A segunda pessoa indireta

Eis que estamos diante de mais uma das particularidades que norteiam os fatos linguísticos. Desta vez, remetemo-nos ao caso relacionado à segunda pessoa indireta – característica esta demarcada pela utilização de pronomes que, apesar de indicarem o interlocutor (no caso, representado pela segunda pessoa), exigem o verbo na terceira pessoa.

Sendo assim, no intuito de nos tornarmos assíduos conhecedores dessa questão, constatemos os casos que integram tal ocorrência. São eles, portanto:


* Os pronomes de tratamento, tais quais aqui representados:




Tais pronomes indicam uma forma indireta de tratamento de um interlocutor, visto que representam a segunda pessoa do discurso, ou seja, aquela com quem falamos. Entretanto, toda concordância que com eles é realizada se dá por meio da terceira pessoa. Assim como nos demonstra o exemplo subsequente:

Todos esperam que Vossa Excelência cumpra com todas as suas promessas de campanha. 


* Também integram este quadro os pronomes de tratamento: “senhor, senhora, você e vocês”, sendo que senhor e senhora são utilizados no tratamento cerimonioso, enquanto que você e vocês são empregados no tratamento familiar. Percebe-se que no Brasil o uso destes últimos se deve à substituição das formas “tu” e “vós”.    


* Ainda em se tratando deles (você e vocês), podem ser usados exercendo a função de pronomes pessoais do caso reto (atuando como sujeito ou predicativo), ou de pronomes pessoais do caso oblíquo (atuando como complementos verbais e nominais). Exemplificados nos casos a seguir:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

- Você agrada a todos. (sujeito)

- A mais bela de todas é você. (predicativo do sujeito)

- Todas as homenagens foram feitas a você. (complemento verbal)

- Temos toda confiança em você. (complemento nominal)


* Em referência ao padrão formal da linguagem, torna-se necessário mencionar que não existe a mistura dos pronomes “tu” e “você”, fato este amplamente disseminado na linguagem cotidiana, assim como neste exemplo que segue:

Se você quiser, posso te esperar.
Com vistas a possibilitar que tal discurso se torne adequado, obtém-se:  

Se você quiser, posso esperá-lo. 


* Os pronomes pessoais do caso oblíquo (representados por “o, a, os, as, lhe, lhes, se, si e consigo”) também são usados em combinação com “você”. Perceba:

Já lhe disse algumas vezes que você precisa se esforçar mais.
É difícil saber que vocês só se preocupam consigo mesmos.


* No que tange à linguagem informal, é notável o uso da expressão “a gente” no sentido de se referir à primeira pessoa do plural (nós), uma vez expressa por meio do verbo na terceira  pessoa do singular. Vejamos, pois:

Na infância, a gente faz cada coisa!

Reformulando tal enunciado, no intuito de adequá-lo à linguagem padrão, obteríamos:

Na infância, nós fazemos cada coisa!

       É representada por pronomes que requisitam o verbo na terceira pessoa

É representada por pronomes que requisitam o verbo na terceira pessoa

Por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Artigos relacionados

Pronomes Pessoais

Conheça os pronomes pessoais existentes em língua portuguesa e aprenda as funções exercidas por eles no enunciado.

Pronomes demonstrativos

Clique aqui e entenda como os pronomes demonstrativos são empregados!

Pronomes interrogativos

Leia este artigo e saiba tudo a respeito dos pronomes interrogativos, que são utilizados para introduzir os enunciados interrogativos.

Pronomes possessivos

Atenha-se aos traços que os demarcam!

Pronomes relativos

Interaja-se com as características inerentes a estes, os quais integram as classes de palavras.

Verbos acompanhados de pronomes oblíquos

Ao clicar aqui, certifique-se de algumas delas!