Rinite alérgica

Rinite é o nome dado à inflamação da mucosa nasal. Ela pode ser de vários tipos:

- Rinite medicamentosa: provocada pelo uso de fármacos nasais que, ao invés de resolverem o problema que se espera, pioram o quadro, em curto ou longo prazo e, muitas vezes, provocam dependência.

- Rinite irritativa: provocada por fatores como poluição e poeira.

- Rinite gustativa: quando o indivíduo ingere um alimento muito temperado ou apimentado, provocando rinorreia constante (“nariz escorrendo”).

- Rinite vasomotora (ou rinite idiopítica): é desencadeada pelos mesmos fatores da rinite irritativa, mas também pode se manifestar em situações de cansaço e estresse, e quando há mudanças significativas na temperatura.

- Rinite alérgica: seu desencadeamento e sintomas são bem parecidos com os da rinite vasomotora. Assim, melhor forma de diferenciar uma da outra é através de testes alérgicos, feitos pelo médico. Resultados positivos indicam, obviamente, a rinite alérgica; e os negativos, a rinite vasomotora.

Espirros frequentes e, geralmente, sucessivos; rinorreia e obstrução nasal, olfato prejudicado; coceira no nariz, olhos, céu da boca e garganta; gota pós-nasal (catarro na garganta) e, em alguns casos, chiados no peito e dor de cabeça; são os principais sintomas de quem está manifestando a rinite alérgica: doença respiratória presente em aproximadamente de 25% da população. Eles surgem em razão da reação exagerada do sistema imune, interpretando a inalação de algum agente não agressivo como uma ameaça para o organismo.

Ela pode se apresentar de duas formas: intermitente, quando os sintomas aparecem pelo menos quatro dias por semana, por menos de um mês; e persistente, quando os sintomas se manifestam por mais de quatro dias por semana, por mais de um mês.

Embora não sejam bem esclarecidas as causas da rinite alérgica, sabe-se que pais alérgicos têm maior probabilidade de terem filhos com esse mesmo quadro. Na verdade, tais indivíduos nascem com predisposição a desenvolver reações imunológicas, sendo elas desencadeadas ao entrar em contato com alérgenos. Tal nome é dado àquelas substâncias que provocam o quadro, sendo as principais: poeira domiciliar, fumaça de cigarro e poluição em geral, mofo, cheiros fortes, pólen, etc.

Sobre a poeira doméstica, é importante frisar que ela é o principal fator desencadeante das crises e é resultado da união de vários detritos, que geralmente contém bactérias, fungos e ácaros (artrópodes da Classe Arachnida, Ordem Acarina). Tais artrópodes se alimentam de restos de alimentos, fragmentos de pele descamada, dentre outros componentes da poeira; liberando resíduos com grande potencial de provocar alergias. Como o uso de inseticidas não é eficaz para combatê-los e tal produto tem grande potencial de provocar alergias, a melhor forma de evitar os danos provocados por tais animais é:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

- Manter cômodos arejados e iluminados, evitando a umidade;
- Passar diariamente panos úmidos nos móveis e no chão;
- Aspirar colchões e travesseiros e/ou levá-los ao sol, por aproximadamente três horas, ao menos uma vez por semana;
- Trocar roupas de cama pelo menos uma vez por semana, lavando-as, se possível, em água morna;
- Evitar aquilo que permite o acúmulo de poeira, principalmente no quarto da pessoa com rinite, tais como pelúcias, carpetes, cortinas grossas e colchas de lã;
- Forrar colchão e travesseiros com capas antialérgicas;
- Evitar a presença de animais dentro de casa, principalmente no quarto da pessoa acometida.

Quanto aos outros fatores desencadeantes do quadro, é importante evitar o contato com eles. Além disso, a ingestão de bastante água, principalmente se estiver em ambiente com ar condicionado, é muito importante, já que tal aparelho provoca o ressecamento das vias aéreas, tornando menos eficiente a eliminação do muco nasal. Sobre esses resfriadores de ar, vale lembrar que é imprescindível sua manutenção regular, limpeza e troca de filtros na periodicidade indicada pelo fabricante.

Uma vez que a rinite alérgica não tem cura e nem sempre há como se evitar os alérgenos, é importante recorrer à ajuda médica, com a finalidade de adotar um tratamento efetivo no controle desses sintomas, permitindo melhor qualidade de vida do indivíduo. Tal ação permitirá, também, com que outros sintomas não surjam, sejam controlados ou desapareçam; tais como: voz anasalada, dificuldades para dormir, roncos, desalinhamento dos dentes, sinusites e problemas no ouvido. O uso de anti-histamínicos, descongestionantes nasais e, em alguns casos, vacinas, pode ser indicado. Algumas pessoas, ainda, recorrem à homeopatia. Muitas delas obtêm resultados satisfatórios.

Curiosidade:

Diferentemente das gripes e resfriados, o muco nasal da rinite alérgica se apresenta claro e pouco espesso. Além disso, nesse tipo de alergia, não há a manifestação de febre nem de dores musculares.

Ácaros, fumaça de cigarro e alguns produtos são capazes de provocar a rinite alérgica

Ácaros, fumaça de cigarro e alguns produtos são capazes de provocar a rinite alérgica

Por: Mariana Araguaia

Artigos relacionados

Dor de cabeça

Clique aqui e saiba quais são os tipos, as causas e os sintomas da dor de cabeça.