Urticária

A urticária é caracterizada pelo surgimento repentino de lesões avermelhadas, em relevo e que coçam. Elas, geralmente, desaparecem espontaneamente e de forma rápida, não se estendendo por períodos maiores que 24 horas. Na maioria dos casos, trata-se de respostas alérgicas. Alimentos específicos, poeira, pelos ou picadas de animais, infecções, estresse, fricção da pele e agentes físicos (calor, frio, pressão); são alguns dos fatores que podem desencadear nesta dermatose.

Estudos apontam que aproximadamente 20% da população já teve algum episódio assim. Algumas vezes, as manchas se apresentam em grupos, surgindo novas lesões enquanto outras desaparecem.

Em alguns casos, além da manifestação cutânea, o indivíduo sente dificuldades de respirar, e também coceira, típicas da reação inflamatória. Os mastócitos são os principais agentes envolvidos nessas manifestações sintomáticas, uma vez que os fatores desencadeantes provocam sua ativação, fazendo com que liberem histamina.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Pessoas nas quais episódios de urticária são frequentes devem estar atentas às suas causas, a fim de evitá-las, ou mesmo diminuir seus sintomas. Algumas medidas relativas a isso incluem: evitar banho quente, não se enxugar esfregando a toalha no corpo, usar roupas mais leves, evitar o estresse, evitar o consumo de alimentos industrializados e álcool, e solicitar ao médico um anti-histamínico eficaz para utilizar nesses casos. O uso de compressas frias e banho frio também ajudam significantemente.

Caso a região acometida seja a face, é importante estar atento, uma vez que, em alguns casos, pode ocorrer o edema de laringe, provocando o sufocamento do indivíduo acometido.


Importante:

A urticária não é contagiosa.

 Dermografismo: forma comum da urticária na qual a pele se apresenta avermelhada e em relevo após ser coçada, arranhada ou friccionada.

Dermografismo: forma comum da urticária na qual a pele se apresenta avermelhada e em relevo após ser coçada, arranhada ou friccionada.

Por: Mariana Araguaia