. Para correntes muito intensas, capazes de danificar o delicado fio de cobre do eletroímã, um resistor deve ser conectado em paralelo ao galvanômetro.

Para medir a tensão em um circuito, o eletroímã deve ser conectado a ele em paralelo. Assim, para que apenas uma pequena parte da corrente elétrica atinja o eletroímã, este deve ser conectado em série a um resistor de alta resistência.

Os eletroímãs foram bastante utilizados na construção de campainhas etelégrafos. Nos dois exemplos, a força magnética do eletroímã sobre uma peça móvel, de ferro, produz uma marca em papel carbonado, no caso dos telégrafos; ou colide com uma sineta e produz som, no caso das campainhas.

Eletroímã (1); ímã (2); ponteiro (3); escala (4); mola (5)

Eletroímã (1); ímã (2); ponteiro (3); escala (4); mola (5)

Por: Domiciano Correa Marques da Silva

Artigos relacionados

Campo magnético

A região que envolve a massa magnética e dentro da qual ela consegue exercer ações magnéticas é chamada de campo magnético. Confira mais sobre suas propriedades aqui!

Força magnética num condutor retilíneo

Quando um condutor retilíneo percorrido por uma corrente é colocado dentro de um campo magnético surge uma força magnética sobre ele.

Corrente elétrica

Cargas em movimento ordenado constituem uma corrente elétrica.

Amperímetro e voltímetro

Veja aqui como podemos medir a corrente e a tensão nos circuitos elétricos, utilizando os instrumentos de medida amperímetro e voltímetro.