Zumbi dos Palmares

Zumbi foi líder do quilombo dos Palmares, em Alagoas, defendendo a liberdade dos negros que ali estavam contra a opressão da escravidão. Morreu em 20 de novembro de 1695.

Estátua localizada em Salvador, Bahia, que homenageia Zumbi dos Palmares.[1]
Estátua localizada em Salvador, Bahia, que homenageia Zumbi dos Palmares.[1]

Zumbi dos Palmares nasceu em 1655, na serra da Barriga, antiga capitania de Pernambuco e atual União dos Palmares, no estado de Alagoas. Ele foi o líder do Quilombo dos Palmares, que abrigava mais de 30 mil escravizados fugidos.

Zumbi foi morto pelas tropas do bandeirante Domingos Jorge Velho, em 20 de novembro de 1695. Nessa data, comemora-se do Dia da Consciência Negra em todo Brasil. É uma forma de homenagear Zumbi e destacar a importância dele na formação do nosso país.

Leia também: Candomblé — uma forma de resistência dos africanos

Resumo sobre Zumbi dos Palmares

  • Zumbi dos Palmares se tornou conhecido por ser o líder do Quilombo dos Palmares e defender a liberdade dos negros que fugiram da escravidão e ali buscaram refúgio.

  • As tropas do bandeirante Domingos Jorge Velho mataram Zumbi em 20 de novembro de 1695.

  • A data da morte de Zumbi é comemorada como o Dia da Consciência Negra.

Videoaula sobre Zumbi dos Palmares

Biografia de Zumbi dos Palmares

Zumbi nasceu na serra da Barriga, em 1655, na capitania de Pernambuco, onde hoje se localiza o estado de Alagoas. Ele foi aprisionado pela expedição liderada por Brás da Rocha Cardoso, um bandeirante responsável por prender negros fugitivos, e entregue para o padre Antônio Melo. O missionário batizou Zumbi com o nome de Francisco.

Além de ter recebido os sacramentos, Zumbi aprendeu a ler e escrever em português e latim. Aos 15 anos, Zumbi fugiu de onde morava com o Padre Antônio Melo e se refugiou no Quilombo dos Palmares.

Nesse período, o quilombo se destacava por ser o maior do Brasil Colônia e pela dificuldade que os negros impunham às tropas oficiais que tentavam destruí-lo. Por volta de 1678, o governo da capitania de Pernambuco chamou Ganga Zumba, líder do Quilombo de Palmares, para selar um acordo e acabar com os conflitos.

O governo local libertaria da escravidão os negros que moravam no Quilombo dos Palmares em troca da sua submissão à Coroa portuguesa. A proposta foi aceita por Zumba, mas Zumbi se posicionou contra e desafiou a liderança daquele.

Zumbi queria manter a resistência do Quilombo dos Palmares e não aceitar a proposta de submissão à autoridade portuguesa. Sua esposa, Dandara, ajudou-o no combate contra os inimigos que queriam capturá-lo e destruir o quilombo.

Por conta disso, ele se tornou o líder do quilombo e defensor da liberdade dos negros que ali moravam. Porém, em 1694, as tropas do bandeirante Domingos Jorge Velho chegaram ao Quilombo dos Palmares com o objetivo de destruí-lo.

Em 6 de fevereiro daquele ano, a capital de Palmares foi destruída, e Zumbi foi ferido após confronto com as tropas de Domingos Jorge Velho, mas resistiu aos ferimentos. No entanto, o líder de Palmares foi traído por Antônio Soares, um dos seus capitães. Zumbi foi alvo de novo ataque do capitão Furtado de Mendonça e ficou gravemente ferido.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Morte de Zumbi dos Palmares

Zumbi dos Palmares foi morto em 20 de novembro de 1695, junto a 20 guerreiros. Sua cabeça foi degolada, salgada e levada até o governador da capitania, Melo e Castro. Em Recife, sua cabeça foi exposta, no Pátio do Carmo, para que o público não acreditasse na lenda sobre a sua imortalidade. Segundo se acreditava na época, os deuses teriam fechado o corpo de zumbi, concedendo-lhe poderes para enfrentar seus inimigos.

Leia também: Trabalho escravizado africano nos engenhos coloniais

Quilombo dos Palmares

O Quilombo dos Palmares se tornou símbolo da resistência negra no Brasil Colônia. Localizado onde hoje é União dos Palmares, em Alagoas, o quilombo era uma comunidade formada por escravos fugidos. Acredita-se que mais de 30 mil negros moravam lá.

Por ser um local de abrigo dos negros fugitivos e de resistência à escravidão, o Quilombo dos Palmares se tornou alvo de ataques de fazendeiros e das tropas portuguesas. Os resistentes conseguiram derrotar os soldados que tentavam invadir o quilombo até a chegada dos soldados de Domingos Jorge Velho, que conseguiram, por fim, destruí-lo.

Homenagem a Zumbi dos Palmares

 Mulheres negras dançam na frente de estátua de Zumbi dos Palmares, no Rio de Janeiro.
A estátua de Zumbi dos Palmares, no Rio de Janeiro, é local para celebrações da cultura negra.[2]

Se, na época do Brasil Colônia, a imagem de Zumbi dos Palmares foi execrada, atualmente sua memória é valorizada ao nomear logradouros públicos e seu rosto ser lembrado em cartazes e esculturas. Zumbi se tornou símbolo da resistência negra no Brasil e do combate ao racismo bem como da defesa da igualdade social.

O dia 20 de novembro foi escolhido em sua homenagem para ser o Dia da Consciência Negra. Em algumas cidades brasileiras, a data é feriado e acontecem eventos que recordam os feitos de Zumbi, a sua resistência em Palmares e as lutas dos negros ao longo da nossa história.

Leia também: Fugas de escravizados no Brasil colonial

Exercícios resolvidos sobre Zumbi dos Palmares

Questão 1

O Quilombo dos Palmares se tornou o principal símbolo de resistência dos escravos contra a opressão dos seus senhores. Zumbi foi o líder desse quilombo e enfrentou as constantes tentativas das tropas coloniais de matá-lo ou de destruir o quilombo. Sobre a resistência escravizada durante o período colonial, pode-se afirmar que:

a) As inúmeras derrotas sofridas pelas tropas coloniais demonstram a força dos quilombos no combate à escravidão do Brasil.

b) Além dos quilombos, os escravizados se refugiaram em aldeias indígenas e foram convertidos pelos padres jesuítas.

c) Os escravizados fugitivos não se dirigiam aos quilombos porque temiam ser delatados por alguns capitães do mato.

d) O fim do Quilombo dos Palmares destruiu a memória do lugar de resistência que, somente agora, está sendo retomado e reconhecido por sua bravura.

Resolução:

Letra A. Não foi fácil para as tropas dos bandeirantes derrotarem os escravizados fugitivos abrigados nos quilombos. Eles ofereciam resistência física e armavam armadilhas para impedir a entrada dos inimigos nesses locais.

Questão 2

O Dia da Consciência Negra é comemorado todo dia 20 de novembro para homenagear a memória de Zumbi dos Palmares, uma das principais figuras da resistência escravizada. Sobre ele, é correto afirmar:

a) Buscando a conciliação e o diálogo, Zumbi usou como base a educação dada pelo Padre Antônio Melo, seu tutor durante a infância, para negociar a preservação dos quilombos.

b) Zumbi não resistiu à primeira investida das tropas inimigas e foi assassinado, tendo sua memória resgatada apenas nos tempos atuais como forma de homenageá-lo.

c) O Dia da Consciência Negra é relembrado como uma forma de homenagear a luta de Zumbi dos Palmares na resistência do negro à escravidão.

d) Zumbi foi homenageado pela Coroa portuguesa por conta das suas denúncias contra os quilombos que abrigavam escravizados fugitivos.

Resolução:

Letra C. A resistência de Zumbi em lutar até a morte contra a escravidão fê-lo herói no combate à opressão contra os negros, que perpassa longos séculos da nossa história e ainda existe.

Créditos da imagem

[1] David Fadul / Shutterstock.com

[2] Rodrigo S Coelho / Shutterstock.com

Por: Carlos César Higa

Artigos relacionados

20 de novembro – Dia da Consciência Negra

Clique aqui para conhecer o dia 20 de novembro e a importância dessa data para pensarmos nas relações sociais que levam à discriminação racial em nosso país.

Fugas de escravos no Brasil colonial

Saiba os principais tipos de fugas de escravos ocorridas no Brasil.

Quilombo dos Palmares

Um pouco da história de Zumbi e Palmares, símbolos da resistência negra.